Descoberto no “crepúsculo do oceano” um dos maiores recifes de corais do mundo

Uma missão científica apoiada pela UNESCO – Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, descobriu um dos maiores recifes de corais do mundo, localizado na costa do Tahiti.

A agência das Nações Unidas destaca que “as condições imaculadas do recife e a área extensa coberta pelos corais em formato de rosas fazem com que esta seja uma descoberta muito valiosa”.

Segundo a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, até agora, apenas “20% de todo o relevo oceânico foi mapeado”, pelo que “a descoberta notável no Tahiti demonstra o trabalho incrível dos cientistas que estão a ampliar o nosso conhecimento sobre tudo o que se encontra nas profundezas”.

O recife agora encontrado está localizado 30 a 65 metros abaixo do nível do mar, tendo aproximadamente 3km de extensão e 65 metros de largura.

Segundo explica a UNESCO, este é um dos recifes mais extensos e saudáveis do mundo. Os corais gigantes em formato de rosa têm até 2 metros de diâmetro.

De acordo com a agência, a maioria dos recifes de corais do mundo estão a apenas 25 metros de profundidade. A descoberta deste recife de corais no Tahiti sugere que haverá muitos recifes bastante abaixo de 30 metros, na área conhecida como a zona do crepúsculo do oceano.

O fotógrafo francês Alexis Rosenfeld, que liderou a missão de mergulho, declarou ter sido “mágico observar de perto lindos e gigantes rosas de corais, que esticam até onde a vista alcança”. Estes recifes “parecem até obras de arte”, diz o fotógrafo.

A expedição fez parte do projeto global da UNESCO de mapear os oceanos. Os recifes de corais são fonte importante de alimentos para outros organismos marinhos e encontrá-los pode ajudar nas pesquisas sobre biodiversidade.

Segundo a agência das Nações Unidas, os organismos que vivem nos corais são importantes para pesquisas na área da medicina e os corais ajudam na proteção da erosão costeira e até de tsunamis.

Até agora, foram poucos os cientistas que conseguiram localizar, investigar e estudar recifes de coral abaixo de 30 metros de profundidade, mas as tecnologias atuais permitem mergulhos mais profundos.

A equipa da UNESCO, que mergulhou ao todo cerca de 200 horas para estudar os corais agora descobertos, planeia continuar a investigação com novos mergulhos nos próximos meses.

A UNESCO, agência da ONU responsável por pesquisas nos oceanos, foi fundada em 1960 e conta com a participação de 150 países.

  ZAP // ONU News

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE