Esperar pelo “amor da sua vida” tem benefícios evolutivos

Um novo estudo com aves sugere que há benefícios evolucionários em esperar para encontrar o parceiro ideal. Os resultados também podem ser aplicados aos seres humanos.

A maioria de nós já passou uma parte considerável de nossa vida à procura do amor verdadeiro, mas a busca por um parceiro ideal não é exclusiva dos seres humanos. No entanto, de uma perspectiva evolutiva, não é claro porque é que nós e outros animais formamos casais, gastando tempo e esforço quando poderíamos estar simplesmente a reproduzir-nos.

Além disso, como é que sabemos quem é o nosso parceiro ideal? A resposta parece mudar de espécie para espécie. Como as fêmeas costumam investir mais na reprodução do que os machos, elas tendem a ser o sexo com mais critérios de escolha. Muitas vezes, há um amplo consenso sobre quais machos são os mais desejáveis: aqueles que oferecem mais ou melhores recursos, como um território muito bom, ou genes superiores que garantem uma prole saudável.

Entre os seres humanos, por exemplo, ser considerado extremamente atraente pela maioria pode não ser necessariamente um fator importante quando se trata de escolher um parceiro de longo prazo. Na verdade, quando se trata de encontrar a cara-metade, o ideal de companheiro certo varia de pessoa para pessoa.

Embora o comportamento em relação a relações de longo prazo dos seres humanos seja bastante raro entre os mamíferos, essa característica é partilhada com muitas espécies de aves. Uma dessas espécies é o mandarim, um pássaro comum, muitas vezes usado ​​em estudos científicos. Como as pessoas, os mandarins formam casais de longo prazo, e cada pássaro tem a sua preferência.

Um novo estudo, publicado na revista PLoS Biology, tentou perceber porque é que isso acontece. Os investigadores partiram do princípio de que, se os animais se esforçavam tanto para encontrar o parceiro perfeito, deveria haver algum benefício em reproduzir com esse parceiro em vez de outro – ou muitos outros.

Mais filhos

Para descobrir o que está por trás disso, os cientistas deixaram 160 aves escolherem os seus próprios parceiros num grande recinto comum. Depois de os pássaros terem escolhido os seus pares, foram colocados em gaiolas menores por dois meses. Metade dos casais foram alojados com o parceiro escolhido, enquanto a outra metade foi alojada com o parceiro escolhido por outros.

Recorrendo a aves que tinham sido escolhidas anteriormente por um outro pássaro, os investigadores controlaram a possível confusão de unir pássaros com companheiros “objetivamente” inferiores. Ainda assim, estas aves acabaram por formar laços. Finalmente, todos os pares agora estabelecidos foram colocados em aviários maiores novamente – seis pares em cada gaiola – para reproduzir.

O resultado foi dramático. Os pássaros que reproduziram com parceiros da sua própria escolha tiveram 37% mais filhotes que sobreviveram à idade adulta do que as aves que copularam com um parceiro não escolhido, o que mostra que alguma forma de compatibilidade com o seu par é importante para o sucesso reprodutivo destes pássaros.

Harmonia doméstica

Mas porque é que os pares “forçados” foram menos bem sucedidos na reprodução? Existem duas possibilidades. Uma delas é que os parceiros eram geneticamente menos compatíveis. Nos seres humanos, ser geneticamente semelhante pode significar uma boa sintonia – embora também tenha sido relatado em outros estudos que os seres humanos são mais atraídos pelo cheiro do suor nas camisolas usadas ​​por pessoas com sistemas imunitários geneticamente diferentes.

A outra possibilidade é que os parceiros tinham um comportamento menos compatível – por exemplo, a nível temperamental.

Os autores do estudo tinham mostrado anteriormente que a viabilidade do embrião dos pássaros mandarins tem que ver com a composição genética do embrião, ou seja, a compatibilidade genética dos pais biológicos, enquanto que a sobrevivência após a eclosão se devia puramente ao cuidado parental.

Cuidado e atenção

Se por um lado a viabilidade do embrião não diferiu entre os dois grupos, mais filhotes morreram após a eclosão no grupo de “forçados”.

Os cientistas conseguiram demonstrar que os pares “forçados” eram menos carinhosos uns com os outros – fêmeas do grupo “forçado” eram menos atentas à corte do seu companheiro, enquanto os machos passaram menos tempo no ninho e mais tempo a cortejar outras fêmeas do que em pares que escolheram os seus próprios parceiros.

