Aos 4 anos, as crianças já consideram os homens mais poderosos do que as mulheres

Aos quatro anos, as crianças já associam poder e masculinidade, mesmo em países considerados igualitários, como a Noruega.

Cientistas franceses, suíços e noruegueses colaboraram num estudo, publicado no dia 7 de janeiro na revista científica Sex Roles, e chegaram à conclusão que aos quatro anos as crianças já são capazes de associar poder com masculinidade. Além disso, a investigação mostrou que, em algumas situações, esta associação não se manifesta em meninas.

Os investigadores estavam interessados em descobrir se crianças, com idades compreendidas entre três e seis anos, e naturais de três países muito distintos (França, Líbano e Noruega), atribuem mais poder às figuras masculinas do que às femininas.

Para isso, levaram a cabo uma primeira experiência na qual mostraram às crianças uma fotografia com dois indivíduos sem género. Na imagem, um dos indivíduos assumia uma postura física dominante, enquanto que o outro apresentada uma postura subordinada.

Num primeiro momento, os participantes tiveram de adivinhar qual dos dois indivíduos exercia poder sobre o outro. Depois, tiveram de atribuir um género a cada indivíduo.

Os resultados revelam que, a partir dos quatro anos, a grande maioria das crianças considera que o indivíduo dominante é do sexo masculino. A associação poder-masculinidade foi observada em meninos e meninas, independentemente do país de origem. Ainda assim, a associação não foi significativa em crianças de 3 anos.

Segundo o Phys.org, a equipa de cientistas decidiu realizar uma segunda experiência. Desta vez, as crianças francesas de quatro e cinco anos tiveram que se imaginar na fotografia e decidir se a outra pessoa seria do sexo masculino ou feminino.

Quando as crianças tiveram de considerar a sua própria relação de poder com uma pessoa do mesmo sexo, tanto as meninas como os meninos identificaram-se com o caráter dominante.

Contudo, quando tiveram que considerar a sua relação de poder com uma pessoa do sexo oposto, os meninos identificaram-se mais frequentemente com o personagem dominante, enquanto que as meninas não se identificaram significativamente com nenhuma das personagens.

Por último, numa terceira experiência, as crianças libanesas e francesas, com quatro e cinco anos,observaram uma série de trocas entre duas personagens – uma que representava uma menina e a outra um menino. Neste grupo, a maioria das crianças do sexo masculino achava que a personagem que impunha as suas escolhas ou que tinha mais dinheiro era a personagem masculina.

Estes resultados são a prova de que as crianças têm sensibilidade precoce a uma hierarquia de género, embora em algumas situações as meninas não associem poder com masculinidade.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …