É oficial: o Universo está a morrer lentamente

JPL-Caltech / NASA

Conceito artístico da galáxia WISE J224607.57-052635.0 - a galáxia mais luminosa do Universo

Conceito artístico da galáxia WISE J224607.57-052635.0 – a galáxia mais luminosa do Universo

O Universo está a morrer lentamente, porque a energia produzida pelas galáxias é menor, em todos os comprimentos de onda de radiação, especifica um estudo divulgado pelo Observatório Europeu do Sul, OES.

Uma equipa internacional de astrónomos analisou perto de 200 mil galáxias e mediu a energia gerada numa enorme zona do Universo próximo da Via Láctea, onde se localiza a Terra.

Em comunicado, o OES, organização da qual Portugal faz parte, refere que o grupo confirmou que a energia gerada nesta zona, no Universo de hoje, é “cerca de metade da produzida há dois mil milhões de anos” e descobriu que “este desvanecimento ocorre em todos os comprimentos de onda” da radiação de luz, “desde o ultravioleta ao infravermelho longínquo”, ambos invisíveis aos olhos.

O trabalho foi feito no âmbito do projeto Galaxy And Mass Assembly (GAMA), “o maior rastreio alguma vez realizado em múltiplos comprimentos de onda”.

“Usámos tantos telescópios terrestres e espaciais quantos os que nos foi possível usar, para medir a produção de energia de cerca de 200.000 galáxias ao longo do maior intervalo de comprimentos de onda possível”, afirmou Simon Driver, do Centro Internacional para a Investigação em Radioastronomia, na Austrália, que lidera a equipa do GAMA.

O Observatório Europeu do Sul assinala que o “declínio lento” do Universo “é conhecido desde o final da década de 1990”, mas ressalva que a investigação, agora divulgada, “mostra que este processo está a acontecer em todos os comprimentos de onda, desde o ultravioleta ao infravermelho, representando assim a estimativa mais completa de produção de energia no Universo próximo”.

Em 2004, um estudo determinou que o Universo podia ainda durar mais 30 mil milhões de anos do que se pensava, com base nas imagens de 42 supernovas (explosões de estrelas) captadas pelo telescópio espacial Hubble.

Há cerca de três anos, uma outra equipa internacional de astrónomos, liderada pelo português David Sobral, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, concluiu que estão a formar-se 30 vezes menos estrelas do que há 11 mil milhões de anos.

O Universo tem quase 14 mil milhões de anos. Grande parte da sua energia – a das galáxias, das estrelas, dos buracos negros e a chamada energia escura, que continua a ser um mistério para os físicos, mas que representa mais de 70 por cento da composição do Universo – foi criada na sequência do Big Bang, uma espécie de explosão de partículas.

Estamos numa época em que se formam poucas estrelas, e vão formar-se cada vez menos à medida que os anos passam. Mesmo que esperássemos um tempo infinito, o Universo nunca vai formar mais do que cinco por cento das estrelas que existem hoje”, explicou David Sobral à Lusa, acrescentando que a maioria das estrelas que existem, e vão existir, foi gerada no passado.

Segundo David Sobral, por o Universo estar em expansão acelerada, e ser cada vez mais difícil formar novas estrelas, é que ele pode estar a morrer, embora lentamente, porque, afinal de contas, “as estrelas vivem mesmo muito tempo”.

O astrónomo Simon Driver adianta, no comunicado do OES, que “energia adicional está a ser constantemente criada pelas estrelas” à medida que estas fundem, por fusão nuclear, elementos químicos como o hidrogénio e o hélio.

A nova energia gerada, salienta, “é absorvida pela poeira à medida que viaja pela sua galáxia hospedeira, ou escapa para o espaço intergaláctico e viaja até atingir alguma coisa, como por exemplo outra estrela, um planeta ou, muito ocasionalmente, um espelho de telescópio”.

