Emissões que estão a destruir camada de ozono vêm de duas províncias da China

A produção do clorofluorocarboneto (CFC) 11 foi proibida em todo o mundo em 2010. Mas, em 2018, verificou-se que a taxa de declínio do CFC tinha abrandado cerca de 50% desde 2012, o que significava que esta substância estava a ser lançada na atmosfera. Essas emissões vinham da China.

Na quinta-feira, num artigo divulgado na revista Nature, uma equipa internacional de cientistas anunciou que as emissões de CFC-11 vêm sobretudo das províncias chinesas de Shandong e Hebei, segundo noticiou o Público.

Usados em aerossóis, refrigerantes ou na produção de espuma rígida de empacotamento, os químicos sintéticos CFC são os grandes culpados pela destruição do ozono estratosférico – e, portanto, pelo buraco camada de ozono sobre a Antártida descoberto em 1985. Devido a isso, em 1987, 150 países assinaram o Protocolo de Montreal, em que se comprometiam a eliminar a produção destes gases.

Investigações recentes já tinham demonstrado que esta camada essencial para os seres vivos estava a recuperar. Por exemplo, em 2017, a NASA anunciou que o buraco da camada de ozono diminuiu para o menor tamanho desde 1988.

As más notícias surgiram em Maio de 2018, quando uma equipa de cientistas revelou na Nature que emissões de CFC-11 estavam a contribuir para a destruição da camada de ozono. Mais tarde, um relatório da Agência de Investigação Ambiental, uma organização não-governamental com sede em Londres, divulgou que essas emissões vinham da China e que deveriam ser oriundas de fábricas de espuma para isolamento.

Conhecido como triclorofluorometano, o CFC-11 foi desenvolvido nos anos 30 para refrigerantes. Sabe-se que pode ficar 50 anos na atmosfera depois de ser libertado. Como a produção deste CFC foi proibida nos países desenvolvidos nos anos 90 e no resto do mundo em 2010, verificou-se que entre 2002 e 2012 as suas concentrações diminuíram.

Para perceber de onde vêm as recentes emissões de CFC-11, a equipa combinou observações atmosféricas de estações de monitorização em Gosan (Coreia do Sul) e em Hateruma (Japão) – mais próximas da China – com dados globais de monitorização e de transportes de químicos na atmosfera.

“Através de redes globais de monitorização, como a Experiência Avançada de Gases Atmosféricos Globais (AGAGE) e a Divisão de Monitorização Global da NOAA [agência dos oceanos e da atmosfera dos EUA], conseguimos medir os CFC na atmosfera ao longo de 40 anos”, disse Matt Rigby, autor principal do trabalho e da Universidade de Bristol (Reino Unido), num comunicado da sua instituição.

“Conseguimos assim delimitar a localização de uma fração substancial das emissões de CFC-11 até à escala das províncias. Essas emissões vêm sobretudo das ou à volta das províncias de Shandong e Hebei [no Leste da China]”, indicou ao Público Luke Western, também da Universidade de Bristol e autor do trabalho.

O cientista referiu que a determinação do local exato das emissões dentro de cada província chinesa vai agora requerer medições mais próximas da fonte. “Espero que o nosso trabalho possa informar outras [partes interessadas] para que se procure e localize melhor a fonte dessas emissões”, salientou.

Será da espuma para isolamento?

No estudo publicado na quarta-feira também se contabilizou a quantidade dos CFC-11 emitida. Para isso, fizeram-se igualmente simulações computacionais.

“A partir dos dados da Coreia do Sul e do Japão, usámos modelos para mostrar que as emissões de CFC-11 no Leste da China aumentaram cerca de sete mil toneladas por ano desde 2012, sobretudo nas províncias de Shandong e Hebei ou à volta delas”, frisou Luke Western. Também é possível que pequenos aumentos possam ter surgido noutros países e noutras partes da China.

Quanto à causa das emissões, os cientistas apenas lançam hipóteses. Luke Western notou que não se pode ter a certeza do processo que as gerou, mas que a explicação mais plausível será a produção de espuma para isolamento.

