Uma em cada cinco pessoas tem uma mutação que as torna mais resistentes ao frio

Uma em cada cinco pessoas da população mundial sofre de uma mutação genética que as torna mais resistentes ao frio, sugere uma nova investigação liderada pelo Instituto Karolinska, localizado na Suécia.

A mutação genética em causa interrompe a produção da proteína α-actinina-3, que é um elemento importante para a fibra muscular esquelética.

Em comunicado, a equipa explica que o músculo esquelético inclui fibras de contração rápida (brancas), que se “cansam” mais rapidamente, e fibras de contração lenta (vermelhas) que, tal como o nome indica, são mais eficientes em termos de energia e oferecem uma maior tolerância a temperaturas e/ou ambientes frios.

De acordo com o novo estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica American Journal of Human Genetics, a α-actinina-3, encontrada apenas em fibras de contração rápida, está ausente em 20% da população – quase 1,5 mil milhões de pessoas – devido a uma mutação no gene que a codifica.

O que significa que as pessoas que não têm esta proteína têm uma maior proporção de fibras de contração lenta e, por isso, o seu corpo tende a conservar mais energia, tornando-as, consequentemente, mais resistentes ao frio.

“Isto sugere que as pessoas com falta de α-actinina-3 são melhores no que respeita a manter-se aquecidas e, em termos de energia, em suportar um clima mais difícil, mas não existia até agora nenhuma evidência experimental para este fenómeno”, explicou o fisiologista Håkan Westerblad, do Instituto Karolinska, acrescentando: “Agora podemos demonstrar que a perda desta proteína dá uma maior resiliência ao frio”.

Para chegar a esta conclusão, a equipa contou com a participação de 42 homens saudáveis com idades compreendidas entre os 18 e os 40 anos. Os voluntários participaram no procedimento experimental, colocando o seu corpo em contacto com água fria (14ºC) até que a sua temperatura corporal atingisse os 35,5ºC.

Durante a imersão em água fria, a equipa de investigadores mediu a atividade elétrica muscular com eletromiografia (EMG) e fez biopsias musculares para estudar o conteúdo de proteína e a composição do tipo de fibra.

Os resultados evidenciaram que o músculo esquelético dos voluntários sem α-actinina-3 contém uma proporção maior de fibras de contração lenta. Durante o processo de arrefecimento corporal, estes voluntários foram capazes de manter a temperatura corporal de forma mais eficiente em termos de energia.

Em vez de ativar as fibras de contração rápida, que resulta em tremores evidentes, estes participantes aumentaram a ativação das fibras de contração lenta que produzem calor, aumentando a contração basal (tónus muscular).

O estudo mostrou também que a falta desta proteína pode afetar a resposta corporal ao exercício físico: “Pessoas com falta de α-actinina-3 raramente têm sucesso em desportos que exigem força e explosão”, explicou, dando conta que, em sentido contrário, foi observada uma maior capacidade destas pessoas em desportos de resistência.

Sara Silva Alves Sara Silva Alves, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Farense 0-1 Sporting | Beto e Adán gigantes em noite de recorde leonino

O Sporting sofreu bastante para levar os três pontos na visita ao Farense. O líder do campeonato marcou um golo, por Pedro Gonçalves, dominou durante a primeira parte, mas na segunda deixou os algarvios criarem …

Uma simples mudança está a evitar a morte de um macaco em vias de extinção

Cientistas conseguiram dar uma tábua de salvação a uma espécie de macaco em risco de extinção, cujos espécimes são frequentemente atropelados por automóveis nas estradas de um parque nacional em Zanzibar. De acordo com a Lista …

Antigo rito sagrado "entre irmãos" pode ter sido, na verdade, o casamento homossexual

A adelfopoiese era uma cerimónia praticada historicamente na tradição cristã para unir duas pessoas do mesmo sexo - normalmente homens - num relacionamento reconhecido pela igreja, análogo ao irmão. Segundo documentos históricos, com 20 anos, Simeão …

Talin fechou uma estrada para que sapos e rãs possam atravessar em segurança

A capital da Estónia fechou uma estrada movimentada, durante as noites do mês de abril, para garantir que milhares de sapos e rãs conseguem atravessar em segurança para o local onde se vão reproduzir. Geralmente, são …

Organizador do White Lives Matter está a formar um novo grupo fascista (que quer uma guerra racial)

Organizador do White Lives Matter está a formar um novo grupo fascista, que procura agradar à opinião pública e quer ver uma guerra racial nos Estados Unidos. O organizador do abortado comício White Lives Matter, em …

Bezos nega que funcionários sejam vistos como "robôs". Mas Amazon deve tratá-los "melhor"

O ainda presidente executivo da Amazon, Jeff Bezos, enviou uma última carta aos acionistas da empresa, negando que os funcionários sejam "tratados como robôs", conforme alegaram alguns trabalhadores e críticos da empresa. Segundo Bezos - que …

A imponência do Titanic pode ter acelerado o fim da sua história

Com quase 269 metros de comprimento, o tamanho do Titanic - considerado o maior navio do mundo em 1912 - pode mesmo ter acelerado o fim da sua história. O Titanic media quase 269 metros de …

Pogba diz que a sua relação com Mourinho "mudou da noite para o dia"

O futebolista francês recordou a relação "muito boa" que tinha com o treinador português quando este era treinador do Manchester United, mas que acabou por mudar, segundo as suas palavras, "da noite para o dia". Numa …

Empreiteiros, cuidado. Vem aí o Baubot, um robô para a construção civil

A startup austríaca Printstones, que desenvolve robôs de impressão 3D desde 2017, revelou o seu mais recente protótipo: Baubot, um robô para a construção civil. A principal missão do Baubot é auxiliar e automatizar a indústria …

Oito meses depois da explosão em Beirute, o Líbano ainda é um pesadelo tóxico

A explosão em Beirute foi apenas mais uma página no longo e sombrio livro da má gestão de resíduos tóxicos no Líbano. Ainda há produtos químicos perigosos no porto de Beirute. Já lá vão oito meses …