A equipa de Driver vai apresentou os resultados da sua investigação na XXIX Assembleia Geral da União Astronómica Internacional, em Honolulu, Havai, nos Estados Unidos.

Para o seu trabalho, os astrónomos socorreram-se dos telescópios terrestres Vista e VST, do Observatório Europeu do Sul, no Chile, e espaciais GALEX e WISE, da agência espacial norte-americana NASA, e Herschel, da agência espacial europeia ESA.

O grupo pretende dar continuidade ao estudo, “mapeando a produção de energia ao longo de toda a história do Universo”, com o auxílio daquele que é visto como o maior e o mais potente radiotelescópio do mundo, o Square Kilometre Array, que será construído na Austrália e na África do Sul, com participação portuguesa, da Universidade de Évora e do Instituto de Telecomunicações.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Morre este, nasce outro. Nada se perde, tudo se transforma.
    O Criador, Fonte Divina de Todas as Coisas sempre Foi, É e Será, Infinitamente.

RESPONDER

Trump prepara ordem executiva contra redes sociais. Quer reduzir proteções legais das empresas

O Presidente norte-americano, Donald Trump, vai assinar esta quinta-feira uma ordem executiva sobre as redes sociais, anunciou a Casa Branca, dois dias depois de o Twitter ter assinalado mensagens de Donald Trump com alertas de …

Mais 13 mortes e 304 novos casos. Reabertura da economia em Lisboa questionada

Embora a região Norte continue a ser a mais afetada pela pandemia, a situação na região da Grande Lisboa tem piorado. O Governo está a estudar o adiamento de algumas medidas de reabertura da economia …

Queixas de consumidores sobre vendas online sobem 250%

A Associação de defesa de consumidores Deco recebeu 3.500 reclamações relativas a compras online entre janeiro e maio, um aumento de 250% face ao número registado em igual período do ano anterior. Paulo Fonseca, da Deco, …

Alto político russo demitido por Vladimir Putin recorre ao Supremo

Um alto responsável político russo, demitido pelo Presidente Vladimir Putin em janeiro devido a acusações de vários escândalos, contestou a decisão perante a mais alta instância judicial do país. É a primeira vez em vinte anos …

Moratória do Estado poderá ser alargada ao crédito pessoal e aos emigrantes

O Governo está a preparar uma revisão da moratória pública do crédito, que será estendida no tempo e incluirá outras categorias de financiamento, passando ainda a abranger as casas dos emigrantes e o crédito ao …

Lone Star põe Novo Banco em Espanha à venda

O presidente executivo do Novo Banco já terá informado os trabalhadores da sucursal espanhola que o negócio vai para a frente. A notícia foi avançada, esta quarta-feira, pelo jornal El Confidencial. O fundo norte-americano Lone Star …

Autoridades preparam encerramento dos cafés no bairro da Jamaica para conter surto

As autoridades de saúde estão a preparar o encerramento dos cafés no bairro da Jamaica, no Seixal, para conter o surto de covid-19 detetado entre os moradores. A informação foi avançada à agência Lusa pelo delegado …

Aviação continua a despedir. EasyJet vai dispensar um terço dos trabalhadores

A companhia aérea britânica EasyJet anunciou a redução de 4.500 postos de trabalho, quase um terço dos seus efetivos, para fazer face à pandemia. A EasyJet, cuja atividade está parada há semanas, diz que desta forma …

Grupo Amorim perde processo de 179 milhões contra Novo Banco

O Grupo Amorim perdeu o processo no qual reclamava ao Novo Banco o pagamento de mais de 179 milhões investidos, através de duas empresas sediadas na Holanda, em papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES). De …

"Regozijo e satisfação". Costa elogia mudança de planos da TAP

O primeiro-ministro elogiou, esta quarta-feira, a decisão da TAP de adicionar e ajustar os planos de rota, considerando que "quem emenda o erro merece regozijo e satisfação". Esta quarta-feira, em comunicado, o Conselho de Administração da …