Entrámos mesmo numa nova era geológica: o Antropoceno

Um homem e uma estrada no deserto

A actividade humana está a deixar uma marca invasiva e persistente na Terra. E este impacto do Homem – que os cientistas dizem que marca a entrada do planeta no Antropoceno – será visível em sedimentos e rochas daqui a milhões de anos.

O termo Antropoceno, da palavra grega anthropos para “homem”, foi cunhado na década de 1980 pelo ecólogista americano Eugene Stoermer para ilustrar o impacto das populações humanas no ambiente.

Agora, porém, parece já merecer ser oficialmente incorporado no vocabulário dos geólogos, e a proposta é apresentada num estudo publicado esta quinta-feira na revista Science.

Liderado pelo geólogo Colin Waters, investigador do Serviço Geológico Britânico, o estudo demonstra que o Antropoceno começou a mostrar a maior parte dos seus sinais distintivos a partir de 1950, e encerra a época do Holoceno, que começou há 11.700 anos.

“Os depósitos antropogénicos recentes apresentam novos tipos de rochas e minerais, reflectindo uma rápida disseminação global de alumínio puro, cimento e plástico“, afirma o estudo.

“A queima de combustíveis fósseis disseminou também fuligem, esferas de cinza inorgânica e partículas carbonáceas esféricas por todo o mundo.”

Materiais ‘tecnofósseis’

Waters e os seus colaboradores chamaram “tecnofósseis” a estes materiais propensos a sobreviver no futuro.

Segundo os investigadores das 21 instituições científicas que assinam o estudo, o Antropoceno já tem uma “estratigrafia” – a identificação de épocas geológicas pela deposição de camadas no solo – distinta da Holoceno, o período mais recente da Era Quaternária.

Além das mudanças nas camadas geológicas, num futuro distante os paleontólogos serão capazes de identificar um evento de extinção em massa de espécies, ocorrido na nossa época, porque o planeta está no vias de perder 75% das espécies nos próximos séculos.

Aquecimento global

O Antropoceno também é distinto do ponto de vista das alterações climáticas globais, causadas pelo aumento da concentração de gases do efeito estufa, dizem os investigadores.

“As concentrações atmosféricas de CO2 e metano começam a distanciar-se do Holoceno a partir de 1850, e a diferença acentua-se a partir de 1950”, conclui o estudo.

As mudanças são visíveis na análise das camadas sedimentares depositados mais recentemente e no gelo que se tem formado nas regiões polares.

Algumas das mudanças detectadas são mais subtis, mas também distintivas.

Duas destas mudanças são a subida das temperaturas, que chega a uma média global de 0,9°C acima do natural, e o aumento no nível do mar, numa média de 3,2 mm por ano após a década de 1990. Os números podem parecer pequenos, mas não há registro de que tenham sido assim nos últimos 14 mil anos.

E se o aquecimento global continuar desenfreado, dizem os investigadores, a acção do Homem sobre o planeta acabará por virar a página não apenas à época geológica do Holoceno, mas também ao próprio período geológico do Quaternário – iniciado há 2,6 milhões de anos atrás.

ZAP / EcoD

PARTILHAR

RESPONDER

O robô humanóide Pepper tem uma nova missão: garantir que toda a gente usa máscara

O robô humanóide Pepper já faz atendimento ao cliente, fornecimento de informações em estações de comboio, venda de smartphones e anotação de pedidos na Pizza Hut. Agora, tem uma nova missão de saúde pública: determinar …

Leipzig 2-1 Atlético | Alemães ganham asas e passam às “meias”

O 2.º semi-finalista desta edição da Liga dos Campeões está encontrado. Na noite desta quinta-feira em Alvalade, o Leipzig venceu o Atlético de Madrid por 2-1 e assegurou uma presença inédita nas meias-finais da prova …

EUA apreendem 1,6 milhões de euros em criptomoedas de organizações terroristas

O Departamento da Justiça dos Estados Unidos apreendeu 2 milhões de dólares (1,6 milhões de euros) em contas de criptomoedas que vários grupos, incluindo a Al-Qaida e o grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI), utilizavam para …

"Janelas de Vinho". Itália ressuscita tradição do tempo da peste

Centenas de bares e restaurantes italianos "ressuscitaram" a tradição antiga das chamadas "Janelas de Vinho" durante a pandemia de covid-19, tentando assim servir os seus clientes com o mínimo contacto pessoal. A tradição remonta aos …

Um dos maiores telescópios do mundo ficou gravemente danificado devido a um cabo partido

O radiotelescópio de Arecibo, um ícone da busca para entender o Universo, sofreu graves danos como resultado do rompimento de um cabo. A causa da quebra e quanto tempo o telescópio demorará a ser consertado …

Pumpkin Island já custou 78 dólares. Agora pode comprá-la por 17 milhões

Se ainda não decidiu onde passar férias fica aqui uma dica: uma ilha privada na costa da Austrália está à venda por 17 milhões de dólares (cerca de 14,5 milhões de euros). A Pumpkin Island …

Desaparecem oito mulheres por dia no Peru, mais três do que antes da pandemia

O número de mulheres desaparecidas no Peru, um fenómeno endémico no país, subiu de cinco por dia, em média, para oito, desde a quarentena decretada para travar a pandemia de covid-19, indicou o provedor de …

EUA já gastaram quase tanto com a covid-19 como com a II Guerra Mundial

Até ao momento, os Estados Unidos da América gastaram quase tanto com a pandemia de covid-19 como gastaram com a II Guerra Mundial. A Segunda Guerra Mundial travou-se entre 1939 e 1945 e deixou milhões de …

Sporting recusou proposta de 32 milhões por Joelson Fernandes

O Sporting CP rejeitou uma proposta de 32 milhões de euros do Arsenal por Joelson Fernandes. Os 'leões' pedem 45 milhões pelo jovem extremo de 17 anos. Continua o leilão pela promessa sportinguista Joelson Fernandes. Depois …

CIA tentou desenvolver um "drone-pássaro" nuclear para espiar a União Soviética na Guerra Fria

Durante a Guerra Fria, a CIA tentou desenvolver um drone nuclear do tamanho de um pássaro para espiar a União Soviética e outros países do bloco comunista. Porém, o projeto nunca foi concluído. De acordo com …