/

Crianças Inca sacrificadas eram colocadas em vulcões para serem atingidas por relâmpagos

Crianças Inca que eram sacrificadas eram colocadas propositadamente em locais onde teriam uma hipótese alta de serem atingidas por um relâmpago – como os vulcões.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Investigadores examinaram os restos mortais de seis crianças encontradas em dois vulcões no Peru – Ampato e Pitchu Pitchu – para tentar perceber de que Império eram originárias. As crianças foram colocadas em plataformas de pedra especiais para sacrifício em áreas conhecidas por serem expostas a raios, de acordo com o Science in Poland (PAP), um site administrado pelo Ministério da Ciência e Ensino Superior do país.

Acredita-se que as plataformas tenham sido atingidas repetidamente por raios, o que explica porque é que alguns dos restos mortais – incluindo roupas e tecidos moles – não ficaram preservados, assim como outras vítimas de sacrifício inca.

“Segundo os incas, uma pessoa atingida por um raio recebe uma grande honra – um deus manifestou interesse nessa pessoa”, explicou Socha, do Centro de Estudos Andinos da Universidade de Varsóvia, ao site polaco.

Na época em que esses sacrifícios aconteciam, há cerca de 500 ano, os incas acreditavam que as crianças mortas se tornariam intermediárias entre humanos e deuses. “Os incas consideravam as crianças puras e intocadas. O seu status deveria facilitar a persuasão dos deuses para tomar decisões específicas”, disse Socha.

O sacrifício de crianças no Império Inca foi realizado como parte do ritual “capacocha”. As crianças eram escolhidas porque eram consideradas as mais puras da sociedade, portanto, as melhores pessoas para oferecer aos deuses. Estudos anteriores sugerem, de acordo com o Newsweek, que as vítimas eram escolhidas com muitos anos de antecedência – amostras de cabelo das vítimas indicaram que eram “engordadas” durante vários anos antes da sua morte.

Três múmias encontradas no sítio arqueológico mais alto do mundo – o Monte Llullaillaco, na fronteira da Argentina e do Chile – forneceram informações consideráveis ​​sobre a vida das vítimas incas de sacrifícios de crianças. As múmias, encontradas num santuário próximo ao cume da montanha, são algumas das mais bem preservadas do mundo – o que significa que os cientistas são capazes de reconstruir as suas vidas com detalhes sem precedentes.

(CC0/PD) DasWortgewand / pixabay

Segundo os Incas, uma pessoa atingida por um raio recebe uma grande honra

A análise isotópica das suas amostras de cabelo mostrou como, nos meses e semanas antes da sua morte, as crianças foram drogadas com álcool e coca, da qual a cocaína é derivada. Os investigadores acreditam que isso pode ter ajudado a sedar as vítimas antes das suas mortes. Uma das múmias, conhecida como Llullaillaco Maiden, foi encontrada com um pedaço de folhas de coca na boca.

Não se sabe exatamente como é que as crianças eram escolhidas. Foi sugerido, contudo, que podem ter vindo de diferentes partes do império como uma forma de conectar comunidades.

A investigação de Socha e da equipa parece apoiar essa ideia. Um crânio examinado – que pertencia a uma menina – foi alongado artificialmente – uma prática usada nas planícies, longe de onde os seus restos foram encontrados. A análise dos seus dentes também mostrou que sofreu de fome por volta dos três anos de idade.

“Suponho que foi então que a garota foi tirada dos pais e levada para Cuzco, capital do império inca, onde a garota esteve a ser preparada durante três anos para ser sacrificada no topo do vulcão”, disse Socha à PAP.

A equipa planeia estudar mais amostras de dentes para que possam determinar a sua dieta e local de origem, o que deve ajudara saber mais sobre o sacrifício de crianças inca.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.