Detidos três suspeitos pelo “maior assalto da História” no museu de Dresden

Filip Singer / EPA

Três suspeitos foram esta terça-feira detidos por estarem implicados no roubo de várias peças de valor incalculável, há cerca de um ano, num museu de Dresden, no leste da Alemanha, anunciou o Ministério Público.

Os três detidos, de nacionalidade alemã, são “fortemente suspeitos” de terem participado no roubo no museu Grünes Gewölbe de Dresden, indicaram, em comunicado, o Ministério Público e a polícia, na sequência de uma importante operação em várias regiões alemãs, em relação com este caso.

Em 25 de novembro de 2019, pelo menos quatro ladrões entraram no museu, pouco antes das 5h (4h em Lisboa) para roubar jóias do século XVIII, tendo levado, entre outras, o Dresden White, também conhecido como o diamante branco da Saxónia, de 49 quilates.

As imagens de videovigilância mostram os criminosos, equipados com lanternas e martelos, a entrarem no museu e a partirem as vitrinas protetoras onde estavam expostas as jóias. Os assaltantes partiram um dos vidros do edifício para conseguirem entrar.

Pouco antes do assalto, um incêndio, perto do museu, destruiu um transformador elétrico, interrompendo o sistema de alarme. No entanto, os investigadores recusaram-se, nesta fase, a estabelecer uma ligação entre os dois acontecimentos.

A direção do museu considerou as peças roubadas de valor histórico e cultural “inestimável e não quantificável”.

O valor das jóias roubadas pode chegar a mil milhões de euros, assumindo-se, potencialmente, como um dos maiores roubos da história

Construído no século XVI, o museu alberga uma das coleções mais importantes de jóias antigas da Europa.

Parte do museu ficou destruída no bombardeamento dos aliados, em 13 de fevereiro de 1945, durante a II Guerra Mundial, tendo sido posteriormente reconstruída. O Exército Vermelho apropriou-se de parte das obras, levadas para a antiga União Soviética. Em 1958, as obras regressaram a Dresden, uma das principais cidades da antiga República Democrática Alemã (RDA).

  ZAP // Lusa

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.