A nossa civilização só tem três destinos possíveis (e nenhum é consolador)

Um grupo de astrofísicos criou um modelo de desenvolvimento da civilização humana para determinar as possíveis vias do futuro da humanidade.

O astrofísico americano Adam Frank e a sua equipa de investigadores da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, calcularam, através de modelos matemáticos, o que aconteceria ao nosso planeta à medida que a população aumentasse e os efeitos das mudanças climáticas se tornassem mais agudos.

Entre os possíveis três cenários previstos pelos cientistas, a civilização humana poderia adaptar-se sem mudanças drásticas, desaparecer parcialmente ou experimentar um colapso total. A hipótese considerada mais provável é a do desaparecimento parcial, que supõe que 70% da vida terrestre se extinga antes de voltar à normalidade.

Nesta hipótese, a civilização desenvolve-se muito depressa até atingir o máximo populacional para o planeta, usando demasiados recursos do que aqueles que o planeta consegue proporcionar. A população começa, então, a reduzir, até ao ponto em que atinge o equilíbrio.

Nesse equilíbrio, o planeta consegue garantir recursos para todos os habitantes que ainda restam, mas 70% das pessoa não conseguirão resistir.

Mas o cenário de adaptação sem grandes mudanças é a opção mais positiva. A civilização, explicam os cientistas, segue o primeiro cenário, mas, antes de atingir o ponto crítico, começa a transição para o segundo tipo de recursos, salvando a maior parte da população e preservando o meio ambiente.

Já a terceira opção – a do colapso total – significa que a Terra seria incapaz de se recuperar dos danos causados pela pegada humana e, nesse caso, toda a vida inteligente que existe no nosso planeta morreria rapidamente, mesmo que a humanidade usasse apenas energias renováveis.

O estudo, publicado recentemente na revista The Atlantic, avalia também o destino das civilizações alienígenas hipotéticas em planetas distantes, ao que os cientistas dão o nome de exocivilizações.

Dado o número extraordinário de planetas no cosmos, “a menos que a natureza seja perversamente enviesada contra civilizações como a nossa, não somos os primeiros a aparecer” ou, pelo contrário, a desaparecer. “Isto significa que cada exocivilização teve uma história de evolução, de capacidades crescentes e, talvez, um desvanecimento lento ou um colapso rápido”, explica Frank.

Os cientistas acreditam que aprender com os erros destas comunidades extraterrestres poderia ser um sucesso na preparação para o efeito das mudanças climáticas na Terra.

Aliás, é por esse motivo que Frank e a sua equipa estão a “explorar o que poderia ter acontecido com os outros”, não apenas para nos servir de alerta, mas também para descobrir como seria o nosso fim enquanto espécie.

ZAP // RT

PARTILHAR

RESPONDER

Fã descobriu morada de estrela pop nos reflexos nos olhos de uma selfie e atacou-a

A influencer japonesa Ena Matsouk que integra uma banda pop do país foi atacada sexualmente por um fã, depois de este ter descoberto onde é que morava através de uma selfie que ela publicou nas …

Comer bem melhora ativamente os sintomas de depressão

Uma nova investigação, levada a cabo por cientistas da Universidade Macquarie, na Austrália, sugere uma conexão casual entre a dieta e a depressão. Uma equipa de cientistas da Universidade Macquarie, na Austrália, realizou um estudo controlado …

Presidente da China promete esmagar o corpo e quebrar os ossos aos separatistas

O Presidente da China, Xi Jinping, afirmou que "quem tentar atividades separatistas em qualquer lugar da China acabará com o corpo esmagado e os ossos quebrados", de acordo com a edição digital desta segunda-feora do …

Ucrânia 2 vs 1 Portugal | Adeus ao primeiro em dia de CR700

O primeiro lugar do Grupo B já não foge à Ucrânia. Portugal foi a Kiev dominar e atacar muito, com 24 remates e diversas oportunidades, mas esbarrou no guarda-redes Andriy Pyatov – tal como no …

Primeira protagonista feminina de Astérix é parecida com a ativista Greta Thunberg

Como sempre, a saída de um novo álbum de Astérix, o grande herói da banda desenhada franco-belga, está rodeado de um grande segredo. Aliás, não poderia ser de outro modo pois é também um irredutível …

O Fortnite, um dos jogos mais populares do mundo, foi "engolido" por um buraco negro e desapareceu

O Fortnite, que já é considerado um dos jogos mais populares da atualidade, desapareceu durante o fim-de-semana. Agora, o que surge no ecrã dos jogadores, depois do fim da temporada X, é apenas um buraco …

Kais Saied eleito Presidente da Tunísia com 72,71% dos votos

O professor universitário Kais Saied, um estreante no mundo da política, foi eleito Presidente da Tunísia com 72,71% dos votos na segunda volta das presidenciais antecipadas de domingo, anunciou esta segunda-feira a instância eleitoral (Isie). De …

Série SpongeBob acusada de "violência", "racismo" e de perpetuar o "colonialismo"

A série infantil SpongeBob foi acusada de perpetuar o "racismo" e o "colonialismo" junto dos mais novos. A crítica é feita por uma professora da Universidade de Washington. No fundo do mar, a vida parece feliz. …

Neymar pára quatro semanas devido a lesão na coxa

O futebolista do Paris Saint-Germain Neymar (PSG) vai ficar afastado da competição nas próximas quatro semanas, após ter contraído uma lesão na coxa ao serviço da seleção brasileira, informou esta segunda-feira o clube francês no …

Vitor Baía e Villas-Boas voltam a abordar o futuro como potenciais sucessores de Pinto da Costa no FC Porto

André Villas-Boas foi entrevistado pela rádio France 3 e voltou a falar do sonho de ser presidente do FC Porto. Já Vitor Baía diz estar em paz em relação ao que poderá acontecer quando Pinto …