A crise económica de 2008 afetou a mortalidade na Europa (e não como era esperado)

Andy Rain / Epa

Os países mais ricos têm, por norma, expetativas de vida mais longas. Supostamente, nesses locais, as taxas de mortalidade deviam subir quando a economia vai mal, contudo, nem sempre é isso que acontece. Durante a crise económica de 2008, revela um estudo recente, o número de mortes diminuiu.

Um estudo que analisou 15 países europeus, nos períodos antes, durante e depois da crise económica global de 2008, referido na segunda-feira pelo IFL Science, mostrou que, quanto pior a economia de determinado país, menos pessoas morreram, embora ainda não se saibam as razões concretas para tal.

“O dinheiro nem sempre pode comprar saúde, mas, a nível individual, o poder económico alto está associado a vidas mais longas. A riqueza paga por melhores cuidados de saúde, dietas mais nutritivas e uma casa num bairro com melhores condições”, lê-se no artigo.

Corroborando o resultado acima referido, o investigador Joan Ballester, do Instituto de Saúde Global de Barcelona, ​​relata, num artigo publicado a 08 de fevereiro na Nature Communications, que “as recessões são geralmente associadas a um aumento mais rápido da expetativa de vida”.

Embora muito contestada, essa afirmação é apoiada noutros estudos. O investigador analisou as taxas de mortalidade entre 2000 e 2010, em 140 regiões europeias, algumas das quais eliminaram facilmente a crise económica de 2008 – que teve início nos Estados Unidos (EUA) – e outras que “sofreram muito”.

De acordo com os resultados da pesquisa, as taxas de mortalidade caíram na Europa durante o período em causa, tanto “nos bons e nos maus momentos”. Contudo, Joan Ballester encontrou as maiores quedas imediatamente após a crise, quando o desemprego disparou e os salários estagnaram.

As conclusões mostram igualmente que quanto mais atingida foi a região, maior o declínio nas taxas de mortalidade. A taxa de mortalidade aumentou 1% ao ano em Espanha, enquanto que, na Alemanha, onde a mesma era decrescente, parou de diminuir nessa década. O efeito foi mais forte no inverno.

Foram algumas as teorias apresentadas por outros investigadores para explicar os resultados verificados em recessões anteriores. Um desses estudos, referido por Joan Ballester, indica que, nos Estados Unidos (EUA), um aumento de um ponto percentual no desemprego está associado a uma redução na mortalidade de tráfego de 3% ou de 2.1% nos países da OCDE.

As recessões estão também associadas à redução da poluição, continua o artigo do IFL Science. No entanto, como a maior parte dos danos causados ​​pela poluição à saúde é de longo prazo, não fica claro o quanto esse fator contribui para uma queda imediata das mortes. O mesmo se aplica às reduzidas recessões de consumo de tabaco e álcool.

Segundo o site, uma explicação alternativa é que as pessoas que trabalham em horários reduzidos podem usar o tempo livre para fazer mais exercícios.

“É claro que as recessões não são uma maneira desejável de aumentar a expetativa de vida”, observou Joan Ballester num comunicado. A longo prazo, a atividade económica reduzida é provavelmente prejudicial. “Precisamos garantir que os períodos de expansão económica sejam também caraterizados por uma melhor qualidade do ar, menos acidentes e estilos de vida mais saudáveis”, acrescentou.

Taísa Pagno Taísa Pagno, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Trabalho ilegal. Bloco propõe alteração à lei para criminalizar "toda a cadeia"

Catarina Martins anunciou, esta segunda-feira, que o Bloco de Esquerda quer alterar a lei de 2016 para garantir uma melhor fiscalização e condenação dos responsáveis pela exploração de trabalhadores em Portugal. Em Odemira, a coordenadora do …

Laos regista primeira morte por covid-19 desde o início da pandemia

Uma mulher de 53 anos - que tinha diabetes e outros problemas de saúde - foi a primeira vítima mortal por covid-19 em Laos, em mais de um ano de pandemia. Segundo noticiou a agência …

Arábia Saudita vai impor vacinação aos funcionários que queiram voltar ao local de trabalho

A Arábia Saudita quer alcançar a imunidade de grupo o quanto antes. Para aumentar os esforços de vacinação, foram abertos mais de 580 locais de vacinação no país. Além disso, os residentes já podem reservar …

Elon Musk revela que tem síndrome de Asperger

O empresário Elon Musk, de 49 anos, revelou este fim de semana, no Saturday Night Live (SNL), que tem síndrome de Asperger. Musk foi convidado para apresentar o Saturday Night Live - um papel cobiçado que …

Poeta birmanês terá morrido após ser torturado por militares. Aung San Suu Kyi comparece em tribunal

O poeta birmanês Khet Thi, conhecido pelo trabalho que incita à resistência contra a Junta Militar, morreu este fim de semana, enquanto estava detido. O seu corpo foi devolvido com os órgãos removidos. Segundo a esposa …

China injeta capitais para obter projeção mediática global, revela relatório

O Governo chinês tem tentado obter projeção mediática em órgãos de comunicação social de todo o mundo através da injeção de capitais, de acordo com um relatório da Federação Internacional de Jornalistas, que será divulgado …

Superliga. Juventus arrisca ser excluída da Serie A na próxima época

Se a Juventus continuar ainda a fazer parte da Superliga europeia no arranque da próxima temporada, não poderá competir na Serie A. A Juventus, clube no qual atua o português Cristiano Ronaldo, arrisca ser excluída do …

"Mataram Ihor Homeniuk", mas crime de homicídio cai. Inspetores do SEF condenados a 7 e 9 anos de prisão

Esta segunda-feira, o Tribunal Criminal de Lisboa condenou os inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) Luís Silva e Duarte Laja a nove anos de prisão e um terceiro elemento, Bruno Sousa, a sete …

Reino Unido desce nível de alerta. Governo espanhol apela à "responsabilidade"

No Reino Unido, quatro diretores gerais de Saúde defendem que o grau de alerta para a pandemia deve passar do nível 4 para o 3. Em Espanha, depois de as medidas restritivas terem sido aliviadas …

Primo da rainha Isabel II terá usado "estatuto real" para vender acesso ao Kremlin

Uma investigação do Sunday Times e Channel 4 revelou que o príncipe Michael de Kent estaria disposto a usar o seu estatuto real para lucro pessoal e fornecer acesso ao regime do presidente russo Vladimir …