Descoberta do nome de Alá em artefactos vikings intriga cientistas

Annika Larsson / Uppsala University

Bandolete bordada com os nomes de Alá e Ali encontrada em sepultura viking

Arqueólogos suecos anunciaram ter encontrado de caracteres árabes em mantas mortuárias encontradas em cerimónias funerárias vikings. A descoberta pode levar a novas informações sobre a influência do Islão na Escandinávia.

Não é a primeira vez que surgem indícios de que os mundos dos vikings e dos muçulmanos se cruzaram na história da humanidade.

Segundo um estudo apresentado em 2015, um anel encontrado no século 19, durante escavações no sítio arqueológico de Birka, na Suécia, pode ser a prova de que terá havido contacto entre os Vikings e a civilização Islâmica.

Mas uma nova descoberta, após uma análise de tecidos encontrados em túmulos dos séculos IX e X, vem agora revelar detalhes excitantes sobre o contacto entre os mundos viking e muçulmano – entre os quais se destacam os bordados em prata e seda com as palavras “Alá” e “Ali”.

Segundo os autores da descoberta, realizada por investigadores da Universidade de Uppsala, os fragmentos estavam curiosamente esquecidos há mais de 100 anos num arquivo da universidade sueca, classificados como material genérico.

Padrões diferentes

A nova descoberta foi feita pela arqueóloga Annika Larsson, da Universidade de Uppsala. A investigadora, especializada em tecidos, ficou intrigada ao constatar que as amostras, recuperadas em escavações ao longo dos últimos dois séculos, tinham origem na Ásia Central, Pérsia e China.

Larsson explica que os padrões geométricos encontrados nos tecidos eram diferentes de tudo o que tinha visto na Escandinávia. “Lembrei-me de que tinha visto este tipo de desenhos em tecidos da época da ocupação árabe da Península Ibérica“, conta a arqueóloga ao site científico sueco Forskning.

A arqueóloga percebeu então que estava a analisar caracteres de uma forma arcaica de escrita árabe, a kufic. Duas palavras apareciam com frequência. Com a ajuda de um colega iraniano, Larsson identificou uma das palavras como “Ali”, o nome do quarto califa do Império Islâmico, que viveu no século VII.

A outra deu mais trabalho. Foi como resolver um quebra-cabeças: depois de ampliar as letras e examiná-las em diversos ângulos, a especialista descobriu que se tratava de um mosaico formado pelo nome “Alá” – Deus, em árabe.

Larsson encontrou as duas palavras em pelo menos dez dos mais de cem fragmentos que analisou – e sempre  juntas. “O nome Ali é repetido várias vezes ao lado de Alá“, explica. Ali era primo de Maomé – e seu genro, pois casou-se com Fátima, uma das suas filhas, e tornou-se o quarto líder da comunidade depois da morte do profeta.

“O uso de Ali sugere uma conexão xiita”, diz Amir De Martino, especialista do Islamic College, universidade de estudos islâmicos com base em Londres. Os nomes de Alá e Ali aparecem frequentemente em padrões enigmáticos no interior de túmulos e livros de ramos xiitas como os alevis e bektashis, mas sempre acompanhados do nome Maomé.

Quem estava nas sepulturas

A descoberta lança também perguntas sobre os ocupantes das sepulturas. “Não podemos descartar que as pessoas enterradas fossem muçulmanas. Análises de DNA em outras escavações de túmulos vikings revelaram que os seus ocupantes eram originários de locais distantes, como a Pérsia, em que o Islão já era dominante.”

No entanto, a arqueóloga acredita que o mais provável é que a descoberta mostre a influência de ideias islâmicas em rituais fúnebres vikings – noções, por exemplo, de vida eterna no paraíso após a morte.

Em estudos anteriores, Larsson identificou a presença generalizada de tecidos em seda em sepulturas escandinavas do tempo dos vikings. “E segundo diz o Corão, curiosamente, os habitantes do paraíso vestem-se de seda“, nota a arqueóloga.

Larsson acredita que a sua descoberta oferece possibilidades promissoras. “Agora que podemos examinar padrões vikings de forma diferente, estou convencida de que encontraremos mais inscrições islâmicas em outros tecidos – e talvez até em diferentes artefactos”.

A equipa da arqueóloga está agora a tentar, com o apoio do Departamento de Genética da universidade, estabelecer as origens geográficas dos corpos envoltos nos tecidos.

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. O nome Allah é o do Todo Poderoso, independentemente da religião o nome é o mesmo, o problema é que a leitura dos livros, como o Corão, a Bíblia e outros são adaptados a uma religião o que não está correto, pois os livros não estão conectados a nenhuma religião quem tratou dessa parte foi o ser humano, pois se toda a gente ler esses livros esquecendo a interpretação que os Muçulmanos os Cristãos entre outros lhe dão, vão chegar à conclusão que afinal o que entenderam não é bem o que estavam habituados a ouvir. Se a isto tudo, somarmos o fato de esses livros já são cópias das cópias, provavelmente já têm muitas diferenças dos originais.

  2. É sem dúvida uma descoberta surpreendente.

    ALLAH é uma Palavra Árabe, e quer dizer, DEUS.

    Já quanto à Palavra “Ali”, penso que esta palavra não se refere ao Nobre Imã Ali, genro e sucessor espiritual do Profeta Maomé (que a paz esteja com ambos).

