Desvendado o mistério das construções de lama e seda das grutas portuguesas

Lusa / Natural History Museum Denmark

Casulos dos milpés, ou "maria café", construídos com lama e seda só existem nas grutas do centro de Portugal.

Casulos de milípode, ou “maria café”, construídos com lama e seda só existem nas grutas do centro de Portugal.

A bióloga portuguesa Ana Sofia Reboleira descobriu que uma espécie de milípodes única em Portugal, também conhecidos por “maria-café”, tece em grutas uma complexa estrutura de lama e seda cuja origem misteriosa os cientistas tentavam desvendar há mais de um século.

As “estranhas estruturas circulares com um pequeno orifício” eram encontradas em grutas portuguesas, mas, segundo Sofia Reboleira, “durante mais de um século ninguém sabia quem as produzia”.

Trata-se, de acordo com a cientista, de “um tipo de câmara muda completamente nova no mundo animal, produzida por uma espécie de milípode (o Lusitanipus alternans) que só existe nas grutas do centro de Portugal”, e que foi reencontrada por Sofia Reboleira em 2006, mais de um século depois de ter sido descrita.

“Descobrimos que estes milípodes constroem estas estruturas para mudar, um processo fisiológico no qual se libertam do exoesqueleto antigo emergindo com um novo exoesqueleto maior e mais flexível que permite ao animal crescer”, explicou à agência Lusa.

Aparentemente formada por lama das grutas, esta é “uma complexa estrutura arquitetónica composta por lama processada pelas peças bocais do animal e intrincada por finíssimos filamentos de seda, mil vezes mais pequenos do que um milímetro”, já que, acrescentou, “os milípodes, tal como as aranhas, produzem seda através de umas fieiras que têm no extremo posterior do seu corpo”.

A investigação revelou que os milípodes “demoram cinco dias” a construir a estrutura onde “permanecem mais de um mês a salvo dos predadores, até que todo o processo de muda esteja completo e possam caminhar de novo no exterior, deixando a câmara através de um pequeno orifício”.

A mudança do esqueleto é “uma altura crítica na vida do animal, que fica num estado letárgico e completamente vulnerável aos predadores”.

Para a bióloga, isto evidencia a importância daquelas construções de “grande resistência”.

anasofiareboleira / Facebook

A bióloga e espeleóloga portuguesa Ana Sofia Reboleira

A bióloga e espeleóloga portuguesa Ana Sofia Reboleira

A descoberta decorre de uma investigação desenvolvida no Museu de História Natural da Dinamarca, parte da Universidade de Copenhaga e publicada na quinta-feira na revista científica Arthropod Struture and Development.

“Tivemos mais de 30 indivíduos em laboratório durante um ano, com condições de temperatura controlada e em obscuridade total, tal como nas grutas, que foram observados regularmente”, o que permitiu verificar pela primeira vez “numa ordem inteira de milípodes como ocorre a muda de um juvenil para um indivíduo adulto, estudando em detalhe este processo e a formação das estruturas”.

A investigação é resultado de um projeto liderado pela cientista portuguesa e financiado pelo Conselho Dinamarquês para a Investigação Independente e conta com a colaboração do professor Henrik Enghoff, da mesma instituição.

O objetivo era estudar a transmissão de fungos que só crescem naqueles animais, mas acabou por resultar numa “descoberta notável”, quando ainda “são raríssimos os estudos sobre o comportamento e o desenvolvimento dos invertebrados que habitam o meio subterrâneo”, ressalvou.

Isto porque “é muito difícil reproduzir as condições naturais em laboratório”, tal como “é difícil observá-los de forma sistemática no seu habitat”, acrescentou a bióloga.

No seu entender, as características biológicas, ecológicas e sobretudo a distribuição geográfica confinada às cavernas do centro de Portugal “são de tal forma relevantes que ditam a urgência da criação de medidas de proteção para esta espécie em si e para os habitats subterrâneos em geral”.

Nos últimos anos, a investigadora foi responsável pela descoberta e descrição de 28 novas espécies para a ciência de grutas em Portugal, “um património nacional único que, ao contrário de outros países europeus, se encontra completamente desprotegido”.

