Um cientista chileno diz estar próximo da chave para descobrir porque desapareceram os dinossauros, graças à descoberta do fóssil de um lagarto gigante dos mares que viveu na Antárctida durante o período Mesozóico que marca o aparecimento e a extinção dos dinossauros.

Uma equipa de investigadores chilenos encontrou na ilha Seymour, na Antárctica chilena, o crânio, dentes e úmero (osso da parte do braço que vai do cotovelo ao ombro) de uma nova espécie de mosassauro, um réptil marinho que viveu na Antárctida durante o Mesozóico.

O crânio mede 1,20 metros, o que permite deduzir que a criatura tinha cerca de 10 metros de comprimento e que teria semelhanças com algumas serpentes e com os dragões de Komodo, revela o artigo publicado na Cretaceous Research.

DR

Kaikaifilu, lagarto gigante dos mares encontrado na Ilha Seymour, na Antárctica chilena.

O maior predador marinho

Baptizado Kaikaifilu hervei, este lagarto gigante dos mares terá vivido há 66 milhões de anos na Antárctida e torna-se assim, no maior predador marinho conhecido, destronando o Taniwhasaurus antarcticus que, com um crânio de 70 centímetros de comprimento, era considerado o maior mosassauro.

Este fóssil pode ser a chave para explicar a extinção dos dinossauros, acredita o investigador chileno David Rubilar que está envolvido na pesquisa.

“Temos toda a história evolutiva a partir da perspectiva do hemisfério norte. Estes achados completam o puzzle que nos permite entender como os dinossauros evoluíram no sul”, diz à agência Efe o chefe de paleontologia do Museu Nacional de História Natural de Santiago de Chile.

Segundo o investigador, o crânio foi encontrado exposto na superfície do terreno pela erosão rochosa.

David Rubilar acrescenta que todos os anos novos materiais são descobertos na ilha Seymour e nos seus arredores, no extremo norte da Península Antártica.

O paleontólogo salienta o papel “chave” que o Chile pode assumir em explicar, com descobertas como esta, como esse tipo de répteis colonizaram a Terra.

“Permite-nos saber como foi a sua expansão e qual foi o seu centro de origem. Por exemplo, se se mudaram da América do Sul para a Austrália ou se foi ao contrário, se surgiram na Antárctida”, esclareceu.

De acordo com o investigador, os restos encontrados são “extremamente importantes” para entender a conexão entre a América do Sul e a Antárctida na fauna marinha.

“As correntes marinhas permitiram o intercâmbio de espécies entre os diferentes continentes, e a parte sul do Chile e da Argentina é a última conexão da América do Sul com a Antárctida”, referiu.

O paleontólogo confessou ainda que a sua equipa está “muito interessada” em fazer uma exposição sobre répteis marinhos no Museu Nacional de História Natural, na qual possam exibir “este e outros espécimes também muito especiais”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. “…Por exemplo, se se mudaram da América do Sul para a Austrália ou se foi ao contrário, se surgiram na Antárctida”, esclareceu. …”
    Provavelmente será Antártida e não Austrália como o texto refere.

RESPONDER

Sporting 2 - 1 Braga | Leão entra em 2021/22 a rugir

O Sporting parece querer manter a senda de sucesso da época passada e entrou em 2021/22 com o pé direito. Os “leões” bateram o Sporting de Braga por 2-1, num jogo que valeu, sobretudo, pela primeira …

Ensinar crianças a dizer palavrões? Uma cientista acha que é boa ideia

A auto-intitulada "cientista dos palavrões" acredita que ensinar as crianças a usá-los de forma eficiente ajuda os mais novos a perceber como este palavreado afecta outras pessoas. Já se sabia que dizer palavrões é um sinal …

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …

"Dança quem está na roda", responde Marcelo sobre ausência de Bolsonaro

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que "dança quem está na roda" quando questionado pelos jornalistas sobre a ausência do homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, da cerimónia de reinauguração do Museu …

Todos os anos, esta cidade italiana entrega sal ao Papa em mãos

O Sal de Cervia, também conhecido como "sal do Papa", é-lhe entregue todos os anos em mãos. A tradição sofreu algumas interrupções até ter sido recuperada pelo Bispo Mario Marini, que serviu no Pontificado de …

A colisão secreta entre navios soviéticos e britânicos podia ter tido um desfecho drástico

Colisão aconteceu durante um dos períodos mais quentes da Guerra Fria e foi camuflado pela marinha britânica, que tratou de fazer regressar a sua embarcação à base de Devonport durante a noite para evitar dar …

Esta garrafa de tequila demorou seis anos para ser desenvolvida (e contém ouro)

A Clase Azul Spirits é uma empresa que comercializa tequila e está a preparar uma edição limitada para homenagear o legado artesanal do México - de onde a bebida é originária. A 2 de agosto, a …

Covid-19. Milhares de franceses protestam contra passe sanitário

Milhares de pessoas concentraram-se este sábado em Paris para protestar contra o passe sanitário — certificado de vacinação contra a covid-19 que passa a ser obrigatório para entrar em vários locais —, tendo a polícia …

"Toque de Midas" científico. Químicos transformam água purificada em metal dourado

Esta nova descoberta ajuda a entender o estado de transição da água e pode vir a ser importante no estudo de planetas como Neptuno ou Urano. Numa experiência alucinante, cientistas conseguiram transformar água purificada num metal …