Descoberta do nome de Alá em artefactos vikings intriga cientistas

Annika Larsson / Uppsala University

Bandolete bordada com os nomes de Alá e Ali encontrada em sepultura viking

Arqueólogos suecos anunciaram ter encontrado de caracteres árabes em mantas mortuárias encontradas em cerimónias funerárias vikings. A descoberta pode levar a novas informações sobre a influência do Islão na Escandinávia.

Não é a primeira vez que surgem indícios de que os mundos dos vikings e dos muçulmanos se cruzaram na história da humanidade.

Segundo um estudo apresentado em 2015, um anel encontrado no século 19, durante escavações no sítio arqueológico de Birka, na Suécia, pode ser a prova de que terá havido contacto entre os Vikings e a civilização Islâmica.

Mas uma nova descoberta, após uma análise de tecidos encontrados em túmulos dos séculos IX e X, vem agora revelar detalhes excitantes sobre o contacto entre os mundos viking e muçulmano – entre os quais se destacam os bordados em prata e seda com as palavras “Alá” e “Ali”.

Segundo os autores da descoberta, realizada por investigadores da Universidade de Uppsala, os fragmentos estavam curiosamente esquecidos há mais de 100 anos num arquivo da universidade sueca, classificados como material genérico.

Padrões diferentes

A nova descoberta foi feita pela arqueóloga Annika Larsson, da Universidade de Uppsala. A investigadora, especializada em tecidos, ficou intrigada ao constatar que as amostras, recuperadas em escavações ao longo dos últimos dois séculos, tinham origem na Ásia Central, Pérsia e China.

Larsson explica que os padrões geométricos encontrados nos tecidos eram diferentes de tudo o que tinha visto na Escandinávia. “Lembrei-me de que tinha visto este tipo de desenhos em tecidos da época da ocupação árabe da Península Ibérica“, conta a arqueóloga ao site científico sueco Forskning.

A arqueóloga percebeu então que estava a analisar caracteres de uma forma arcaica de escrita árabe, a kufic. Duas palavras apareciam com frequência. Com a ajuda de um colega iraniano, Larsson identificou uma das palavras como “Ali”, o nome do quarto califa do Império Islâmico, que viveu no século VII.

A outra deu mais trabalho. Foi como resolver um quebra-cabeças: depois de ampliar as letras e examiná-las em diversos ângulos, a especialista descobriu que se tratava de um mosaico formado pelo nome “Alá” – Deus, em árabe.

Larsson encontrou as duas palavras em pelo menos dez dos mais de cem fragmentos que analisou – e sempre  juntas. “O nome Ali é repetido várias vezes ao lado de Alá“, explica. Ali era primo de Maomé – e seu genro, pois casou-se com Fátima, uma das suas filhas, e tornou-se o quarto líder da comunidade depois da morte do profeta.

“O uso de Ali sugere uma conexão xiita”, diz Amir De Martino, especialista do Islamic College, universidade de estudos islâmicos com base em Londres. Os nomes de Alá e Ali aparecem frequentemente em padrões enigmáticos no interior de túmulos e livros de ramos xiitas como os alevis e bektashis, mas sempre acompanhados do nome Maomé.

Quem estava nas sepulturas

A descoberta lança também perguntas sobre os ocupantes das sepulturas. “Não podemos descartar que as pessoas enterradas fossem muçulmanas. Análises de DNA em outras escavações de túmulos vikings revelaram que os seus ocupantes eram originários de locais distantes, como a Pérsia, em que o Islão já era dominante.”

No entanto, a arqueóloga acredita que o mais provável é que a descoberta mostre a influência de ideias islâmicas em rituais fúnebres vikings – noções, por exemplo, de vida eterna no paraíso após a morte.

Em estudos anteriores, Larsson identificou a presença generalizada de tecidos em seda em sepulturas escandinavas do tempo dos vikings. “E segundo diz o Corão, curiosamente, os habitantes do paraíso vestem-se de seda“, nota a arqueóloga.

Larsson acredita que a sua descoberta oferece possibilidades promissoras. “Agora que podemos examinar padrões vikings de forma diferente, estou convencida de que encontraremos mais inscrições islâmicas em outros tecidos – e talvez até em diferentes artefactos”.

A equipa da arqueóloga está agora a tentar, com o apoio do Departamento de Genética da universidade, estabelecer as origens geográficas dos corpos envoltos nos tecidos.

6 COMENTÁRIOS

  1. O nome Allah é o do Todo Poderoso, independentemente da religião o nome é o mesmo, o problema é que a leitura dos livros, como o Corão, a Bíblia e outros são adaptados a uma religião o que não está correto, pois os livros não estão conectados a nenhuma religião quem tratou dessa parte foi o ser humano, pois se toda a gente ler esses livros esquecendo a interpretação que os Muçulmanos os Cristãos entre outros lhe dão, vão chegar à conclusão que afinal o que entenderam não é bem o que estavam habituados a ouvir. Se a isto tudo, somarmos o fato de esses livros já são cópias das cópias, provavelmente já têm muitas diferenças dos originais.

  2. É sem dúvida uma descoberta surpreendente.

    ALLAH é uma Palavra Árabe, e quer dizer, DEUS.

