Córnea feita de pele de porco recupera visão humana

Implantes feitos de pele de porco recuperaram a visão a 20 pessoas com córneas doentes, num ensaio clínico piloto. Muitos dos pacientes estavam cegos antes de receberem a ajuda deste tecido

Após dois anos, 14 dos pacientes cegos recuperaram a visão, e três deles têm agora uma visão perfeita.

“Isto permite-nos a contornar o problema da escassez de tecido córneo doado e dá-nos acesso a outros tratamentos para doenças oculares“, diz Neil Lagali, investigador de oftalmologia da Universidade de Linköping.

De acordo com a Science Alert, enquanto cerca de 12,7 milhões de pessoas sofrem perda de visão devido a problemas com as córneas, apenas 1 em 70 consegue receber um transplante de córnea — a única forma de recuperar a visão.

Os meios para fornecer estes transplantes são dispendiosos, e as córneas doadas são escassas — pelo que a maioria das pessoas no mundo não tem acesso a tratamentos eficazes.

“Fizemos esforços significativos para assegurar que a nossa invenção estará amplamente disponível e acessível a todos e não apenas aos ricos. É por isso que esta tecnologia pode ser utilizada em qualquer parte do mundo“, diz Mehrdad Rafat, engenheiro biomédico da Universidade de Linköping .

Para o conseguir, Rafat e colegas desenvolveram uma nova técnica que não requer aplicação de pontos, para que os médicos possam realizar o procedimento de implante com condições e equipamento menos especializados.

O estudo foi publicado este mês na Nature Biotechnology.

“Um método menos invasivo poderia ser utilizado em mais hospitais, ajudando assim mais pessoas”. Com o nosso método, o cirurgião não precisa de remover o tecido do próprio paciente. Em vez disso, é feita uma pequena incisão, através da qual o implante é inserido na córnea existente”, explica Lagali.

Além disso, o material utilizado para criar o implante é um subproduto da indústria alimentar. Graças a processos de embalagem e esterilização criados especialmente para o efeito, o produto final pode ser guardado por um período de até dois anos. As córneas humanas doadas devem ser utilizadas no prazo de duas semanas.

A nossa córnea — a pelúcula transparente sobre a parte frontal do olho que protege a íris e pupila — é composta na sua maioria por diferentes tipos de colagénio. Esta estrutura pode gradualmente desgastar-se com o tempo, fazendo com que se expanda para fora e distorça a visão — uma condição chamada queratocono.

Embora a causa exata deste desgaste não seja conhecida, a genética, a fricção vigorosa dos olhos, e condições que incluem febre dos fenos, asma, síndrome de Down e síndrome de Ehlers-Danlos podem aumentar as hipóteses de desenvolvimento de queratocono.

Assim, os investigadores purificaram o colagénio da pele do porco para criar uma nova camada de córnea.

Utilizaram métodos químicos e fotoquímicos para fortalecer este material geralmente macio, tornando-o mais estável, resultando num hidrogel a que chamaram BPCDX.

Ao aperfeiçoar as suas técnicas em modelos animais, os investigadores desenvolveram então, um método simples para inserir BPCDX na córnea do recetor, eliminando a necessidade de remover o tecido existente.

Aqui, o implante achata o encurvamento da córnea e fornece a espessura perdida, reparando a capacidade de concentração do olho. A cirurgia muito pouco invasiva deixa os nervos da córnea e as camadas celulares intactas, permitindo que a ferida cicatrize rapidamente.

Após a implantação através de uma incisão de 2 milímetros, o BPCDX permaneceu transparente com sucesso. Não houve formação de cicatrizes ou reação adversa, e não foi necessária nenhuma terapia intensiva ou cirurgia adicional, apenas um tratamento de oito semanas com colírio imunossupressor e uma ligadura.

Ao fim de dois anos, os participantes experimentaram um aumento médio de mais de 200 micrómetros na espessura da sua córnea, e uma diminuição da sua curvatura, melhorando a sua visão pelo menos até à extensão dos transplantes tradicionais de córnea.

Tentativas anteriores de implantes biomateriais no olho acabaram por deteriorar-se, mas o colagénio de células de porco fortificado manteve-se forte e estável, mesmo após oito anos.

“Nenhum estudo anterior conseguiu, tanto quanto sabemos, uma transparência total da córnea com suficiente espessamento e achatamento da córnea, ou com ganhos significativos de acuidade visual, como aqui relatado”, escreveram os investigadores no seu artigo.

Um ensaio clínico mais alargado está agora a ser planeado e os investigadores esperam obter resultados adicionais promissores que ajudem o novo procedimento a cumprir as aprovações regulamentares.

“Os resultados mostram que é possível desenvolver um biomaterial que cumpre todos os critérios para ser utilizado como implantes humanos, que pode ser produzido e armazenado em massa até dois anos e assim atingir ainda mais pessoas com problemas de visão”, conclui Lagali.

  Inês Costa Macedo, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.