Eleições: Marcelo deve chamar quem ganha, sugere Rio

José Sena Goulão / Lusa

Candidato do PSD acha que o líder do partido mais votado nas legislativas é quem deverá falar com o presidente da República.

O desfecho inédito nas eleições legislativas de 2015 ainda está na memória de muita gente e, mais de seis anos depois, Rui Rio foi questionado sobre um eventual cenário semelhante no próximo domingo.

Na altura, em Outubro de 2015, a coligação PSD-CDS foi a opção mais votada, com quase 37 por cento e com direito a 102 deputados na Assembleia da República.

Mas, longe da maioria absoluta, Pedro Passos Coelho e Paulo Portas viram António Costa movimentar-se e conseguir um acordo com Bloco de Esquerda e Partido Comunista Português – juntos, contabilizaram 122 deputados.

Nas eleições legislativas 2022, o PSD pode ganhar mas ver a Esquerda, junta, conseguir uma maioria no Parlamento. Mesmo assim, a prioridade de Marcelo Rebelo de Sousa terá de ser chamar quem venceu, para formar governo.

A hipótese foi defendida por segundo Rui Rio: “Aquilo que o Presidente da República deve fazer é chamar, por um lado, o líder do partido mais votado; por outro, chamar quem o partido indicou para ser o primeiro-ministro – que normalmente coincide, mas podia não coincidir”.

O líder do Partido Social-Democrata falou em Lisboa, depois de uma reunião com a Liga dos Bombeiros Portugueses, e baseou-se na constituição: “O presidente da República deve, portanto, chamar quem tem a responsabilidade de formar um Governo e apresentar um Governo. É isto que a Constituição diz“.

Rio foi questionado sobre as palavras de Augusto Santos Silva, o ministro dos Negócios Estrangeiros que admitiu que poderá surgir um “acordo de cavalheiros” entre PS e PSD após as legislativas.

“Acho que é uma declaração positiva, civilizada e que ajuda francamente à governabilidade. E vem no sentido daquilo que eu próprio tenho vindo a dizer”, acrescentou o candidato a primeiro-ministro.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE