Esperar pelo “amor da sua vida” tem benefícios evolutivos

Um novo estudo com aves sugere que há benefícios evolucionários em esperar para encontrar o parceiro ideal. Os resultados também podem ser aplicados aos seres humanos.

A maioria de nós já passou uma parte considerável de nossa vida à procura do amor verdadeiro, mas a busca por um parceiro ideal não é exclusiva dos seres humanos. No entanto, de uma perspectiva evolutiva, não é claro porque é que nós e outros animais formamos casais, gastando tempo e esforço quando poderíamos estar simplesmente a reproduzir-nos.

Além disso, como é que sabemos quem é o nosso parceiro ideal? A resposta parece mudar de espécie para espécie. Como as fêmeas costumam investir mais na reprodução do que os machos, elas tendem a ser o sexo com mais critérios de escolha. Muitas vezes, há um amplo consenso sobre quais machos são os mais desejáveis: aqueles que oferecem mais ou melhores recursos, como um território muito bom, ou genes superiores que garantem uma prole saudável.

Entre os seres humanos, por exemplo, ser considerado extremamente atraente pela maioria pode não ser necessariamente um fator importante quando se trata de escolher um parceiro de longo prazo. Na verdade, quando se trata de encontrar a cara-metade, o ideal de companheiro certo varia de pessoa para pessoa.

Embora o comportamento em relação a relações de longo prazo dos seres humanos seja bastante raro entre os mamíferos, essa característica é partilhada com muitas espécies de aves. Uma dessas espécies é o mandarim, um pássaro comum, muitas vezes usado ​​em estudos científicos. Como as pessoas, os mandarins formam casais de longo prazo, e cada pássaro tem a sua preferência.

Um novo estudo, publicado na revista PLoS Biology, tentou perceber porque é que isso acontece. Os investigadores partiram do princípio de que, se os animais se esforçavam tanto para encontrar o parceiro perfeito, deveria haver algum benefício em reproduzir com esse parceiro em vez de outro – ou muitos outros.

Mais filhos

Para descobrir o que está por trás disso, os cientistas deixaram 160 aves escolherem os seus próprios parceiros num grande recinto comum. Depois de os pássaros terem escolhido os seus pares, foram colocados em gaiolas menores por dois meses. Metade dos casais foram alojados com o parceiro escolhido, enquanto a outra metade foi alojada com o parceiro escolhido por outros.

Recorrendo a aves que tinham sido escolhidas anteriormente por um outro pássaro, os investigadores controlaram a possível confusão de unir pássaros com companheiros “objetivamente” inferiores. Ainda assim, estas aves acabaram por formar laços. Finalmente, todos os pares agora estabelecidos foram colocados em aviários maiores novamente – seis pares em cada gaiola – para reproduzir.

O resultado foi dramático. Os pássaros que reproduziram com parceiros da sua própria escolha tiveram 37% mais filhotes que sobreviveram à idade adulta do que as aves que copularam com um parceiro não escolhido, o que mostra que alguma forma de compatibilidade com o seu par é importante para o sucesso reprodutivo destes pássaros.

Harmonia doméstica

Mas porque é que os pares “forçados” foram menos bem sucedidos na reprodução? Existem duas possibilidades. Uma delas é que os parceiros eram geneticamente menos compatíveis. Nos seres humanos, ser geneticamente semelhante pode significar uma boa sintonia – embora também tenha sido relatado em outros estudos que os seres humanos são mais atraídos pelo cheiro do suor nas camisolas usadas ​​por pessoas com sistemas imunitários geneticamente diferentes.

A outra possibilidade é que os parceiros tinham um comportamento menos compatível – por exemplo, a nível temperamental.

Os autores do estudo tinham mostrado anteriormente que a viabilidade do embrião dos pássaros mandarins tem que ver com a composição genética do embrião, ou seja, a compatibilidade genética dos pais biológicos, enquanto que a sobrevivência após a eclosão se devia puramente ao cuidado parental.

Cuidado e atenção

Se por um lado a viabilidade do embrião não diferiu entre os dois grupos, mais filhotes morreram após a eclosão no grupo de “forçados”.

Os cientistas conseguiram demonstrar que os pares “forçados” eram menos carinhosos uns com os outros – fêmeas do grupo “forçado” eram menos atentas à corte do seu companheiro, enquanto os machos passaram menos tempo no ninho e mais tempo a cortejar outras fêmeas do que em pares que escolheram os seus próprios parceiros.

Mas será que esses passarinhos nos podem dizer alguma coisa sobre a evolução da escolha de parceiro na nossa própria espécie?

Apesar das semelhanças, não somos pássaros mandarins. Os sistemas de acasalamento humanos variam entre culturas e no tempo, mas as emoções como a atração e o amor – que têm a função de descobrir um parceiro e estabelecer ligações com um indivíduo em particular – evoluíram.

Assim como os mandarins, pessoas diferentes são atraídas por e compatíveis com parceiros diferentes. Portanto, é provável que os nossos próprios comportamentos de escolha do companheiro, incluindo “namorar” e “terminar”, sejam parte de uma estratégia evolutiva para encontrar um parceiro compatível, que iria – pelo menos na história evolutiva – melhorar o nosso sucesso reprodutivo.

Se você ainda não encontrou o amor da sua vida, não desespere: a biologia evolutiva sugere que vale a pena o tempo e o esforço gastos na procura.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas revertem a doença de Parkinson em ratos

Uma equipa de cientistas conseguiu reverter totalmente a doença de Parkinson em ratos. Os animais deixaram de apresentar sintomas e recuperaram neurónios. A doença de Parkinson resulta da redução dos níveis de uma substância que funciona …

Entrevista a Carlos Cueva, autor de estudo inédito sobre os jogos à porta fechada

Carlos Cueva, 34 anos e professor na Universidade de Alicante há seis anos. Estudou em Inglaterra, onde completou um doutoramento em Economia. O ensino e a investigação ocupam o seu tempo. É especialista em investigação …

Ministro da Saúde do Brasil infetado com covid-19

Eduardo Pazuello, ministro da Saúde brasileiro, está infetado. Também esta quarta-feira, o governante foi admoestado por Jair Bolsonaro, que negou haver intenção do Brasil comprar 46 milhões de doses de vacina chinesa. O ministro da Saúde …

PSD vai votar contra o OE2021. PS acusa Rio de abandonar defesa do "interesse nacional"

O secretário-geral adjunto socialista disse esta quarta-feira que não surpreende o voto contra do PSD à proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), considerando, no entanto, que Rui Rio “deixou cair” o valor do …

As vacas preferem interagir cara a cara com as pessoas. Ficam mais relaxadas

Um novo estudo descobriu que as vacas preferem interagir com os seres humanos cara a cara e que ficam os animais ficam mais relaxados com este tipo de interação do que quando ouvem uma voz …

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus para dois por semestre

O Presidente da República promulgou o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por …

Poderia o gato de Schrödinger existir na vida real? A Ciência pode responder em breve

Poderia o gato de Schrödinger existir na vida real? Uma equipa de investigadores propõe uma experiência que pode resolver essa questão espinhosa de uma vez por todas. Já alguma vez esteve em mais de um sítio …

As montanhas geladas de Plutão são fruto de um processo único (e inverso ao da Terra)

As montanhas descobertas em Plutão durante o "flyby" da nave New Horizons pelo planeta anão em 2015 estão cobertas por um manto de metano gelado, criando depósitos brilhantes impressionantemente parecidos aos das cadeias de montanhas …

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …