A nossa civilização só tem três destinos possíveis (e nenhum é consolador)

Um grupo de astrofísicos criou um modelo de desenvolvimento da civilização humana para determinar as possíveis vias do futuro da humanidade.

O astrofísico americano Adam Frank e a sua equipa de investigadores da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, calcularam, através de modelos matemáticos, o que aconteceria ao nosso planeta à medida que a população aumentasse e os efeitos das mudanças climáticas se tornassem mais agudos.

Entre os possíveis três cenários previstos pelos cientistas, a civilização humana poderia adaptar-se sem mudanças drásticas, desaparecer parcialmente ou experimentar um colapso total. A hipótese considerada mais provável é a do desaparecimento parcial, que supõe que 70% da vida terrestre se extinga antes de voltar à normalidade.

Nesta hipótese, a civilização desenvolve-se muito depressa até atingir o máximo populacional para o planeta, usando demasiados recursos do que aqueles que o planeta consegue proporcionar. A população começa, então, a reduzir, até ao ponto em que atinge o equilíbrio.

Nesse equilíbrio, o planeta consegue garantir recursos para todos os habitantes que ainda restam, mas 70% das pessoa não conseguirão resistir.

Mas o cenário de adaptação sem grandes mudanças é a opção mais positiva. A civilização, explicam os cientistas, segue o primeiro cenário, mas, antes de atingir o ponto crítico, começa a transição para o segundo tipo de recursos, salvando a maior parte da população e preservando o meio ambiente.

Já a terceira opção – a do colapso total – significa que a Terra seria incapaz de se recuperar dos danos causados pela pegada humana e, nesse caso, toda a vida inteligente que existe no nosso planeta morreria rapidamente, mesmo que a humanidade usasse apenas energias renováveis.

O estudo, publicado recentemente na revista The Atlantic, avalia também o destino das civilizações alienígenas hipotéticas em planetas distantes, ao que os cientistas dão o nome de exocivilizações.

Dado o número extraordinário de planetas no cosmos, “a menos que a natureza seja perversamente enviesada contra civilizações como a nossa, não somos os primeiros a aparecer” ou, pelo contrário, a desaparecer. “Isto significa que cada exocivilização teve uma história de evolução, de capacidades crescentes e, talvez, um desvanecimento lento ou um colapso rápido”, explica Frank.

Os cientistas acreditam que aprender com os erros destas comunidades extraterrestres poderia ser um sucesso na preparação para o efeito das mudanças climáticas na Terra.

Aliás, é por esse motivo que Frank e a sua equipa estão a “explorar o que poderia ter acontecido com os outros”, não apenas para nos servir de alerta, mas também para descobrir como seria o nosso fim enquanto espécie.

ZAP // RT

PARTILHAR

RESPONDER

Descoberto primeiro animal que não precisa de oxigénio para viver

Respirar oxigénio é uma característica fundamental dos animais multicelulares, mas os cientistas acabam de descobrir, pelo menos, um que não precisa de o fazer para sobreviver. É muito provável que tenha aprendido que todos os organismos …

"Marte está vivo". Sonda InSight regista mais de 170 eventos sísmicos no Planeta Vermelho

Resultados dos primeiros dez meses de exploração da sonda InSight da NASA revelaram que o Planeta Vermelho é um mundo com atividade sísmica ativa. "Marte está vivo e a cada diz que passa começo a ter …

Um planeta pode ter sido "roubado" do Sistema Solar

Uma nova análise de astrónomos da Universidade Stony Brook, em Nova Iorque, revelou que as estrelas "roubam" planetas umas às outras - e isso também poderá ter acontecido no nosso próprio Sistema Solar. Quase tudo o …

Netflix passa a mostrar "top 10" diário de séries e filmes

A Netflix disponibiliza, desde esta segunda-feira (24), uma nova feature para os utilizadores do serviço de streaming: uma lista com os 10 filmes e as 10 séries mais vistas no país em cada dia. Esta nova …

A Realidade Virtual pode ser a próxima terapia para tratar pânico, fobias e distúrbios

A Oxford VR, empresa britânica de realidade virtual, acaba de acumular mais de 13 milhões de euros para investir na terapia com a tecnologia do futuro. A companhia surgiu a partir do departamento de psiquiatria da …

Apple não deixa que vilões de filmes usem iPhones

A Apple não deixa que os vilões dos filmes de Hollywood usem os telemóveis iPhone no grande ecrã. Esta é apenas uma das empresas que não permite este tipo de coisa. Os filmes podem ter uma …

O coronavírus pode ser a "doença X" temida pelos especialistas

O coronavírus, que já matou 2.700 pessoas e infetou mais de 80 mil desde dezembro, está a tornar-se "rapidamente" no primeiro grande desafio pandémico do mundo, enquadrando-se nos moldes da "doença X" temida por especialistas. O …

Media Capital passou de lucros a prejuízos de 54,7 milhões

A Media Capital registou prejuízos de 54,7 milhões de euros no ano passado, contra lucros de 21,6 milhões de euros um ano antes, anunciou hoje a dona da TVI, que está em processo de compra …

Camas na classe económica dos aviões podem vir a tornar-se uma realidade

A companhia aérea neozelandesa Air New Zealand está a pensar incluir camas na classe económica de alguns dos seus voos mais longos. A ideia deverá avançar dentro de um ano. A companhia aérea neozelandesa Air New …

Temperatura do planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões de anos

A temperatura no planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões a cinco milhões de anos, caso a humanidade consiga estancar as emissões de gases com efeito de estufa até 2030, diz a especialista …