Esperar pelo “amor da sua vida” tem benefícios evolutivos

Um novo estudo com aves sugere que há benefícios evolucionários em esperar para encontrar o parceiro ideal. Os resultados também podem ser aplicados aos seres humanos.

A maioria de nós já passou uma parte considerável de nossa vida à procura do amor verdadeiro, mas a busca por um parceiro ideal não é exclusiva dos seres humanos. No entanto, de uma perspectiva evolutiva, não é claro porque é que nós e outros animais formamos casais, gastando tempo e esforço quando poderíamos estar simplesmente a reproduzir-nos.

Além disso, como é que sabemos quem é o nosso parceiro ideal? A resposta parece mudar de espécie para espécie. Como as fêmeas costumam investir mais na reprodução do que os machos, elas tendem a ser o sexo com mais critérios de escolha. Muitas vezes, há um amplo consenso sobre quais machos são os mais desejáveis: aqueles que oferecem mais ou melhores recursos, como um território muito bom, ou genes superiores que garantem uma prole saudável.

Entre os seres humanos, por exemplo, ser considerado extremamente atraente pela maioria pode não ser necessariamente um fator importante quando se trata de escolher um parceiro de longo prazo. Na verdade, quando se trata de encontrar a cara-metade, o ideal de companheiro certo varia de pessoa para pessoa.

Embora o comportamento em relação a relações de longo prazo dos seres humanos seja bastante raro entre os mamíferos, essa característica é partilhada com muitas espécies de aves. Uma dessas espécies é o mandarim, um pássaro comum, muitas vezes usado ​​em estudos científicos. Como as pessoas, os mandarins formam casais de longo prazo, e cada pássaro tem a sua preferência.

Um novo estudo, publicado na revista PLoS Biology, tentou perceber porque é que isso acontece. Os investigadores partiram do princípio de que, se os animais se esforçavam tanto para encontrar o parceiro perfeito, deveria haver algum benefício em reproduzir com esse parceiro em vez de outro – ou muitos outros.

Mais filhos

Para descobrir o que está por trás disso, os cientistas deixaram 160 aves escolherem os seus próprios parceiros num grande recinto comum. Depois de os pássaros terem escolhido os seus pares, foram colocados em gaiolas menores por dois meses. Metade dos casais foram alojados com o parceiro escolhido, enquanto a outra metade foi alojada com o parceiro escolhido por outros.

Recorrendo a aves que tinham sido escolhidas anteriormente por um outro pássaro, os investigadores controlaram a possível confusão de unir pássaros com companheiros “objetivamente” inferiores. Ainda assim, estas aves acabaram por formar laços. Finalmente, todos os pares agora estabelecidos foram colocados em aviários maiores novamente – seis pares em cada gaiola – para reproduzir.

O resultado foi dramático. Os pássaros que reproduziram com parceiros da sua própria escolha tiveram 37% mais filhotes que sobreviveram à idade adulta do que as aves que copularam com um parceiro não escolhido, o que mostra que alguma forma de compatibilidade com o seu par é importante para o sucesso reprodutivo destes pássaros.

Harmonia doméstica

Mas porque é que os pares “forçados” foram menos bem sucedidos na reprodução? Existem duas possibilidades. Uma delas é que os parceiros eram geneticamente menos compatíveis. Nos seres humanos, ser geneticamente semelhante pode significar uma boa sintonia – embora também tenha sido relatado em outros estudos que os seres humanos são mais atraídos pelo cheiro do suor nas camisolas usadas ​​por pessoas com sistemas imunitários geneticamente diferentes.

A outra possibilidade é que os parceiros tinham um comportamento menos compatível – por exemplo, a nível temperamental.

Os autores do estudo tinham mostrado anteriormente que a viabilidade do embrião dos pássaros mandarins tem que ver com a composição genética do embrião, ou seja, a compatibilidade genética dos pais biológicos, enquanto que a sobrevivência após a eclosão se devia puramente ao cuidado parental.

Cuidado e atenção

Se por um lado a viabilidade do embrião não diferiu entre os dois grupos, mais filhotes morreram após a eclosão no grupo de “forçados”.

