Colisões catastróficas podem explicar as diferenças nos grandes planetas rochosos

Colisões catastróficas podem explicar diferenças em planetas rochosos gigantes em torno de outras estrelas, de acordo com um novo estudo.

O estudo sugere que o calor gerado pelo material que colide num planeta desempenha um papel importante na remoção de toda ou parte da atmosfera do planeta. Uma ampla variedade de tamanhos para os asteroides mortais explicaria as diferenças observadas nos mundos rochosos mais maciços.

O telescópio espacial Kepler, da NASA, revelou um número surpreendente de mundos com tamanhos que se situam entre a Terra e Neptuno em órbitas relativamente curtas. Calculando as densidades dos planetas, os astrónomos perceberam que muitos deles parecem ter enormes atmosferas de hidrogénio-hélio.

No entanto, estas atmosferas apresentam variações, sugerindo que algo tenha acontecido nos mundos após a formação planetária.

“Grandes impactos são muito efetivos para reduzir ou remover o hidrogénio ou hélio”, afirmou John Biersteker, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, que estudou como os impactos dos destroços rochosos afetaram a atmosfera de planetas jovens.

Após o nascimento de uma estrela, o anel de poeira e gás libertado inicia o processo de formação planetária.

Quando a gravidade é impulsionada, juntamente com os pedaços para criar um núcleo, o recém-nascido planetesimal recolher hidrogénio e hélio a partir dos restos de gás, construindo uma atmosfera primordial.

Porém, os plantas que estiverem nas proximidades de estrelas podem sofrer com a radiação estelar, que causaria um aquecimento nas camadas gasosas, consequentemente escapando para o espaço e deixando a atmosfera mais fina.

Além disso, quando grandes objetos atingem os planetas, a colisão pode golpear a atmosfera do planeta para o espaço – uma colisão assim ajudou a criar a Lua da Terra.Este estudo mostra que não é preciso um grande núcleo para remover completamente a atmosfera de um planeta.

Para Biersteker, a energia criada pelo impacto foi mais importante do que a grande colisão, mostrando que um pequeno e rápido movimento do asteroide poderia tirar mais hidrogénio e hélio do que um objeto médio e mais lento. Além disso, o ângulo também pode afetar a energia do impacto.

Tendo em conta que cada impacto remove uma percentagem diferente da atmosfera, colisões podem criar uma grande variedade de densidades de exoplanetas. O material com apenas um décimo da massa de um planeta pode remover metade do hidrogénio e hélio – ou até tudo.

PARTILHAR

RESPONDER

"Solidariedade não é dar dinheiro." Holanda finca o pé e até critica Itália por "internar os mais velhos"

Há um novo braço-de-ferro na União Europeia (UE) entre os países do Norte e do Sul. Tudo por causa dos famigerados "coronabonds", instrumentos de dívida comum que países como Portugal, Espanha e Itália defendem para …

Vaga de doentes graves nas urgências poderá deixar SNS "inacessível"

Uma vaga de doentes graves às urgências, a juntar a cirurgias e consultas reagendadas, pode vir a deixar o SNS "inacessível" no futuro, alerta o presidente da Associação de Administradores Hospitalares. As idas à urgência nas …

CDS quer cheque de emergência para empresas encerradas

Uma das medidas, apresentadas por Francisco Rodrigues dos Santos, é a atribuição, às pequenas e médias empresas “encerradas ou com a actividade suspensa, um cheque de emergência no valor máximo de 15 mil euros”. O CDS …

Espanha regista 832 mortos nas últimas 24 horas. É o dia mais mortífero no país

A Espanha registou, nas últimas 24 horas, 832 mortos com o novo coronavírus, o maior número de vítimas mortais num só dia, elevando o balanço total para 5.690, de acordo com a última atualização das …

"O Brasil não pode parar". Bolsonaro compra campanha contra o isolamento social

Jair Bolsonaro gastou cerca de 800 mil euros numa campanha contra o isolamento social com o mote "O Brasil Não Pode Parar". O presidente brasileiro tem desvalorizado a pandemia de covid-19. Face à pandemia de covid-19, …

Crise leva Costa a reforçar intenções de voto. Ventura chega ao quarto lugar

Na mais recente sondagem às intenções de voto, os portugueses mostram estar de confiança reforçada em António Costa. O Chega ganha força e chega ao quarto lugar. Numa sondagem que apenas capta os primeiros dias do …

Descoberta criatura que pode ser o antepassado de quase todos os animais

Cientistas podem ter descoberto um dos primeiros ancestrais da árvore genealógica: uma criatura semelhante a um verme chamado Ikaria wariootia. Segundo a revista Newsweek, a minúscula criatura, parecida com um verme, é o exemplar mais antigo …

Bombardeamento israelita em Gaza em plena crise do novo coronavírus

O exército israelita bombardeou hoje postos do movimento radical Hamas em Gaza, em represália contra o disparo de um míssil, no primeiro confronto registado no enclave palestiniano em pleno surto do novo coronavírus, noticiou a …

Avião com material médico vindo da China chegou sem ventiladores e reagentes

O avião da Hi Fly que aterrou esta sexta-feira em Lisboa com material médico para ajudar Portugal a mitigar a pandemia de covid-19 chegou apenas com 24 das 35 toneladas previstas, faltando os reagentes para …

Cientistas "reiniciam" idade de células estaminais de uma mulher de 114 anos

As pessoas vivem mais de 110 anos, as supercentenárias, são notáveis não só pela sua idade, mas também por causa da sua incrível saúde. Agora, pela primeira vez, os cientistas reprogramaram células de uma mulher …