Descoberto esqueleto de homem que morreu esmagado a tentar fugir de Pompeia

Ciro Fusco / EPA

O esqueleto do homem que foi esmagado por uma pedra quando tentava fugir da erupção que destruiu Pompeia, em Itália

Arqueólogos italianos descobriram os restos mortais de um homem que foi esmagado por uma pedra quando tentava escapar à erupção do Vesúvio que destruiu a cidade de Pompeia.

Pompeia não se cansa de nos revelar mais pedaços da sua história, ainda que estes sejam por vezes bastante sombrios. É o caso do esqueleto de um homem que conseguiu escapar à primeira erupção do Vesúvio mas que, logo a seguir, foi esmagado por um bloco de pedra arremessado por uma nuvem vulcânica explosiva.

Ao realizar novas escavações no local, arqueólogos italianos encontraram os restos mortais da vítima, quase dois mil anos depois da sua morte na antiga cidade romana, em 79 d.C. O esqueleto foi encontrado preso sob a pedra e os cientistas afirmam que o impacto provavelmente esmagou a parte superior do corpo.

A equipa de investigadores ainda não examinou a parte do esqueleto que permanece enterrada na rocha, mas detalhou que o homem possuía lesões na tíbia, provavelmente sinal de uma infeção óssea, e que isso, por sua vez, poderia ter dificultado a fuga.

Apesar disso, a vítima, com pelo menos 30 anos, sobreviveu à primeira fase da erupção, tendo conseguido escapar com sucesso por um beco. Nesse local, no entanto, foi atingido pelo maciço bloco de pedra – algo que terá caído de um edifício – que terá sido arremessado contra ele pela força do fluxo piroclástico do Vesúvio.

Os fluxos piroclásticos são o resultado devastador de algumas erupções vulcânicas, sendo uma mistura ardente de gás, fragmentos de lava e outros detritos arremessados por um vulcão que podem atingir uma velocidade de até 160 quilómetros por hora.

De acordo com Massimo Osanna, diretor-geral do Parque Arqueológico de Pompeia, esta descoberta mostra os avanços feitos na área. Atualmente, a equipa que trabalha no local não é formada apenas por arqueólogos, mas também por especialistas de diversos campos, nomeadamente engenheiros e restauradores. Além disso, também têm agora à sua disposição o uso de ferramentas técnicas como, por exemplo, drones e scanners 3D.

“Agora temos a possibilidade de reconstruir este espaço como nunca foi feito. É a primeira vez que uma escavação acontece com todas estas ferramentas. Nos anos 1800 e 1900, os investigadores cavaram a região onde encontrámos o esqueleto, mas não foram tão a fundo como nós. Por causa dos especialistas que temos, sabíamos como fazê-lo“, afirma.

PARTILHAR

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …