Depois das abelhas, o turno das traças polinizadoras

Envato Elements

As abelhas não são os únicos insetos a polinizar o trevo vermelho. Novas pesquisas sugerem que as traças fazem cerca de um terço das visitas de flores após o anoitecer.

Os resultados, detalhados nas Cartas de Biologia de Julho, são uma surpresa, uma vez que quase todo o crédito pela polinização do trevo vermelho foi para as abelhas.

A pesquisa, publicada no The Royal Society em julho deste ano, destaca que os investigadores podem estar em falta durante o turno da noite na polinização.

Segundo o estudo, há um benefício anteriormente desconhecido que a polinização das traças confere ao trevo — um impulso na produção de sementes.

Este trabalho pode ajudar a aprofundar a compreensão dos cientistas sobre os serviços de polinização prestados pelas borboletas noturnas, diz Daichi Funamoto, biólogo de polinização da Universidade de Tóquio que não esteve envolvido no estudo.

De acordo com a Science News, durante cerca de um século, a compreensão geral da polinização do trevo tem sido que as abelhas — e só as abelhas — são os principais insetívoros.

O trevo é uma “planta agrícola valiosa e tem sido alvo de muitos estudos”, diz Jamie Alison, ecologista polinizador da Universidade de Aarhus, na Dinamarca. “No entanto, nenhum desses estudos disse nada sobre a possibilidade de polinização da traça”.

Alison e os colegas descobriram o papel das traças na polinização enquanto estudavam como as plantas e os seus polinizadores de insetos reagem às alterações climáticas, movendo-se potencialmente para cima.

Para seguir as visitas dos polinizadores às plantas das pradarias, a equipa montou 15 câmaras de timelapse nos Alpes suíços.

De junho a agosto de 2021, as câmaras monitorizaram 36 flores de trevo vermelho (Trifolium pratense), uma importante cultura utilizada como forragem para o gado. Tais câmaras são muito úteis para a monitorização de sítios de difícil acesso diário, diz Alison.

Nove das câmaras tiraram imagens em parte da tarde e novamente à noite, enquanto seis delas captaram continuamente fotografias a cada cinco minutos.

“Não é possível ter alguém de pé durante 24 horas e registar consistentemente o que está a visitar uma flor”, diz Alison. “Felizmente, é possível fazer isso com câmaras fotográficas”.

O método também permitiu que Alison e os colegas investigassem os visitantes noturnos. No total, a equipa recolheu mais de 164,000 fotografias de flores de trevo vermelho, com 44 destas imagens a captar visitas de insetos polinizadores.

A maior parte destes insetos à procura de pólen — cerca de 61% — eram abelhas. Mas uma proporção substancial — 34% — eram traças noturnas, na sua maioria Noctua pronuba, a fazer a visita nas primeiras horas da manhã. As borboletas e uma espécie de abelha arredondaram os outros 5% das visitas.

As traças são conhecidas como polinizadores habituais de muitas outras plantas, mas o seu papel na polinização do trevo parece ter sido negligenciado, diz Alison. Os investigadores também estudaram quantas sementes o trevo floresceu, descobrindo assim que as visitas noturnas das traças contribuíram para a produção de sementes.

É evidente que “o papel das traças noturnas como polinizadores das flores tem sido largamente negligenciado”, diz Funamoto. “Penso que estudos futuros irão revelar muitas espécies de plantas que se pensa dependerem da polinização por insetos diurnos são de facto polinizadas por borboletas noturnas, em certa medida”.

Alison e a sua equipa procuram agora replicar as suas observações em diferentes latitudes na Europa para confirmar que as borboletas Noctua pronuba polinizam o trevo vermelho noutros locais.

Os investigadores também gostariam de equipar as câmaras com programas de inteligência artificial treinados para identificar e categorizar rapidamente o tipo de polinizador que faz uma visita.

O futuro não são apenas câmaras“, diz Alison, “mas as câmaras devem ser uma grande parte”.

  ZAP// //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.