    No idioma Árabe, a Palavra árabe, “Ali”, escrita exatamente da mesma maneira, lê-se “ALIYYU”. Já “ALIYYU” é um dos Nomes de DEUS e significa “O ALTÍSSIMO”.
    “ALIYYU” também se pode ler de forma resumida, sendo que neste caso, pode-se ler “ALI”.
    “ALI” também é um Nome de DEUS significando “O ALTO”.

    Portanto, é extremamente duvidoso que a palavra “Ali” aqui encontrada se refira ao Nobre Genro de Maomé.

    Sendo o Islão a mais Monoteísta de todas as Religiões Monoteístas, é inconcebível colocar um nome de uma Criatura de DEUS ao lado do nome de DEUS da forma como foi encontrada na Suécia.

    Por isso com toda a certeza, ambas as palavras encontradas constituem dois nomes de DEUS, sendo que pode-se ler,
    “DEUS, O ALTÍSSIMO” e/ou “DEUS, O ALTO”.

    Isto é uma particularidade das línguas semiticas como o Árabe e o Hebraico.
    No Hebraico, a palavra “ELOHIM”, dependendo do contexto, pode-se referir a DEUS, a um Anjo em geral ou a um Juiz.

    Termino dizendo que a descoberta feita, embora surpreendente, não é única.
    Se o leitor fizer uma pesquisa profunda irá encontrar palavras Árabes datadas dos Séculos IX e X encontradas na América do Norte.

    Tudo isto irá mudar definitivamente a forma como a História se refere à Grandiosa Civilização Muçulmana.

  3. Até os Belgas (flamengos) dizem alá. Aqui significa pois pois e os Portugeses dizem alí, que significa o oposto de aquí.

    Os muçulmanos tem saudades da civilização que eram. Mas não sabem que foi uma civilização humanista. Nem conseguem encontrar o caminho que os pode tirar da escuridão, pois o petroleo lhes impede ver com clareza. Até certa forma tenho muito mais respeito pelo povo Roma. Mas as duas tem em comum uma cegueira egocentrista que as tornam patéticas nos tempos de hoje

RESPONDER

FC Pingzau: O clube que sonha com a Champions e que também pode ser seu por 500 euros

Deter parte de um clube com aspirações à Liga dos Campeões é possível e já pode fazê-lo por apenas 500 euros.O FC Pingzau é o clube austríaco detido por adeptos com o objetivo de chegar …

Uma pitada de poeira de rocha pode ajudar a evitar alterações climáticas catastróficas

O uso de poeira de rocha na agricultura traz não só vantagens para a colheita, mas também para o ambiente. Esta técnica permite uma remoção eficiente do dióxido de carbono. Espalhar poeira de rocha nos terrenos …

ANA avança com plano de "saídas voluntárias"

A ANA, gestora dos aeroportos nacionais, vai avançar com "um plano de saídas voluntárias", no âmbito do redimensionamento das equipas. A ANA - Aeroportos de Portugal, gestora dos aeroportos nacionais, vai avançar com “um plano de …

Cientistas detetaram estranhos objetos astronómicos circulares (e não fazem ideia do que são)

Recorrendo a telescópios, uma equipa de astrofísicos detetou quatro estranhos objetos astronómicos. Foram encontrados nos comprimentos de onda de rádio e são circulares e mais brilhantes do que as suas bordas. Estes estranhos e inesperados …

Especialista alerta sobre possíveis vírus extraterrestres que podem chegar à Terra em futuras missões

O cientista e antigo colaborador da NASA Scott Hubbard alertou para a possível chegada de vírus extraterrestres à Terra em futuras missões espaciais, notando que o interesse pela exploração do Espaço tem aumentado. O antigo …

Covid-19. A morada e a cor da pele são um fator de risco no Brasil

Enquanto que na Europa a idade é um fator de risco da covid-19, no Brasil, o sítio onde moram e a cor da sua pele definem essa fronteira entre os que têm maior ou menor …

Lagos dos Estados Unidos estão a ficar cobertos de verde. Nem os mais remotos escapam

Vários lagos montanhosos dos Estados Unidos estão a tornar-se verdes devido ao crescimento de algas que prosperam por causa das alterações climáticas, concluiu um estudo conduzido por cientistas da Universidade do Colorado. De acordo com a …

No Algarve, metade dos casos de infeção resultaram de transmissão social

Um estudo apresentado na última reunião do Infarmed, em Lisboa, veio estabelecer uma relação entre a propagação do vírus no Algarve e o fator social. De acordo com o estudo, apresentado na última reunião do Infarmed, …

Numa operação inédita de 18 horas, gémeas siamesas unidas pelo crânio foram separadas com sucesso

Ervina e Prefina, com 2 anos, nasceram com os crânios unidos, uma das formas mais raras e complexas de fusão craniana e cerebral conhecidas como "craniófago total posterior". Agora, médicos em Itália conseguiram separá-las numa operação …

Família de Pablo Escobar está a processar um rapper norte-americano. Exige-lhe 10 milhões

A família Pablo Escobar, morto em dezembro de 1993 na Colômbia, está a processar o rapper norte-americano Tauheed Heakeen Epps, mais conhecido como 2 Chainz, por usar o nome do narcotraficante num negócio. De acordo com …