Físicos criam circuito com grafeno que gera energia limpa e ilimitada

(dr) University of Arkansas

Uma equipa de físicos da Universidade de Arkansas, nos Estados Unidos, desenvolveu um circuito capaz de capturar o movimento térmico do grafeno e convertê-lo em corrente elétrica.

Os físicos da universidade norte-americana esclarecem que o circuito captura o movimento térmico do grafeno e converte-o em corrente elétrica, uma tecnologia que poderia ser incorporada num chip de modo a fornecer energia limpa, ilimitada e de baixa voltagem para pequenos dispositivos ou sensores.

Paul Thibado, professor de Física e líder do estudo, adiantou, citado pelo Phys, que esta descoberta comprova a teoria que o mesmo grupo de cientistas desenvolveu há três anos de que o grafeno independente ondula e deforma-se com o fim de possibilitar a captação de energia.



O artigo científico foi publicado no dia 2 de outubro na Physical Review E.

O grafeno é um material cristalino extremamente fino formado por átomos de carbono e com alto poder de condução. Graças às suas propriedades físicas, é encarado pelos investigadores como o futuro da tecnologia.

No entanto, a ideia de gerar energia a partir deste material causa muito reboliço no meio científico, já que muitos investigadores consideram que esta teoria refuta a afirmação do físico Richard Feynman de que o movimento térmico dos átomos, conhecido como movimento browniano, não funciona para gerar energia.

Contudo, a equipa liderada por Thibado descobriu que, à temperatura ambiente, o movimento térmico do grafeno induz uma corrente alternada (CA) num circuito, algo considerado impossível até então.

Os investigadores da universidade norte-americana construíram um circuito com dois diodos para converter uma corrente alternada (CA) numa corrente contínua (CC). Para permitir que a corrente flua para os dois lados, os diodos têm de estar em posições opostas. Fornecendo caminhos separados através do circuito, os diodos produziram então uma corrente contínua pulsante.

“Descobrimos que o comportamento tipo interruptor dos diodos amplifica a potência fornecida, em vez de a reduzir como se pensava anteriormente”, resumiu Thibado. “A taxa de variação da resistência fornecida pelos diodos adiciona um fator extra à potência.”

Para provar o aumento da potência do circuito, os cientistas utilizaram um campo relativamente novo da física para entender uma teoria antiga: “Baseamo-nos no campo emergente da termodinâmica estocástica e estendemos a famosa teoria de Nyquist, quase centenária”, explicou Pradeep Kumar, professor de Física e co-autor do estudo.

Além disso, estas experiências permitiram descobrir que o movimento lento do grafeno induz corrente no circuito em baixas frequências, o que é importante do ponto de vista tecnológico, dado que a electrónica funciona com mais eficiência em frequências mais baixas.

  ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Finalmente algo realmente fantástico, que tem potencial para transformar este planeta para melhor! Venha mais investigação nesta área depressa!

RESPONDER

Homem budista a meditar

O tukdam - um estado mental "meio-morto" dos monges budistas - é o novo fascínio da ciência

Os monges budistas conseguem chegar a um estado de meditação tão profunda que não é detectada qualquer actividade cerebral. No Budismo no Tibete, há um conceito mítico conhecido como "thukdam" ou "tukdam". Acredita-se que este é …

Como nasceu o mito dos vampiros? Mais doenças e menos Drácula

Os vampiros são um mito com séculos de história e que podem estar associados a doenças como a raiva e a pelagra — e não ao Drácula. O vampiro é uma imagem comum na cultura pop …

Edifícios impressos em 3D pelo exército norte-americano

Exército dos EUA pode agora imprimir edifícios de cimento em 3D em zonas de desastre

O objectivo da tecnologia é facilitar a construção de casas e pontes quando são precisas com urgência em zonas afectadas por catástrofes. O Corpo de Engenheiros do exército norte-americano pode agora imprimir quartéis, bunkers e outras …

Monumento Pillar of Shame, na Universidade de Hong Kong

Pillar of Shame foi, em tempos, um testemunho da liberdade de Hong Kong. Agora, dizem-lhe adeus

Em tempos, a escultura Pillar of Shame, plantada na Universidade de Hong Kong, foi um testemunho das liberdades da cidade. Agora, está a ser removida. Exposta há mais de 20 anos na Universidade de Hong Kong, …

Arquitetura em nome do amor. Homem constrói casa giratória para que a esposa possa escolher a vista

Na Bósnia, um autodidata de 72 anos construiu uma casa invulgar: a habitação gira 360 graus para mudar de vista. Algumas das mais bonitas obras arquitetónicas do mundo nasceram em nome do amor. É o …

Novo SEF deverá chamar-se Agência para as Migrações e Asilo

Afinal, já não vai haver um Serviço de Estrangeiros e Asilo (SEA) para substituir o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), mas sim uma Agência Portuguesa para as Migrações e Asilo (APMA). De acordo com o …

Pinto da Costa, presidente do FC Porto, com o guarda-redes Diogo Costa

Diogo Costa renova com o FC Porto até 2026

O guarda-redes Diogo Costa renovou contrato com o FC Porto até 2026, anunciaram os dragões, na tarde deste sábado. Diogo Costa, de 22 anos, aproveitou a lesão de Marchesín no início da temporada e assumiu a …

O algoritmo das plataformas de streaming afeta o que vemos (e quem somos)

As plataformas de streaming usam um algoritmo que afeta aquilo que vemos e o que queremos ver, moldando a nossa personalidade. Squid Game, o drama coreano distópico da Netflix, tornou-se a série mais vista lançada pela …

BPN e Banif custam mais do que alívio de IRS e subida de pensões

A despesa prevista no OE2022 para os veículos financeiros dos antigos Banif e BPN supera o valor previsto para medidas como o alívio no IRS e o aumento extra das pensões. Tal como destaca o Dinheiro …

A praia de Katoku, no Japão.

Praia intocada no Japão é uma das últimas do país. A sua pureza está a ser violada

A praia em Katoku, no Japão, é parte do Património Mundial da UNESCO. A construção de um paredão está a dividir a população local. Nesta praia cercada por montanhas em Katoku, no Japão, quase não há …