Mas será que esses passarinhos nos podem dizer alguma coisa sobre a evolução da escolha de parceiro na nossa própria espécie?

Apesar das semelhanças, não somos pássaros mandarins. Os sistemas de acasalamento humanos variam entre culturas e no tempo, mas as emoções como a atração e o amor – que têm a função de descobrir um parceiro e estabelecer ligações com um indivíduo em particular – evoluíram.

Assim como os mandarins, pessoas diferentes são atraídas por e compatíveis com parceiros diferentes. Portanto, é provável que os nossos próprios comportamentos de escolha do companheiro, incluindo “namorar” e “terminar”, sejam parte de uma estratégia evolutiva para encontrar um parceiro compatível, que iria – pelo menos na história evolutiva – melhorar o nosso sucesso reprodutivo.

Se você ainda não encontrou o amor da sua vida, não desespere: a biologia evolutiva sugere que vale a pena o tempo e o esforço gastos na procura.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal, os deuses da Antiguidade eram às cores (e já as podemos ver)

https://vimeo.com/379277357 Nos nossos livros da escola e em museus de todo o mundo, as obras de arte da antiga Grécia e Roma não têm cores: são simples, puro e branco mármore. Mas será este apenas um mito? …

A sede do petróleo está a levar os povos indígenas do Equador à extinção

Os povos indígenas do Equador estão sob ameaça dos interesses do território em que habitam. Quase metade das reservas equatorianas de petróleo estão debaixo do Parque Nacional Yasuní. Os interesses dos políticos e dos grandes magnatas …

"Lesmas-leopardo" acasalam da forma mais espantosamente bizarra (e ninguém sabe porquê)

As "lesmas-leopardo" têm talvez o acasalamento mais intrigante e espantoso de todo o reino animal. Os biólogos ainda não conseguiram decifrar porque razão estes moluscos acasalam desta forma. Na escuridão da noite, duas grandes "lesmas-leopardo" começam …

Naufrágio romano com 2.000 anos encontrado na Grécia. É um dos maiores do Mar Mediterrâneo

Uma equipa de cientistas da Universidade de Patras, na Grécia, descobriu os vestígios de um navio romano que naufragou há cerca de 2.000 anos perto da ilha grega de Kefalonia, avança o Greek City Times.  …

Qual é o verdadeiro significado da vida? Um novo estudo pode ajudar com a resposta

Um novo estudo aponta que encontrar significado na nossa vida é algo positivo para a nossa saúde e bem-estar mental, mas o processo de procura tem o efeito contrário. Encontrar significado na nossa vida é uma …

A crise climática vista do Espaço. Vídeo da NASA revela degelo dos glaciares no Alasca

https://vimeo.com/379314673 Um vídeo publicado recentemente pela NASA mostra o derretimento dos glaciares do Alasca visto do Espaço. Algumas imagens revelam mudanças de quase 50 anos. O nosso planeta está a caminhar a passos largos para uma situação …

Ciência explica porque é que alguns cheiros desencadeiam memórias fortes

O cheirinho de pão acabado de sair do forno pode, por exemplo, funcionar como um portal do tempo, levando-nos de volta àquele pequeno café em Paris que visitámos há alguns anos. Os cheiros têm a capacidade …

Quase 40% dos americanos com dificuldades financeiras. Doar sangue é a sua maior receita

A economia dos Estados Unidos (EUA), considerada uma das maiores do mundo, permitiu avanços sociais e tecnológicos inestimáveis. Contudo, atualmente, cerca de 40% dos norte-americanos afirmam ter dificuldade em pagar por comida, por habitação, por …

"Políticos devem ser colocados contra a parede". Greta pede desculpa

A ativista do clima Greta Thunberg pediu desculpa por ter dito que os políticos devem ser colocados “contra a parede”, após diversas pessoas terem considerado que a jovem estava a defender a violência. A sueca de …

Carnaval belga retirado da lista de Património Imaterial da UNESCO após queixas de antissemitismo

As festas da cidade de Aalst, na Bélgica, foram retirada da lista do Património Imaterial da Humanidade, depois de a UNESCO ter sancionado a presença de carros carnavalescos contendo imagens antissemitas. O presidente da Câmara …