Emissões que estão a destruir camada de ozono vêm de duas províncias da China

A produção do clorofluorocarboneto (CFC) 11 foi proibida em todo o mundo em 2010. Mas, em 2018, verificou-se que a taxa de declínio do CFC tinha abrandado cerca de 50% desde 2012, o que significava que esta substância estava a ser lançada na atmosfera. Essas emissões vinham da China.

Na quinta-feira, num artigo divulgado na revista Nature, uma equipa internacional de cientistas anunciou que as emissões de CFC-11 vêm sobretudo das províncias chinesas de Shandong e Hebei, segundo noticiou o Público.

Usados em aerossóis, refrigerantes ou na produção de espuma rígida de empacotamento, os químicos sintéticos CFC são os grandes culpados pela destruição do ozono estratosférico – e, portanto, pelo buraco camada de ozono sobre a Antártida descoberto em 1985. Devido a isso, em 1987, 150 países assinaram o Protocolo de Montreal, em que se comprometiam a eliminar a produção destes gases.

Investigações recentes já tinham demonstrado que esta camada essencial para os seres vivos estava a recuperar. Por exemplo, em 2017, a NASA anunciou que o buraco da camada de ozono diminuiu para o menor tamanho desde 1988.

As más notícias surgiram em Maio de 2018, quando uma equipa de cientistas revelou na Nature que emissões de CFC-11 estavam a contribuir para a destruição da camada de ozono. Mais tarde, um relatório da Agência de Investigação Ambiental, uma organização não-governamental com sede em Londres, divulgou que essas emissões vinham da China e que deveriam ser oriundas de fábricas de espuma para isolamento.

Conhecido como triclorofluorometano, o CFC-11 foi desenvolvido nos anos 30 para refrigerantes. Sabe-se que pode ficar 50 anos na atmosfera depois de ser libertado. Como a produção deste CFC foi proibida nos países desenvolvidos nos anos 90 e no resto do mundo em 2010, verificou-se que entre 2002 e 2012 as suas concentrações diminuíram.

Para perceber de onde vêm as recentes emissões de CFC-11, a equipa combinou observações atmosféricas de estações de monitorização em Gosan (Coreia do Sul) e em Hateruma (Japão) – mais próximas da China – com dados globais de monitorização e de transportes de químicos na atmosfera.

“Através de redes globais de monitorização, como a Experiência Avançada de Gases Atmosféricos Globais (AGAGE) e a Divisão de Monitorização Global da NOAA [agência dos oceanos e da atmosfera dos EUA], conseguimos medir os CFC na atmosfera ao longo de 40 anos”, disse Matt Rigby, autor principal do trabalho e da Universidade de Bristol (Reino Unido), num comunicado da sua instituição.

“Conseguimos assim delimitar a localização de uma fração substancial das emissões de CFC-11 até à escala das províncias. Essas emissões vêm sobretudo das ou à volta das províncias de Shandong e Hebei [no Leste da China]”, indicou ao Público Luke Western, também da Universidade de Bristol e autor do trabalho.

O cientista referiu que a determinação do local exato das emissões dentro de cada província chinesa vai agora requerer medições mais próximas da fonte. “Espero que o nosso trabalho possa informar outras [partes interessadas] para que se procure e localize melhor a fonte dessas emissões”, salientou.

Será da espuma para isolamento?

No estudo publicado na quarta-feira também se contabilizou a quantidade dos CFC-11 emitida. Para isso, fizeram-se igualmente simulações computacionais.

“A partir dos dados da Coreia do Sul e do Japão, usámos modelos para mostrar que as emissões de CFC-11 no Leste da China aumentaram cerca de sete mil toneladas por ano desde 2012, sobretudo nas províncias de Shandong e Hebei ou à volta delas”, frisou Luke Western. Também é possível que pequenos aumentos possam ter surgido noutros países e noutras partes da China.

Quanto à causa das emissões, os cientistas apenas lançam hipóteses. Luke Western notou que não se pode ter a certeza do processo que as gerou, mas que a explicação mais plausível será a produção de espuma para isolamento.

