Descoberto numa tábua antiga o demónio que “causava” a epilepsia

Troels Pank Arboll, investigador da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, estava a estudar tratamentos médicos antigos numa mesa cuneiforme com 2.700 anos do antigo Iraque, quando descobriu acidentalmente um desenho parcialmente danificado.

Análises posteriores indicaram que se tratava de uma representação do demónio que, segundo a crença dos antigos assírios, era responsável por provocar a doença de Bennu, que os descreve os sintomas típicos da epilepsia. Hoje, é uma condição conhecida e caracterizada por convulsões. Mas, na Antiga Assíria, um dos primeiros impérios do mundo, a doença era provocada por um demónio – e foi esse demónio que foi encontrado pelo investigador da Universidade de Copenhaga.

“Sabemos há muito tempo que os assírios e babilónios consideravam as doenças fenómenos causados por deuses, demónios ou bruxaria. E os curandeiros eram responsáveis por expulsar estas forças sobrenaturais com medicamentos, rituais ou encantamentos. Porém, esta é a primeira vez que conseguimos conectar uma das muito raras ilustrações de demónios nos textos médicos com a epilepsia”, explicou Troels Pank Arboll, em comunicado.

De acordo com Arboll, encontrar desenhos que ilustrem poderes sobrenaturais em tábuas com tratamentos médicos e mágicos é muito raro. Geralmente, são representadas figuras utilizadas pelos curandeiros nos seus rituais. No entanto, nesta ocasião, trata-se de um demónio com com cauda, chifres e língua de cobra.

“A figura tem aproximadamente 6,4 centímetros de altura e 2,6 centímetros de largura e é claramente antropomórfica. A cabeça tem orelhas e chifres curvos, a língua de uma serpente e, possivelmente, um olho de réptil. O pescoço é longo e, em geral, o ser parece estar coberto de escamas ou cabelos mal preservados. Infelizmente, a maioria do torso é fragmentária”, escreveu Arbøll. “A mão esquerda parece uma garra ou pata e a mão direita é irregular com o polegar pontudo. A criatura tem uma cauda longa colocada ao lado da perna esquerda e essa perna parece ter músculos discerníveis”.

Em declarações ao ScienceNordic, Arboll disse que “as fontes fornecem uma visão única da forma como um médico assírio foi treinado na arte de diagnosticar e tratar doenças e as suas causas. É uma visão de alguns dos primeiros exemplos do que podemos descrever como ciência“.

A doença de Bennu era temida no antigo Iraque. Os textos antigos que descrevem a doença enumeram sintomas como convulsões e perda de consciência ou sanidade, que em alguns casos faziam com que os pacientes “chorassem como uma cabra”.

Acredita-se que a tábua tenha sido escrita por um médico antigo chamado Kisir-Ashur no final do século VII a.C. O texto estudado por Arboll é escrito em argila em acádico, uma língua semítica extinta, usando escrita cuneiforme, onde os sinais representam palavras inteiras e sons, num sistema que se assemelha aos hieróglifos egípcios.

Na tábua também estão descritas outras doenças psicológicas, bem como informações sobre remédios de ervas e venenos. Porém, as outras doenças não estão ligadas à possessão demoníaca. Por essa razão, Arboll acredita que a descrição é sobre Bennu, o demónio da epilepsia.

ZAP ZAP //

 

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Sporting 2-2 Belenenses SAD | Líder salva virgindade nos descontos

A Belenenses SAD esteve a segundos de cumprir a promessa de Petit, que na antevisão da partida apontava para a primeira derrota do Sporting. Os “azuis” estiveram a vencer por 2-0, graças a uma eficácia …

Quatro anos depois, Danny recuperou a sua prancha. Estava a 2700 quilómetros

Um surfista australiano recuperou a sua prancha quatro anos depois de a ter perdido. Estava a 2700 quilómetros do sítio onde a tinha visto pela última vez. Danny Griffiths, um surfista habituado a ondas grandes, perdeu …

Os astronautas precisam de um frigorífico. Engenheiros trabalham num que funciona de "cabeça para baixo"

Para que os astronautas façam longas missões à Lua ou a Marte, precisam de um frigorífico, mas estes eletrodomésticos não são projetados para funcionar em gravidade zero. Os astronautas precisam de frigoríficos para as missões prolongadas …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …