Esqueletos revelam que fosso entre ricos e pobres começou a abrir-se há 6.600 anos

Chelsea Budd / Universidade de Umeå

A análise a ossos encontrados numa sepultura na Polónia mostram que o fosso entre ricos e pobres na Europa começou a abrir-se muito antes daquilo que se pensava.

O desaparecimento da classe média é um problema da sociedade do quotidiano. Isto acontece devido ao crescente alargamento do fosso entre ricos e pobres. Ao contrário do que se possa pensar, este não é um fenómeno de todo recente. Um novo estudo arqueológico revela que o fosso de riqueza começou a abrir-se há 6.600 anos.

Investigadores da Universidade de Umeå, na Suécia, analisaram sepulturas milenares da comunidade Osłonki, na Polónia. O objetivo era tentar determinar se a desigualdade de riqueza existia nestas antigas sociedades.

Os arqueólogos descobriram que um quarto da população era enterrada com adornos, embora isto signifique que as pessoas tenham sido necessariamente ricas durante a sua vida, escreve a New Scientist.

“Os itens poderiam simplesmente ter sido uma atuação dos membros sobreviventes da família”, explicou a líder da investigação, Chelsea Budd. “Poderia ser usado para mitigar os processos em torno da morte ou até para promover o seu próprio status social”.

Para perceber se os falecidos eram mesmo ricos ou se não passava de ‘fogo de vista’, os investigadores analisaram os isótopos de carbono e azoto dos esqueletos encontrados nas sepulturas. Através desta técnica, os cientistas poderiam perceber a qualidade da alimentação que levavam.

Aqueles que eram enterrados com cobre, tinham um equilíbrio distinto de proporções de carbono nos ossos. Os investigadores identificaram esse mesmo equilíbrio em ossos de gado encontrados na área. Isto sugere que as pessoas enterradas com cobre comiam carne desses animais.

Além disso, escreve a New Scientist, sugere ainda que as pessoas que eram enterradas nestas condições tinham acesso a terras e gado que outros não tinham.

Budd e os seus colegas especulam que isto esteja relacionado com diferentes níveis de posse de terras. “Nunca antes encontramos estas desigualdades neste período”, diz a autora principal do estudo publicado recentemente na revista científica Antiquity.

“Sepulturas ricas não significam necessariamente pessoas ricas em nenhum período”, diz Mark Pearce, da Universidade de Nottingham. “Mas este método fornece uma excelente maneira de demonstrar a existência de diferenças sociais”.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Esta época há menos 500 clubes. "É o drama absoluto", diz presidente da FPF

Esta época há menos 500 clubes em comparação com a temporada transata. O presidente da FPF, Fernando Gomes, classifica a situação de "drama absoluto". A pandemia de covid-19 e a consequente interrupção das competições foi um …

Psicólogos no recrutamento e mudanças na formação. IGAI quer acabar com discriminação na polícia

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) quer envolver psicólogos no processo de recrutamento de novos polícias e rever os currículos de formação para acabar com práticas discriminatórias nas forças de segurança. As alterações no processo de …

Coleção de joias da era Viking é encontrada na Ilha de Man. É "excecionalmente rara"

Uma coleção de joias da era Viking foi encontrada na Ilha de Man, entre Inglaterra e a Irlanda, em novembro de 2020 e foi agora classificada como tesouro. Os especialistas acreditam que os artefactos, descobertos …

“As brasileiras são mercadoria". Professor da UP suspenso por comentários machistas e xenófobos nas aulas

Após uma denúncia que reuniu assinaturas de mais de uma centena de alunas, o professor auxiliar Pedro Cosme da Costa Vieira foi suspenso pelo período máximo de 90 dias, da Faculdade de Economia da Universidade …

Houve buzinão na Luz (mas sem "carinho"). Jesus culpa covid-19 pela crise do Benfica

Algumas dezenas de adeptos protestaram junto ao Estádio da Luz com um buzinão, entre gritos de "Rua Vieira" devido aos maus resultados do Benfica. Antes disso, Jorge Jesus tinha apelado a um "buzinão de carinho" …

Marcelo remete diretamente para o Governo limites ao ruído nos prédios

O chefe de Estado incluiu o detalhe "decreto-lei do Governo", no novo decreto para a renovação do estado de emergência, para permitir que o Executivo limite o ruído nos prédios. No último decreto que executou o …

Clubes ingleses decidiram: não há público, acabou a época

Decisão não afeta a Premier League mas antecipa o final de quatro divisões do futebol inglês. Na época passada os campeonatos também não chegaram ao fim. Muitos dos campeonatos não-profissionais (em várias modalidades) estão parados, não …

Cães podem ter consciência corporal tal como os humanos

Os cães podem não ser capazes de se reconhecer em frente a um espelho, mas isso não significa que não tenham um certo nível de autoconsciência. De acordo com o site Science Alert, um novo estudo …

Moratórias de crédito à habitação terminam a 31 em Março. Famílias terão de procurar opções

Todas as moratória públicas para o crédito à habitação terminam a 30 de Setembro, mas a dos bancos expira já no próximo mês. Uma das soluções para quem não consegue cumprir os pagamentos é a …

Finanças: Mais dinheiro para a TAP só com novo acordo com Bruxelas

O Ministério das Finanças refere que, enquanto não houver a luz verde de Bruxelas ao plano de reestruturação, não há mais apoio público à companhia aérea.  A TAP só garante a liquidez até final de março, …