Espanha 1-1 Alemanha | Empate em espetáculo de grande nível

Um excelente jogo de futebol, talvez o melhor do Qatar 2022 até ao momento, foi o que nos ofereceram Espanha e Alemanha, em partida da segunda jornada do Grupo E.

Futebol de ataque, jogadas colectivas de bom recorte, qualidade e talento individual, intensidade e procura do golo, foi a tudo isto que assistimos neste encontro entre duas formações com filosofias muito distintas, mas que souberam potenciar as suas características únicas. Espanha teve mais bola, marcou por Álvaro Morata, mas Niclas Füllkrug, na sua segunda internacionalização pelos germânicos, resgatou um ponto à “lei da bomba” que mantém a “mannschafft” bem dentro da luta pelo apuramento.

Sem descanso desde o arranque

Aos sete minutos já Dani Olmo contabilizava um remate espectacular que uma defesa do mesmo nível de Manuel Neuer desviou para a barra, e o encontro desenvolveu-se com lances de parada e resposta, apesar de a Espanha ter ascendente claro na posse de bola – e mais do dobro dos passes feitos – e as defesas superiorizarem-se na generalidade aos ataques neste desafio de grande cartaz do Mundial 2022. A intensidade estava lá, a qualidade dos intervenientes também, mas não havia muitos espaços nas áreas para as equipas rematarem e criarem lances claros de golo.

Rüdiger fez golo aos 40 minutos, de cabeça, na sequência de um livre, só que o lance foi anulado por fora-de-jogo. A primeira parte foi de qualidade, entretida, e cujo melhor em campo ao intervalo era o central Niklas Süle, com um GoalPoint Rating de 6.1. O homem do Dortmund registava oito recuperações de posse, três desarmes e quatro alívios.

A vertigem prosseguiu na segunda parte e, aos 57 minutos, Unai Simón fez uma enorme defesa a remate de Joshua Kimmich. A Alemanha parecia mais afoita e solta no ataque, surgindo com maior regularidade em zonas de finalização, mas a entrada de Álvaro Morata aos 54 minutos, para o lugar do desinspirado Ferrán Torres, acabou por ter impacto.

Aos 62, Jordi Alba fugiu pela esquerda, cruzou rasteiro e o ponta-de-lança espanhol antecipou-se a Süle para desviar a bola para o fundo da baliza. Estava feito o mais difícil e a Alemanha teve de correr atrás do prejuízo, abrindo auto-estradas para os contra-ataques da “la roja”, que construiu alguns lances espectaculares, mas sem eficácia. Do outro lado, aos 72, Jamal Musiala isolou-se, mas hesitou e Simón voltou a fazer uma enorme defesa.

Só que, aos 84 minutos, nada pôde fazer. Numa boa jogada da Alemanha, a bola chegou a Niclas Füllkrug do lado direito da grande área e o atacante sacou de um pontapé fulminante e indefensável, que impediu a segunda derrota da “mannschaft” na prova.

MVP GoalPoint: Jordi Alba

O jogo estava emperrado em termos de golos, até que Jordi Alba subiu pela esquerda, levantou a cabeça e assistiu Morata para um grande golo. O lateral-esquerdo espanhol saiu um minuto antes do golo alemão e com um GoalPoint Rating que foi o mais alto até final, um 7.1 que reflecte ainda dois passes para finalização, nove progressivos (máximo), 96 acções com bola, nove recuperações de posse (9) e cinco desarmes, segundo valor mais alto.

Outros Ratings

Espanha

Rodri 6.4

O médio, adaptado a central, esteve muito bem no jogo, ligando muitos passes com os colegas e anulando os ataques contrários. Destaque para cinco passes longos certos em dez, oito passes progressivos, o máximo de acções com bola (118), bem como quatro duelos aéreos ganhos em cinco, dez recuperações de posse (segundo valor mais alto), três desarmes e um corte decisivo.

Morata 5.8

Entrado no segundo tempo, demorou pouco a fazer abanar as redes, com o 1-0. De negativo os três desarmes sofridos e as nove perdas de posse em apenas 16 acções com bola.

Alemanha

O melhor da primeira metade manteve o nível e foi o melhor dos alemães, com destaque para 11 recuperações de posse (máximo) e cinco desarmes.

Füllkrug 6.6

Entrado na segunda parte, moeu a defesa espanhola com a sua grande capacidade física, entrega ao jogo e vontade demonstrada. Marcou um grande golo que pode ter salvado as aspirações da Alemanha, fez três remates e quatro acções com bola na área contrária, ambos máximos.

  // GoalPoint

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.