“Tácticas da máfia”. Deputados conservadores acusam Boris Johnson de chantagear os opositores internos

Andy Rain / EPA

Vários deputados denunciam a chantagem de quem têm sido alvo por quererem o afastamento de Boris da liderança dos Conservadores, incluindo ameaças de que o financiamento público para os seus círculos eleitorais será cortado. O Governo já negou as acusações.

Um deputado Conservador e Presidente da Comissão Parlamentar de Administração Pública e Assuntos Constitucionais da Câmara dos Comuns partiu para o ataque contra Boris Johnson.

William Wragg acusou nesta quinta-feira o Governo de chantagear os opositores internos que defendem que Boris seja alvo de uma moção de censura e que sejam convocadas novas eleições para a liderança do partido.

As críticas contra o executivo têm subido de tom no âmbito das revelações de todas as festas que decorreram em Downing Street que violavam as restrições em vigor e das contradições de Boris nas respostas que tem dado à polémica.

O primeiro-ministro continua a apelar a que se espere pelo relatório de Sue Gray, uma funcionária pública especializada em ética parlamentar, antes de se tomar qualquer decisão, mas vários Conservadores querem a sua demissão imediata.

“Nos últimos dias, vários membros do Parlamento enfrentaram pressões, intimidações e bullying ​de membros do Governo devido ao seu desejo, declarado ou assumido, por uma votação de confiança à liderança do partido”, denunciou o deputado durante uma reunião da Comissão.

Segundo as regras, se 54 deputados Conservadores (15% da representação parlamentar) remeterem uma carta com uma moção de censura ao presidente do 1922 Committee, Graham Brady, a exigir uma nova votação para a liderança, esta será marcada e Johnson será afastado.

O número de deputados que já terá submetido esta carta é desconhecido, mas Wragg é um dos poucos que pediu publicamente o afastamento de Boris. O deputado diz que já recebeu denúncias de que os membros da equipa do primeiro-ministro estão a encorajar a publicação de notícias que tenham como alvo os seus opositores.

“A intimidação de um membro do Parlamento é um assunto grave. As informações de que tenho conhecimento parecem constituir chantagem. O meu conselho genérico, para os colegas, é que reportem estas questões ao presidente da Câmara dos Comuns e ao comissário da Polícia Metropolitana”, apelou.

Wragg acusou também o Governo de ameaçar cortar o financiamento público nos círculos eleitorais representados pelos opositores de Johnson — mesmo daqueles que pertencem à red wall historicamente controlada pelos Trabalhistas e que estejam em risco de ser perdidos para a oposição.

Estas alegações foram apoiadas por Christian Wakeford, o deputado que anunciou na quarta-feira que ia sair dos Conservadores para se juntar aos Trabalhistas, que representa o círculo de Bury South localizado na red wall.

 

“Fui ameaçado de não poder dar uma escola a Radcliffe se não votasse de determinada maneira. Esta localidade não tem uma escola secundária há quase 10 anos. Foi aí que comecei realmente a questionar o lugar onde me encontrava e que, em última instância, me trouxe até onde estou agora”, denunciou.

Andrew Bridgen, outro opositor de Boris, também deu o exemplo da notícia de que teria recebido 5 mil libras de uma empresa de madeiras dada pelo The Times, meros meses depois de ter pressionado o Governo para que este sector recebesse benefícios fiscais. Bridgen negou a acusação e diz que a notícia foi plantada.

Governo nega as acusações

A oposição já foi reagindo às alegações de Wragg, com o deputado Liberal-Democrata Alistair Carmichaela dizer que “nunca ouviu” nada que se assemelhasse a este tipo de comportamento no parlamento e que estas são “tácticas da máfia“.

Já a vice-líder dos Trabalhistas Angela Rayner considera as acusações do deputado “chocantes”. “Isto precisa de ser investigado detalhadamente“, apelou.

Nicola Sturgeon, a líder do partido independentista da Escócia, também deixou palavras duras ao Governo. “Sejamos claros: se os tories estão a ameaçar reter investimento público nos círculos eleitorais como forma de manter os deputados em linha, então, sim, trata-se de chantagem e de intimidação. Mas também se trata de corrupção”, acusou.

“A decadência moral que está no coração do Governo de Johnson pode ser ainda pior do que aquilo que achávamos”, criticou.

Lindsay Hoyle, Presidente da Câmara dos Comuns, respondeu ao que considera “alegações sérias” que devem ser investigadas pela polícia, alertando que qualquer tentativa de intimidação aos deputados é uma “obstrução” ao seu trabalho.

“Aqueles que trabalham para eles [os deputados] não estão acima da lei penal. A investigação a alegadas condutas criminosas é matéria para a polícia. Seria errado, da minha parte, interferir em tais assuntos”, afirmou Hoyle, que pediu aos deputados com dúvidas que lhe escrevessem.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Entretanto, Boris Johnson já respondeu às alegações, garantindo que não tinha conhecimento das “acusações graves” feitas por Wragg. “Não vi provas que suportem qualquer uma dessas alegações. Aquilo em que estou focado é no que estamos a fazer para lidar com a prioridade número um da população britânica, que é ultrapassar a covid”, rematou o primeiro-ministro.

  Adriana Peixoto, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE