/

Assedio sexual já fez cinco baixas na Academia (e pode bloquear Nobel da Literatura)

Frankie Fouganthin / Flickr

Sara Danius, a secretária permanente da Academia Sueca

A Academia Sueca responsável pela atribuição dos prémios Nobel está a atravessar um período difícil, depois do escândalo de abusos sexuais com o marido de um dos seus membros. No total, cinco já apresentaram a demissão.

A secretária permanente da Academia Sueca, Sara Danius, anunciou, esta quinta-feira à noite, a sua demissão, depois de uma reunião de emergência que durou mais de três horas, sobre a crise na instituição que concede o Nobel da Literatura.

Sara Danius, que abandonará também o seu assento na academia, não quis revelar se a sua saída ocorreu ou não depois de uma votação e assegurou que não foi discutido o nome do seu sucessor.

“Não posso entrar nesse assunto, é confidencial. É a vontade da academia, e aceito-a. Gostaria de continuar no cargo, mas há outras coisas para fazer na vida”, disse no final da reunião realizada na sede da instituição.

Tratou-se da primeira reunião da instituição depois da demissão, na passada sexta-feira, de outros três académicos – Klas Östergren, Kjell Espmark e Peter Englund – que aludiram de forma indireta ao caso envolvendo o dramaturgo francês Jean-Claude Arnault, ligado à academia e marido de um dos seus membros, Katarina Frostenson, cuja saída foi também agora comunicada.

Em novembro, no meio da campanha de denúncias de abusos sexuais #MeToo (Eu Também), 18 mulheres revelaram de forma anónima, no jornal diário Dagens Nyheter, abusos cometidos por Arnault em instalações pertencentes à Academia Sueca.

Quando o escândalo surgiu, a Academia Sueca cortou a relação privilegiada que mantinha com o dramaturgo e pediu uma investigação externa, enquanto várias mulheres interpunham processos judiciais e o Ministério Público abria um inquérito, entre duras críticas do mundo cultural à instituição.

Os investigadores independentes recomendaram a denúncia do Forum, o clube literário dirigido por Arnault, por irregularidades no financiamento recebido da academia.

O relatório alertava igualmente que Frostenson era coproprietária da empresa que geria o clube, o que violava as normas de imparcialidade para concessão de ajudas, e que Arnault tinha sido o autor de fugas de informação sobre o vencedor do Nobel em sete ocasiões.

Mas uma proposta para expulsar Frostenson foi rejeitada pela maioria, o que causou a demissão dos outros três membros, que criticaram publicamente os seus colegas por sobreporem motivos pessoais à responsabilidade de zelar pela integridade da instituição.

No final da reunião desta noite, o diretor da Academia Sueca, Anders Olsson, justificou a saída de Frostenson e Danius com a necessidade de sobrevivência da instituição.

“Creio que todos entendemos a gravidade da situação em que nos encontramos. Vimo-nos obrigados a um compromisso, a dar um passo atrás. Quem apoiava Frostenson retrocedeu, e ela aceitou deixar o seu lugar. Quisemos também solucionar esta crise de confiança com a saída de Danius”, explicou Olsson.

Com estas cinco saídas, só 11 das 18 cadeiras da academia estão ocupadas, já que duas autoras boicotam a instituição desde há vários anos, por outros motivos.

O abandono do assento na academia é uma decisão simbólica, uma vez que a eleição é vitalícia, embora os membros possam optar por não participar nem nas suas atividades nem nas suas votações.

Segundo o Observador, com estas duas demissões, o Comité Nobel da Literatura não tem, neste momento, membros suficientes para eleger o vencedor deste ano, uma vez que é preciso um mínimo de 13 elementos.

No entanto, em declarações ao El País, citadas pelo jornal online, fontes da Academia garantem que a atribuição do prémio não está em risco, uma vez que ainda falta muito tempo para o seu anúncio, ou seja, em outubro deste ano.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.