Os cientistas conseguiram demonstrar que os pares “forçados” eram menos carinhosos uns com os outros – fêmeas do grupo “forçado” eram menos atentas à corte do seu companheiro, enquanto os machos passaram menos tempo no ninho e mais tempo a cortejar outras fêmeas do que em pares que escolheram os seus próprios parceiros.

Mas será que esses passarinhos nos podem dizer alguma coisa sobre a evolução da escolha de parceiro na nossa própria espécie?

Apesar das semelhanças, não somos pássaros mandarins. Os sistemas de acasalamento humanos variam entre culturas e no tempo, mas as emoções como a atração e o amor – que têm a função de descobrir um parceiro e estabelecer ligações com um indivíduo em particular – evoluíram.

Assim como os mandarins, pessoas diferentes são atraídas por e compatíveis com parceiros diferentes. Portanto, é provável que os nossos próprios comportamentos de escolha do companheiro, incluindo “namorar” e “terminar”, sejam parte de uma estratégia evolutiva para encontrar um parceiro compatível, que iria – pelo menos na história evolutiva – melhorar o nosso sucesso reprodutivo.

Se você ainda não encontrou o amor da sua vida, não desespere: a biologia evolutiva sugere que vale a pena o tempo e o esforço gastos na procura.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Entre sorrisos e avisos sobre a Irlanda do Norte, Biden chuta para canto acordo comercial com o Reino Unido pós-Brexit

Um possível acordo comercial, a fronteira entre as duas Irlandas, a retirada do Afeganistão e as alterações climáticas foram alguns dos temas em cima da mesa na recepção de Boris Johnson na Casa Branca. Foi um …

UEFA duplica prémios do Europeu feminino

De oito para 16 milhões de euros. Prémio monetário bem diferente do Europeu anterior. A UEFA informou nesta quinta-feira que vai ser duplicado o total do prémio monetário para as selecções participantes no próximo Europeu feminino. O …

Número de animais abatidos continua a cair nos canis portugueses

É esperada uma estabilização do número de abates, dois anos após a entrada em vigor da legislação que regula o ato. Dois últimos anos foram marcados por quedas. Em 2020, foram abatidos em nos canis portugueses …

Entre professoras e uma personal trainer, Braga é o concelho do país com mais candidatas mulheres

Cerca de 63% dos 308 concelhos de Portugal têm, pelo menos, uma mulher candidata à presidência de uma Câmara Municipal. A liderar surge Braga com cinco candidatas mulheres às eleições autárquicas de domingo. Há 194 concelhos …

Pais revoltados com professor que deu aula com máscara no queixo — e que publica vídeos obscenos online

PSP foi chamada à Secundária Eça de Queirós, na Póvoa do Varzim, porque docente — que sugeriu aos alunos que seguissem o seu canal de YouTube onde tem vídeos em cuecas e nu — deu …

Sem surpresas, Medina mantém Lisboa, mas sem maioria absoluta. Costa e Pedro Nuno juntos em ação de campanha

As sondagens apontam para uma vitória de Medina, ainda que com um resultado inferior ao de 2017. A grande surpresa na capital será a Iniciativa Liberal, partido que poderá eleger um vereador e inclinar o …

Instrumentos musicais detalham a evolução das relações da população sul-americana

Num novo estudo, os investigadores analisaram a diversidade musical em todo o continente sul-americano com uma revisão dos diferentes instrumentos encontrados nos registos arqueológicos e etnográficos. A música é tida como uma expressão intrínseca da diversidade …

Manchester United perdeu em casa (e não adiantou faltar às aulas)

Primeira derrota "interna" do United, num jogo que não contou com Cristiano Ronaldo. No duelo entre treinadores portugueses, Nuno venceu Lage. Houve encontro entre treinadores portugueses na terceira ronda da Taça da Liga inglesa. O Tottenham, …

As discotecas vão reabrir a 1 de Outubro - mas 70% devem ir à falência até à Primavera

Apesar da reabertura dos espaços de diversão nocturna estar para breve, as associações que representam o sector queixam-se das burocracias e da falta de apoios e acreditam que muitas discotecas não vão voltar a abrir …

Candidato de Vila do Conde acusado de oferecer 50€ no supermercado por um voto no domingo

O candidato à Junta de Freguesia de Macieira da Maia, Filipe Santos, terá oferecido 100 euros a um casal idoso para votar no movimento independente, mas com uma condição: fotografar o boletim de voto com …