Cientistas utilizam cérebro artificial para encontrar estrelas velozes

ESA

Impressão de artista de duas estrelas a viajarem do centro da nossa Galáxia, a Via Láctea, para os seus arredores

Impressão de artista de duas estrelas a viajarem do centro da nossa Galáxia, a Via Láctea, para os seus arredores

Com a ajuda de um software que imita o cérebro humano, o satélite Gaia da ESA avistou seis estrelas que viajaram, a alta velocidade, do centro da nossa Galáxia para os seus arredores. Esta descoberta poderá fornecer informações importantes sobre algumas das regiões mais obscuras da Via Láctea.

A Via Láctea, a Galáxia onde vivemos, abriga mais de cem mil milhões de estrelas, todas mantidas juntas pela gravidade. A maioria está localizada numa estrutura achatada – o disco Galáctico – enquanto as estrelas restantes estão distribuídas num halo esférico mais amplo que se estende até cerca de 650.000 anos-luz do centro.

As estrelas não estão imóveis na Galáxia, movem-se em torno do Centro com uma variedade de velocidades, dependo da sua localização – por exemplo, o Sol orbita a cerca de 220 km/s, enquanto a média no halo ronda os 150 km/s. Ocasionalmente, algumas estrelas excedem essas velocidades já bastante impressionantes.

Algumas são aceleradas por um encontro estelar próximo ou por uma explosão de supernova de uma companheira estelar, resultando em estrelas fugitivas com velocidades até várias centenas de quilómetros por segundo acima da média.

Há pouco mais de uma década, foi descoberta uma nova classe de estrelas de alta velocidade. Viajando pela Galáxia a várias centenas de quilómetros por segundo, são o resultado de interações passadas com o buraco negro supermassivo situado no centro da Via Láctea e que, com uma massa de quatro milhões de sóis, governa as órbitas das estrelas na sua vizinhança.

“Estas estrelas hipervelozes são extremamente importantes no estudo da estrutura geral da nossa Via Láctea,” comenta Elena Maria Rossi da Universidade de Leiden, na Holanda, que apresentou a descoberta das novas seis estrelas pelo Gaia na Semana Europeia da Astronomia e das Ciências Espaciais em Praga, na República Checa.

“Estas são estrelas que viajaram grandes distâncias através da Galáxia, mas que podem ser traçadas até ao núcleo – uma área tão densa e obscurecida pelo gás e poeira interestelar que normalmente é muito difícil de observar – de modo que fornecem informações importantes sobre o campo gravitacional da Via Láctea, desde o centro até aos arredores.”

Infelizmente, as estrelas em rápido movimento são extremamente difíceis de encontrar no “palheiro” estelar da Via Láctea, pois os levantamentos atuais listam a velocidade de, no máximo, algumas centenas de milhares de estrelas.

Para as encontrar, os cientistas têm procurado estrelas jovens e massivas que se destacariam como intrusas na antiga população estelar do halo galáctico. Devido à sua idade “fora de lugar”, estas estrelas provavelmente receberam um impulso extra para alcançar o halo. As medições adicionais das suas velocidades e estimativas dos seus percursos passados podem confirmar se são, de facto, estrelas hipervelozes expulsas do centro da Via Láctea.

Até agora, foram avistadas apenas 20 estrelas deste tipo. Devido à seleção específica deste método, são todas estrelas jovens com uma massa entre 2,5 e 4 vezes a do Sol. No entanto, os cientistas pensam que muitas mais estrelas de outras idades ou massas estão a acelerar pela Galáxia, embora não tenham sido reveladas por este tipo de pesquisa.

O censo de mil milhões de estrelas, realizado pelo Gaia, oferece uma oportunidade única, assim que Elena e colaboradores começaram a perguntar-se como usar um tão vasto conjunto de dados para otimizar a busca por estrelas em rápido movimento.

Depois de testar vários métodos, voltaram-se para software através do qual o computador aprende com base em experiência anterior.

Um software que imita o cérebro humano

“No final, escolhemos usar uma rede neuronal artificial, um software desenhado para imitar o funcionamento do nosso cérebro,” explica Tommaso Marchetti, da Universidade de Leiden e autor principal do artigo publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

“Depois um ‘treino’ adequado, pode aprender a reconhecer certos objetos ou padrões num enorme conjunto de dados. No nosso caso, ensinámo-lo a detetar estrelas hipervelozes num catálogo estelar como o compilado com o Gaia.”

Como parte do projeto de investigação de Elena, para estudar estas estrelas, a equipa começou a desenvolver e a treinar este programa na primeira metade de 2016,de modo a estar pronto para o primeiro lançamento dos dados do Gaia alguns meses depois, no dia 14 de setembro.

Para além de um mapa com mais de mil milhões de posições estelares, este primeiro lançamento inclui um catálogo menor com distâncias e movimentos para dois milhões de estrelas, combinando observações do primeiro ano do Gaia com aquelas da missão Hipparcos da ESA, que catalogou o céu há mais de duas décadas atrás. Referida como a Solução Astrométrica Tycho-Gaia, ou TGAS (Tycho–Gaia Astrometric Solution), este recurso é uma “amostra” dos futuros catálogos baseados unicamente nos dados do Gaia.

