A crise económica de 2008 afetou a mortalidade na Europa (e não como era esperado)

Andy Rain / Epa

Os países mais ricos têm, por norma, expetativas de vida mais longas. Supostamente, nesses locais, as taxas de mortalidade deviam subir quando a economia vai mal, contudo, nem sempre é isso que acontece. Durante a crise económica de 2008, revela um estudo recente, o número de mortes diminuiu.

Um estudo que analisou 15 países europeus, nos períodos antes, durante e depois da crise económica global de 2008, referido na segunda-feira pelo IFL Science, mostrou que, quanto pior a economia de determinado país, menos pessoas morreram, embora ainda não se saibam as razões concretas para tal.

“O dinheiro nem sempre pode comprar saúde, mas, a nível individual, o poder económico alto está associado a vidas mais longas. A riqueza paga por melhores cuidados de saúde, dietas mais nutritivas e uma casa num bairro com melhores condições”, lê-se no artigo.

Corroborando o resultado acima referido, o investigador Joan Ballester, do Instituto de Saúde Global de Barcelona, ​​relata, num artigo publicado a 08 de fevereiro na Nature Communications, que “as recessões são geralmente associadas a um aumento mais rápido da expetativa de vida”.

Embora muito contestada, essa afirmação é apoiada noutros estudos. O investigador analisou as taxas de mortalidade entre 2000 e 2010, em 140 regiões europeias, algumas das quais eliminaram facilmente a crise económica de 2008 – que teve início nos Estados Unidos (EUA) – e outras que “sofreram muito”.

De acordo com os resultados da pesquisa, as taxas de mortalidade caíram na Europa durante o período em causa, tanto “nos bons e nos maus momentos”. Contudo, Joan Ballester encontrou as maiores quedas imediatamente após a crise, quando o desemprego disparou e os salários estagnaram.

As conclusões mostram igualmente que quanto mais atingida foi a região, maior o declínio nas taxas de mortalidade. A taxa de mortalidade aumentou 1% ao ano em Espanha, enquanto que, na Alemanha, onde a mesma era decrescente, parou de diminuir nessa década. O efeito foi mais forte no inverno.

Foram algumas as teorias apresentadas por outros investigadores para explicar os resultados verificados em recessões anteriores. Um desses estudos, referido por Joan Ballester, indica que, nos Estados Unidos (EUA), um aumento de um ponto percentual no desemprego está associado a uma redução na mortalidade de tráfego de 3% ou de 2.1% nos países da OCDE.

As recessões estão também associadas à redução da poluição, continua o artigo do IFL Science. No entanto, como a maior parte dos danos causados ​​pela poluição à saúde é de longo prazo, não fica claro o quanto esse fator contribui para uma queda imediata das mortes. O mesmo se aplica às reduzidas recessões de consumo de tabaco e álcool.

Segundo o site, uma explicação alternativa é que as pessoas que trabalham em horários reduzidos podem usar o tempo livre para fazer mais exercícios.

“É claro que as recessões não são uma maneira desejável de aumentar a expetativa de vida”, observou Joan Ballester num comunicado. A longo prazo, a atividade económica reduzida é provavelmente prejudicial. “Precisamos garantir que os períodos de expansão económica sejam também caraterizados por uma melhor qualidade do ar, menos acidentes e estilos de vida mais saudáveis”, acrescentou.

Taísa Pagno, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Vaticano destitui ex-cardeal dos Estados Unidos por acusações de abusos sexuais

A Congregação para a Doutrina da Fé expulsou do sacerdócio o ex-cardeal e arcebispo emérito de Washington Theodore McCarrick depois de este ser acusado de abusos sexuais de menores e seminaristas, anunciou o Vaticano. Num comunicado, …

Maré de água suja atingiu a já debilitada Grande Barreira de Coral

Um enorme manto de água poluída oriunda das recentes inundações que se registaram no nordeste da Austrália penetrou em partes da já debilitada Grande Barreira de Coral, o maior recife de coral do mundo. Estas camadas …

É oficial: Pedro Marques é o cabeça-de-lista socialista às europeias

O atual ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, é o cabeça de lista dos socialistas às eleições europeias. Era uma notícia já avançada por vários órgãos de comunicação social e hoje António Costa confirmou-a. …

Governo espanhol aprova ordem de exumação de Franco

O Governo espanhol aprovou a ordem para exumar o ditador Francisco Franco do seu atual lugar de enterro, o monumento do Vale dos Caídos, medida à qual a família ainda se opõe. Os familiares de Franco …

Sonda da NASA aperta órbita em preparação para a missão Marte 2020

A missão MAVEN (Mars Atmosphere and Volatile Evolution) da agência espacial norte-americana, já com 4 anos, está a embarcar numa nova campanha para apertar a sua órbita em torno de Marte. A operação vai reduzir …

Trump precisa de oito milhões de dólares para o muro e a Casa Branca explica onde os vai buscar

A Casa Branca identificou esta sexta-feira os fundos federais que serão utilizados pela administração de Donald Trump para conseguir financiar a construção do muro na fronteira com o México. O Presidente norte-americano declarou esta sexta-feira estado …

Desativação de bomba da II Guerra Mundial paralisa e evacua Paris

Mais de mil moradores e trabalhadores evacuados, comboios urbanos, nacionais e internacionais cancelados, estradas fechadas, rotas de autocarro desviadas e pelo menos uma estação de metro encerrada em Paris. Também o bairro de porte de La …

Pouco se sabe sobre a morte de Khashoggi. Mas há um homem que diz ter muito para contar

Neste momento, as informações aparecem a conta-gotas. Foi a estratégia usada pelas autoridades turcas, desde o primeiro momento, para gerir a forma como revelaram informações sobre o assassinato de Jamal Khashoggi. Khashoggi morreu dentro do consulado …

Enfermeiros marcam greve nacional para 8 de março

A Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) vai decretar greve nacional para dia 8 de março, para permitir a participação dos profissionais numa marcha em homenagem à enfermagem que está programada para Lisboa. O anúncio foi …

Octogenário espanhol usava bancos portugueses para lavar dinheiro

Duas agências bancárias situadas no Porto e em Valença do Minho foram usadas por um narcotraficante espanhol para lavar o dinheiro que ganhava com a venda de estupefacientes e ainda no contrabando de tabaco. Uma investigação …