Descoberto misterioso rio de ferro líquido no centro da Terra

(dr) ESA

O rio de ferro líquido corre a cerca de três mil quilómetros de profundidade

O rio de ferro líquido corre a cerca de três mil quilómetros de profundidade

Cientistas dizem ter descoberto um rio de ferro líquido no centro da Terra, que passa por baixo do estado norte-americano do Alasca e da região russa da Sibéria.

Essa massa ambulante de metal foi detetada graças aos satélites europeus Swarm – um trio que está a mapear o campo magnético da Terra para entender o seu funcionamento. O campo protege toda a vida do planeta contra a radiação espacial.

Para os cientistas, a existência do rio de ferro líquido é a melhor explicação para uma concentração de forças no campo magnético terrestre que os satélites registaram no Hemisfério Norte.

“É uma corrente de ferro líquido que se move cerca de 50 quilómetros por ano”, explica o geólogo Chris Finlay, da Universidade Técnica da Dinamarca.

“É um líquido metálico muito denso e é preciso uma quantidade enorme de energia para movê-lo. É provavelmente o movimento mais rápido que temos no manto terrestre”, disse o cientista à BBC.

Finlay explica que a corrente de metal líquido é como o jet stream – a corrente de ar a grandes altitudes aproveitada pelos aviões para voar mais rapidamente – na atmosfera da Terra . O rio de metal porém, está a três mil quilómetros de profundidade.

Os cientistas acreditam que o rio tenha 420 quilómetros de largura e percorra quase metade da circunferência da Terra. O comportamento dessa massa metálica será crítica para a geração e manutenção do campo magnético terrestre.

“É possível que esta corrente tenha existido durante as últimas centenas de milhões de anos“, diz Phil Livermore, da Universidade de Leeds, no Reino Unido, e um dos autores do estudo que apresentou a descoberta, publicado na revista científica Nature Geoscience.

Rainer Hollerbach, outro dos cientistas envolvidos no projeto, acredita que o líquido se move graças ao princípio da impulsão dos fluidos, ou devido a mudanças no campo magnético do núcleo terrestre.

(dr) ESA

Os satélites Swarm foram lançados em 2013 para estudar o campo magnético da Terra

Os satélites Swarm foram lançados em 2013 para estudar o campo magnético da Terra

Lançados em novembro de 2013 pela Agência Espacial Europeia (ESA), os três satélites Swarm estão a fornecer um acesso sem precedentes à estrutura e ao comportamento do campo magnético terrestre.

Com instrumentos altamente sensíveis, os satélites estão a analisar gradualmente os vários componentes do campo, do sinal dominante vindo do movimento do ferro no núcleo externo à quase impercetível contribuição feita pelas correntes oceânicas.

Os cientistas esperam que os dados do satélite ajudem a explicar finalmente a razão pela qual o campo magnético da Terra tem enfraquecido nos últimos séculos.

Alguns cientistas especulam que o planeta pode estar próximo de um inversão de polaridade, em que o sul se tornará norte e o norte se tornará sul. – fenómeno que ocorre periodicamente, com intervalos de algumas centenas de milhares de anos.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

OMS está "muito preocupada com o rápido aumento da infeção"

A OMS mostra-se preocupada com a evolução do número de infetados pelo novo coronavírus e pede o perdão da dívida para os países mais vulneráveis. O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) diz estar muito …

Cerco sanitário prolongado em Ovar. "Situação ainda não está controlada"

A Direção-Geral de Saúde decidiu prolongar a cerca sanitária no concelho de Ovar por mais 15 dias, avança o Jornal de Notícias esta quinta-feira. De acordo com o matutino, as autoridades de saúde vão permitir …

Liga belga propõe fim do campeonato e o Club Brugge campeão

A Liga de futebol da Bélgica recomendou esta quinta-feira que se dê por terminada a época 2019/20 do campeonato e a “aceitação da classificação atual” que faz do Clube Brugge campeão, devido ao novo coronavírus …

Pico da pandemia pode ser tardio. "Só saberemos quando começarmos a descer"

A diretora-geral da Saúde disse que ainda não é possível saber quando é que será o pico da covid-19 em Portugal, alertando que este pode ser tardio, uma vez que uma progressão mais lenta da …

"China esconde a severidade deste vírus há meses", acusam serviços secretos dos EUA

Os Estados Unidos concluíram que a China falseou os dados sobre a severidade do novo coronavírus, indica um relatório dos serviços de inteligência norte-americanos divulgado esta quarta-feira a vários senadores. A agência Bloomberg aludiu esta quinta-feira …

Forças Armadas aceitaram líder do CDS como voluntário

O Jornal de Notícias escreve esta quinta-feira que as Forças Armadas aceitaram o líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, como voluntário para ajudar nas ações desenvolvidas na luta contra a covid-19 durante o estado …

Portugal duplica capacidade de ventilação. Oito profissionais de saúde nos cuidados intensivos

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, anunciou esta quinta-feira a duplicação dos equipamentos de ventilação e garantiu uma distribuição equilibrada dos testes de despistagem. “Entre ofertas, compras e empréstimos, estaremos em condições de duplicar …

Coreia do Norte reitera que não tem infetados. Coreia do Sul desconfia

A Coreia do Norte reafirmou que não regista nenhum caso de coronavírus (covid-19), numa declaração feita por um alto responsável pelo setor da Saúde de Pyongyang citado esta quinta-feira pela Agência France Presse. A Coreia do …

Ovar já tem linha telefónica própria para retirar pressão à Saúde 24

A Linha de Apoio Covid Ovar vai garantir assistência atempada à comunidade de 55.400 habitantes do concelho e é exclusiva para utentes que suspeitem ter sintomas do novo coronavírus. O Município de Ovar ativa, esta quinta-feira, …

Durão Barroso defende coronabonds (mas a prioridade é outra)

Em entrevista à SIC Notícias, Durão Barroso concordou com a criação dos ​​​​​​​coronabonds, mas defendeu que a prioridade é resolver "a crise humanitária". Durão Barroso considerou, em entrevista à SIC Notícias, que as instituições europeias têm …