Os milípodes, conhecidos em Portugal como ‘maria-café’, pertencem à classe dos invertebrados e têm corpos cilíndricos e muitas patas, fazendo por vezes lembrar, à primeira vista, os milípodes.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Como levar a sério notícias onde se chama milpés às centopeias? Não sei se o erro é do jornalista ou da bióloga.. o certo é que alguns não aprenderam ainda a escrever (no mínimo)

  2. De acordo com a taxonomia do animal, que rapidamente pesquisei (obrigado por disponibilizarem o nome científico), este pertence à classe Diplopoda. Estes animais são conhecidos por aparentarem ter dois pares de patas por segmento (visível nas imagens apresentadas).
    Assim sendo, a estes costuma dar-se a designação de “milípodes” (ou “milpés”, a forma mais popular).
    As “centopeias” (ou “centípodes”), por seu lado, pertencem à classe Chilopoda, que apresenta claramente um par de patas por segmento.
    Para além desta diferença no número da patas, as duas classes são também caracterizadas por terem tipicamente hábitos de vida muito diferentes (as centopeias são tipicamente predadores, enquanto os milípodes tendem a ser herbívoros/detritívoros).

    Desta forma, infelizmente a palavra utilizada para descrever o organismo passou a estar errada após correção.

RESPONDER

Caracóis estão a ficar amarelos para se adaptarem às alterações climáticas

Nas áreas urbanas, os caracóis estão a ficar com as cascas amarelas para se adaptarem às alterações climáticas. Os cientistas vão agora analisar os padrões das penas dos pássaros, para perceberem se também há uma …

Os terrenos contaminados de Fukushima vão tornar-se num centro de "energia verde"

Fukushima, local que sofreu um dos maiores desastres nuclear do mundo, vai reinventar-se e tornar-se num centro de energia renovável. Depois de ser atingido por um terramoto e um tsunami de 15 metros em 2011, três …

Cientistas identificaram neurónios específicos que mapeiam memórias

Neurocientistas descobriram um aspeto curioso de como a nossa memória funciona: Quando o cérebro precisa de recuperar informação relacionada com um lugar específico, neurónios individuais podem atingir memórias específicas. De acordo com o estudo publicado na …

Grande tempestade de areia pode ter ditado o fim de um império da Mesopotâmia

O Império Acádio da Mesopotâmia entrou em colapso devido a uma enorme tempestade de areia, sugeriu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Hokkaido, no Japão. Em comunicado, os especialistas explicam …

Encontrado templo milenar usado em rituais pagãos de veneração da água

O local tem 3.000 anos, onde investigadores encontraram 21 sepulturas, bem como várias peças de cerâmica e anéis de cobre. O templo era usado em rituais pagãos de veneração da água. Uma equipa de arqueólogos encontrou …

Elon Musk diz que inovações da Neuralink vão conseguir curar o autismo

Musk disse que a sua empresa Neuralink iria "solucionar uma série de doenças neurológicas", entre as quais o autismo. Contudo, o autismo não é uma doença relacionada com o cérebro, mas sim uma perturbação do …

"Indivíduos desconhecidos" terão obrigado Marinha a apagar vídeo do incidente do USS Nimitz com um OVNI

Vários membros da Marinha que testemunharam o famoso Incidente do USS Nimitiz, em 2004, disseram que "indivíduos desconhecidos" apareceram depois do acontecimento e obrigaram-nos a apagar as gravações de vídeo. Em novembro de 2004, um porta-aviões …

Coreia do Norte detonou bomba atómica equivalente a 17 "Hiroshimas"

Dados de um satélite japonês revelam que a explosão de um teste nuclear na Coreia do Norte, em 2017, terá sido 17 vezes mais poderosa do que a bomba de Hiroshima. A Coreia do Norte estimou que …

Invenção financiada por Bill Gates pode invisivelmente resolver a malnutrição

Uma invenção financiada por Bill e Melinda Gates pode ser a solução para resolver o problema da malnutrição a nível mundial. O próximo passo é conseguir o apoio dos Governos locais. A malnutrição é um problema …

Com a ajuda de um radar, cientistas revelaram pegadas de mamutes e humanos pré-históricos

Espalhados pelo Monumento Nacional de White Sands, nos Estados Unidos, encontram-se os "rastos fantasma" de mamutes mortos há milhares de anos. Agora, investigadores conseguiram revelar pegadas de humanos. De acordo com o Science Alert, esta descoberta, …