    Já quanto à Palavra “Ali”, penso que esta palavra não se refere ao Nobre Imã Ali, genro e sucessor espiritual do Profeta Maomé (que a paz esteja com ambos).

    No idioma Árabe, a Palavra árabe, “Ali”, escrita exatamente da mesma maneira, lê-se “ALIYYU”. Já “ALIYYU” é um dos Nomes de DEUS e significa “O ALTÍSSIMO”.
    “ALIYYU” também se pode ler de forma resumida, sendo que neste caso, pode-se ler “ALI”.
    “ALI” também é um Nome de DEUS significando “O ALTO”.

    Portanto, é extremamente duvidoso que a palavra “Ali” aqui encontrada se refira ao Nobre Genro de Maomé.

    Sendo o Islão a mais Monoteísta de todas as Religiões Monoteístas, é inconcebível colocar um nome de uma Criatura de DEUS ao lado do nome de DEUS da forma como foi encontrada na Suécia.

    Por isso com toda a certeza, ambas as palavras encontradas constituem dois nomes de DEUS, sendo que pode-se ler,
    “DEUS, O ALTÍSSIMO” e/ou “DEUS, O ALTO”.

    Isto é uma particularidade das línguas semiticas como o Árabe e o Hebraico.
    No Hebraico, a palavra “ELOHIM”, dependendo do contexto, pode-se referir a DEUS, a um Anjo em geral ou a um Juiz.

    Termino dizendo que a descoberta feita, embora surpreendente, não é única.
    Se o leitor fizer uma pesquisa profunda irá encontrar palavras Árabes datadas dos Séculos IX e X encontradas na América do Norte.

    Tudo isto irá mudar definitivamente a forma como a História se refere à Grandiosa Civilização Muçulmana.

  3. Até os Belgas (flamengos) dizem alá. Aqui significa pois pois e os Portugeses dizem alí, que significa o oposto de aquí.

    Os muçulmanos tem saudades da civilização que eram. Mas não sabem que foi uma civilização humanista. Nem conseguem encontrar o caminho que os pode tirar da escuridão, pois o petroleo lhes impede ver com clareza. Até certa forma tenho muito mais respeito pelo povo Roma. Mas as duas tem em comum uma cegueira egocentrista que as tornam patéticas nos tempos de hoje

RESPONDER

Governo de Passos investigado por suspeitas de corrupção no projecto do TGV

O Ministério Público está a investigar eventuais crimes de corrupção durante o Governo de Passos Coelho, visando em concreto o ex-secretário de Estado Sérgio Monteiro e o projecto do TGV. O Público avança que um dos …

Governo espanhol admite suspender autonomia da Catalunha

A vice-presidente do Governo espanhol confirmou, esta quarta-feira, que Madrid admite suspender totalmente ou parcialmente a autonomia da Catalunha se os dirigentes separatistas não renunciarem à declaração de independência, num prazo de 24 horas. "Carles Puigdemont …

Armamento roubado em Tancos encontrado na Chamusca

A Polícia Judiciária Militar informou, esta quarta-feira, que encontrou na zona da Chamusca, distrito de Santarém, o material de guerra roubado dos Paióis Nacionais de Tancos. Segundo o Público, a Polícia Judiciária Militar (PJM) fez uma …

Arquivos secretos sobre o assassinato de Kennedy estão nas mãos de Trump

O maior mistério no imaginário popular da história recente dos Estados Unidos é quem foi o verdadeiro culpado pelo assassinato do ex-presidente John F. Kennedy, uma incógnita com inúmeras dúvidas que podem ser esclarecidas com …

Açúcar estimula o crescimento de tumores malignos

Uma equipa de cientistas descobriu, num estudo realizado durante nove anos, que o consumo de açúcar por doentes oncológicos ativa as células do cancro e estimula o crescimento de tumores. A ligação entre o açúcar e …

Ministra da Administração Interna exigiu demissão e Costa aceitou

António Costa aceitou esta quarta-feira a demissão da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa. Constança Urbano de Sousa apresentou na noite desta terça-feira a sua demissão ao primeiro ministro António Costa que, numa nota …

Os africanos tiveram antepassados de pele clara

Segundo um novo estudo, as teorias científicas que diziam que os hominídeos só começaram a ter pele clara quando saíram de África estão erradas. Uma equipa de geneticistas da Universidade da Pensilvânia, em Filadélfia, nos EUA, …

Misteriosos "portões" antigos descobertos na Arábia Saudita

A descoberta de 400 estruturas de pedra antigas, na Arábia Saudita, está a intrigar os arqueólogos que ainda não conseguiram determinar de quando datam, nem para que foram construídas ou que fim tiveram. Estas estruturas de …

Propulsor elétrico da NASA bate recordes e pode levar-nos a Marte

Um propulsor que está a ser desenvolvido para uma futura missão da NASA para Marte quebrou vários recordes durante os testes, sugerindo que a tecnologia está no caminho para levar os humanos ao planeta vermelho …

Marcelo dá "última oportunidade" a Costa (com peso na consciência e no mandato)

Naquele que já foi considerado o discurso mais duro do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa ameaçou "usar todos os poderes" contra a "fragilidade do Estado". Em Oliveira do Hospital, local que escolheu para …