Desvendado o grande mistério do Sistema Solar em 2015: as manchas de Ceres

IDA / DLR / MPS / UCLA / JPL-Caltech / NASA

A cratera Occator tem o grupo mais impressionante de pontos brilhantes de Ceres

Foi o grande mistério do Sistema Solar em 2015: o que são as manchas luminosas de Ceres, o maior objeto do cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter? Os cientistas acreditam ser gelo e sal.

Trata-se de locais onde os impactos de corpos celestes perfuraram uma camada congelada de água salgada sob a superfície do pequeno planeta anão, com cerca de 950 km de diâmetro, disseram investigadores à Nature. As partes mais brilhantes correspondem aos impactos mais recentes.

A câmera da sonda Dawn, da NASA, identificou cerca de 130 focos brilhantes no planeta. De longe, o grupo mais chamativo fica numa cratera denominada Occator, no hemisfério norte de Ceres.

Quando a sonda entrou na órbita de Ceres, a câmara estava programada para registar o que costuma ser uma superfície escura, negra como alcatrão.

Por isso, as depressões superbrilhantes dentro da Occator saturaram o sensor do equipamento.

“Nós dissemos: ‘Ena, o que é isto?’ Não esperávamos nada assim”, lembra o investigador Andreas Nathues.

“A reflexividade estava em nível 0.25, ou seja, cerca de 25% da luz era refletida. No centro no núcleo interno das manchas da Occator, chegava a 50%, 60%”, descreve o cientista do Instituto Max Planck, na Alemanha. “Ao mesmo tempo, a superfície restante era bastante mais escura, com média de 9% de reflexividade”.

NASA / JPL-Caltech / UCLA / MPS / DLR / IDA

A sonda Dawn da NASA capturou estas imagens do planeta anão Ceres a cerca de 40.000 km de distância no dia 25 de fevereiro de 2015. Parte de Ceres está à sombra devido à posição atual da sonda em relação ao planeta anão e ao Sol.

A sonda Dawn da NASA capturou estas imagens do planeta anão Ceres a cerca de 40.000 km de distância no dia 25 de fevereiro de 2015. Parte de Ceres está à sombra devido à posição atual da sonda em relação ao planeta anão e ao Sol.

Gelo e sal em todo o planeta

Uma nova investigação indica que existe uma camada de gelo e sal em todo o planeta, abaixo dos escombros rochosos que o cobrem.

Quando um objeto do Espaço penetra nessa camada, o gelo começa a sublimar, ou seja, passa diretamente do estado sólido ao gasoso. O vapor libertado escapa da superfície, levantando partículas de gelo e pó, o que produz uma espécie de névoa.

A sonda Dawn observou essa névoa durante o “dia”, e a conclusão é que as manchas desaparecerão à medida que o gelo se derreta e reste apenas o sal.

A Dawn identificou indícios da presença de sulfato de magnésio hidratado, conhecido como sais de Epsom, mas a substância não é tão reflexiva como o gelo.

A emissão de água, que corrobora observações de Ceres feitas em 2013 pelo telescópio espacial Herschel, é uma reminiscência de cometas, que entram em sublimação quando se aproximam do Sol.

“É um pouco como um cometa, mas é preciso compreender que Ceres é um objeto diferenciado. Tem uma estrutura de concha”, afirmou Nathues à BBC.

“É muito provável que haja uma concha de gelo debaixo da casca, e essa estrutura é completamente diferente da dos cometas. Os cometas são objetos primitivos cheios de materiais originais que se alteram muito sutilmente”.

Origem distante

Num artigo na revista Nature, María Cristina De Sanctis levanta a possibilidade de que Ceres não tenha sido formado no lugar onde está hoje, a 417 milhões de quilómetros do Sol, mas muito mais distante no Sistema Solar.

A investigadora observou resultados do espectrómetro de sinais visíveis e infravermelhos da sonda Dawn, que detetou possíveis filosilicatos amoniacais em grandes extensões do planeta anão.

Os filosilicatos são minerais de argila, produzidos quando os materiais rochosos sofrem a ação da água durante muito tempo.

Contudo, a presença de amoníaco é que é o ponto interessante neste caso.

“São filosilicatos que possuem algum amoníaco na sua estrutura, o que significa que o amoníaco deve ter estado disponível nalgum momento. A única maneira de que isso tenha sido possível é que o material tenha tido uma origem mais fria“, afirmou De Sanctis, do Instituto Nacional de Astrofísica, em Roma.

A hipótese surge do reconhecimento de que os cristais de amoníaco não seriam estáveis na órbita atual de Ceres ao redor do Sol, já que esse material desaparece rapidamente quando a temperatura supera -173ºC.

Deste modo, para que Ceres tenha retido tanto amoníaco ou gelo rico em nitrogénio por tempo suficiente para que este se incorporasse no solo, é provável que o planeta tenha ocupado um ponto muito mais frio no passado, afirmou a investigadora.

“É uma possibilidade fantástica, e coincide com modelos dinâmicos da evolução do Sistema Solar que preveem que os objetos migrem até o interior do sistema“, disse.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …