Crise dos refugiados: Barcelona inaugura “mostrador da vergonha”

A cidade espanhola inaugurou esta quinta-feira um grande mostrador digital que vai exibir o número de refugiados que morrem a tentar atravessar o Mediterrâneo, colocado próximo de uma das suas praias populares.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Estamos a inaugurar este mostrador da vergonha, que vai atualizar em tempo real (o número de) todas as vítimas conhecidas que se afogaram no Mediterrâneo”, disse a presidente da autarquia, Ada Colau.

O monumento consiste num largo pilar retangular que inclui um contador digital, que vai ter a inscrição “Isto não é só um número. São pessoas”.

O contador começa com o número 3.034 – a quantidade de refugiados e migrantes que já morreram a tentar atravessar o Mediterrâneo em 2016, segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

“Estamos aqui a olhar para o Mediterrâneo na cara e a ver este número – 3.034 pessoas que se afogaram porque não conseguiram uma travessia segura”, disse Colau.

O número de vítimas mortais desde o início do ano já supera o do mesmo período do ano passado, avançou a OIM esta semana.

Uma razão para o elevado número de mortes este ano é a existência de uma série de naufrágios, envolvendo navios com capacidade de transporte de várias centenas de pessoas, em vez das habituais embarcações mais pequenas, que podem transportar um máximo de 100 pessoas.

Os refugiados sírios constituem o maior grupo dos que arriscaram e perderam as vidas na perigosa travessia desde o início do ano, seguidos por afegãos e iraquianos.

/Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.