Leo Fung / Flickr

“Os CFC-11 foram usados sobretudo em espuma para isolamento. Por isso, olhámos para as estimativas das quantidades de CFC-11 que ficaram aprisionadas nessas espumas em edifícios e refrigeradores feitos antes de 2010 [quando o CFC-11 foi proibido em todo o mundo], mas as quantidades são demasiado pequenas para explicar a subida recente”, sublinhou Matt Rigby.

E acrescentou: “A explicação mais provável é que tenha havido uma nova produção, pelo menos antes do final de 2017, que é o [limite do] período de cobertura deste trabalho”.

Sobre o Programa das Nações Unidas para o Ambiente (que administra o Protocolo de Montreal), Luke Western aconselhou: “Penso que a abordagem mais positiva será trabalhar com os países para assegurar que são capazes de adotar medidas contra indivíduos ou empresas que estão a produzir substâncias proibidas pelo Protocolo de Montreal”. Por agora, Matt Rigby considerou necessário encontrar os responsáveis pelas novas emissões.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

PSD a 3 deputados da maioria na Madeira. CDS afasta geringonças

Miguel Albuquerque, político experiente, apreciador de música e apaixonado por rosas, voltou hoje a vencer as eleições regionais da Madeira, mas tem agora pela frente a ‘espinhosa’ tarefa de negociar um entendimento que garanta estabilidade …

Porto 2-0 Santa Clara | E vão cinco vitórias consecutivas na Liga

O FC Porto respondeu ao triunfo do Benfica no sábado em Moreira de Cónegos com a quinta vitória consecutiva na Liga, na recepção ao Santa Clara, por 2-0. Num jogo morno, com uma segunda parte mal jogada …

Mazda entra na corrida e prepara lançamento do seu primeiro carro elétrico

A Mazda garantiu o lançamento do seu primeiro carro elétrico já no próximo ano. O veículo será apresentado no Salão Automóvel de Tóquio. A corrida dos veículos elétricos acelera a todo o vapor e a Mazda …

Descobertas evidências de um reino bíblico em pleno deserto israelita

A bíblia faz referência a um reino de Edom, do século X antes de Cristo. Novas evidências sugerem que este reino poderá ter estado assente no deserto de Arava, no Israel. A análise de arqueólogos a …

PSD vence regionais na Madeira mas perde maioria absoluta

O PSD venceu hoje as eleições legislativas regionais na Madeira, com 37% a 41% dos votos, o que lhe retira a maioria absoluta no parlamento, segundo a projeção da RTP/Católica. O Partido Social Democrata venceu as …

No Afeganistão, há mulheres a arriscar a vida por um golo

As jogadores da seleção de futebol feminino do Afeganistão não treinam no seu país por razões de segurança. Muitas sofreram abusos sexuais e correm risco de vida para poderem jogar futebol. Pelo menos alguma vez na …

Cientista diz que avanços científicos podem levar à extinção humana

A evolução da ciência e tecnologia pode ser fundamental para evitar catástrofes, mas, ironicamente, pode também ser a causadora do fim da nossa espécie. O estudo das mudanças climáticas baseia-se em simulações cada vez mais de …

A ilha mais remota do mundo tem nome português

Tristão da Cunha é uma ilha com apenas 250 habitantes, onde ninguém fala português. Não há hotel nem aeroporto. Há quem parta em busca de um lugar sossegado para evitar as grandes multidões turísticas. Caso esteja …

Costa não tinha dúvidas. O parecer da PGR sobre familiares é “absolutamente inequívoco”

O secretário-geral do PS, António Costa, defendeu hoje que o parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre as incompatibilidades entre governantes e negócios com empresas de familiares é “absolutamente inequívoco”. “O parecer é absolutamente inequívoco sobre …

Jovens do mundo inteiro ocupam a ONU em inédita Cimeira do Clima

Mais de 500 jovens, representantes de mais de 140 países, ocuparam este sábado o espaço habitualmente destinado aos diplomatas da ONU. A United Nations Youth Climate Summit, primeira cimeira da juventude sobre o clima, em Nova …