Leo Fung / Flickr

“Os CFC-11 foram usados sobretudo em espuma para isolamento. Por isso, olhámos para as estimativas das quantidades de CFC-11 que ficaram aprisionadas nessas espumas em edifícios e refrigeradores feitos antes de 2010 [quando o CFC-11 foi proibido em todo o mundo], mas as quantidades são demasiado pequenas para explicar a subida recente”, sublinhou Matt Rigby.

E acrescentou: “A explicação mais provável é que tenha havido uma nova produção, pelo menos antes do final de 2017, que é o [limite do] período de cobertura deste trabalho”.

Sobre o Programa das Nações Unidas para o Ambiente (que administra o Protocolo de Montreal), Luke Western aconselhou: “Penso que a abordagem mais positiva será trabalhar com os países para assegurar que são capazes de adotar medidas contra indivíduos ou empresas que estão a produzir substâncias proibidas pelo Protocolo de Montreal”. Por agora, Matt Rigby considerou necessário encontrar os responsáveis pelas novas emissões.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Descoberta uma mina de ocre pré-histórica nas cavernas subaquáticas do México

As cavernas subaquáticas ao longo da península de Yucatán, no México, contêm um vasto labirinto de relíquias arqueológicas. A vasta rede de cavernas submersas guardam segredos dos Maias. Porém, uma nova descoberta remonta a episódios …

Da alta velocidade entre Porto Lisboa ao novo aeroporto. Os dez pilares de Costa e Silva para a retoma do país

O diretor diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, convidado pelo Governo para estudar um plano de retoma económica para o período pós-pandemia, já apresentou as suas ideias ao Executivo socialista. Num documento com …

Fim das reuniões no Infarmed. BE quer dados da pandemia entregues ao Parlamento (e publicados na Internet)

Com o fim das reuniões entre peritos e políticos no Infarmed, o Bloco de Esquerda quer que os deputados passem a receber informações e dados científicos sobre a evolução da pandemia no Parlamento. De acordo com a …

Ter um cão pode ajudar as crianças a comportarem-se melhor

Ter um cão durante a infância pode ajudar a melhorar a saúde física e emocional das crianças, de acordo com uma nova investigação levada a cabo pelo Telethon Kids Institute, sediado na Austrália. A mesma …

Marcelo com reeleição garantida. Ana Gomes em segundo com o dobro de André Ventura

Se decidir recandidatar-se à Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa vencerá confortavelmente à primeira volta, revela uma nova sondagem. De acordo com a pesquisa de opinião da Aximage para o Jornal Económico, o atual …

Presidente interina da Bolívia infetada com covid-19

A presidente interina da Bolívia, Jeanine Añez, testou positivo para o novo coronavírus, anunciou esta sexta-feira a própria, referindo que está bem. “Estou positiva para a covid-19, estou bem, trabalharei em isolamento. Juntos, seguiremos em frente”, …

Filho de Humberto Pedrosa na calha para CEO da TAP

O Jornal Económico escreve na sua edição desta sexta-feira que o nome de David Pedrosa, filho de Humberto Pedrosa, poderá vir a ser o substituto temporário de Antonoaldo Neves na liderança da companhia aérea portuguesa. …

Jovem ilha vulcânica "cospe" cinza e lava à medida que cresce estranhamente no Pacífico

Uma ilha de origem vulcânica localizada no Pacífico está a passar um "surto vigoroso" que inclui o lançamento de cinzas e lava à medida que cresce de forma incomum desde meados de junho, avança a …

TC declara inconstitucional lei do direito de preferência dos inquilinos

O Tribunal Constitucional (TC) declarou inconstitucional a lei que garante o exercício do direito de preferência pelos arrendatários na transmissão das habitações, um pedido de fiscalização sucessiva que tinha sido feito pelo CDS-PP e PSD …

Cientistas já sabem o que é o estranho gel encontrado no lado oculto da Lua

Uma equipa de cientistas da China conseguiu determinar a natureza da estranha substância espacial que gerou muito interesse desde que foi descoberta no ano passado pelo rover chinês Yutu-2 no lado oculto da Lua. A "substância …