“No dia do lançamento dos dados, corremos o nosso novo algoritmo nas duas milhões de estrelas do TGAS. Em apenas uma hora, o cérebro artificial já tinha reduzido o conjunto de dados até mais ou menos 20.000 potenciais estrelas de alta velocidade, reduzindo o seu tamanho até cerca de 1%.”, destacou Elena.

“Uma seleção adicional, incluindo apenas medições acima de uma certa precisão em distância e movimento, reduziu o número de candidatas estelares para 80.”

A equipa analisou essas 80 estrelas com mais detalhe. Uma vez que apenas as informações sobre o movimento da estrela, pelo céu, estão incluídas nos dados TGAS, tiveram que encontrar pistas adicionais para inferir a sua velocidade, estudando catálogos estelares anteriores ou realizando novas observações.

“Combinando todos estes dados, descobrimos que seis estrelas podem ser traçadas até ao Centro Galáctico, todas com velocidades acima dos 360 km/s,” explica Tommaso.

Ainda mais importante, os cientistas conseguiram examinar uma população diferente das 20 estrelas já conhecidas: as estrelas recém-identificadas têm todas massas inferiores, semelhantes à massa do nosso Sol.

Uma das seis estrelas parece viajar tão depressa, a mais de 500 km/s, que já não está vinculada gravitacionalmente à Via Láctea, pelo que eventualmente deixará de pertencer à nossa Galáxia. Mas as outras estrelas, ligeiramente mais lentas, são talvez ainda mais fascinantes, pois os cientistas estão ansiosos por aprender o que as desacelerou.

“Este resultado mostra o grande potencial do Gaia, abrindo novas vias para investigar a estrutura e a dinâmica da nossa Galáxia,” comenta Anthony Brown da Universidade de Leiden, coautor do estudo e presidente do Consórcio de Processamento e Análise dos Dados do Gaia.

Os cientistas estão ansiosos por usar os dados do próximo lançamento do Gaia, planeado para abril de 2018 e que vai incluir distâncias e movimentos, no céu, para mais de mil milhões de estrelas, bem como velocidades para um subconjunto.

ZAP // CCVAlg

 

PARTILHAR

RESPONDER

PAN propôs medidas ambientais que já estão em vigor

No capítulo do programa eleitoral do PAN dedicado ao Ambiente, o partido faz propostas que já estão implementadas, como os sistemas de certificação do pescado e restrição do tráfego aéreo em período noturno. Na área "Crise …

Madeira. Sondagem da RTP indica que PSD perde maioria absoluta

De acordo com uma nova sondagem da Universidade Católica para a RTP, o PSD pode perder a maioria absoluta na Madeira, enquanto que o PS pode aumentar o número de assentos no parlamento regional. Uma nova …

Secretário de Estado da Proteção Civil demite-se

Artur Neves, secretário de Estado da Proteção Civil, apresentou o pedido de demissão ao Ministro de Administração Interna esta quarta-feira. "Na sequência do pedido de exoneração, por motivos pessoais, do Secretário de Estado da Proteção Civil, …

Câmara de Lisboa volta a dar isenção de taxas ao Rock in Rio

A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou, esta terça-feira, que a organização do Rock in Rio fica novamente isenta do pagamento de taxas, no valor de três milhões de euros, pela realização das edições de 2020 …

Pelo menos 23 crianças morreram em incêndio em escola na Libéria

Um incêndio deflagrou nesta quarta-feira num colégio interno nos subúrbios da capital da Libéria, Monróvia. Dezenas de crianças morreram - 23 segundo a BBC, 27 de acordo com a Reuters. “As crianças estavam a aprender o …

Diferenças entre Rio e Costa "ficaram muito marcadas" no debate

Apesar de esclarecedor, Rui Rio sublinhou que o debate de segunda-feira "não foi decisivo", frisando que, até 6 de outubro, "ainda há um caminho a percorrer". O líder do PSD, Rui Rio, defende que as …

WhatsApp começa a ganhar relevância nas eleições em Portugal

Uma investigadora do ISCTE atribui muita importância aos grupos que começam agora a surgir no WhatsApp, que "não são uma coisa muito visível", mas "chega às pessoas de uma forma diferente" e "mais personalizada". Ainda …

Avioneta da Força Aérea espanhola cai no Mar Menor. Instrutor de voo e aluna morreram

Um instrutor e uma aluna morreram esta quarta-feira depois de um avioneta da Força Aérea Espanhola ter caído no Mar Menor, perto da localidade de San Javier, na região de Múrcia. As duas vítimas mortais eram …

Rosa Grilo reafirma inocência. Amante nega qualquer envolvimento no crime

A segunda sessão do julgamento foi marcada por contradições da arguida Rosa Grilo, acusada do homicídio do marido, em coautoria com o amante. Segundo a SIC Notícias, nesta segunda sessão do julgamento, no Tribunal de Loures, …

Primeiro debate a seis começou com divergências nas pensões e terminou com carne e peixe

Realizou-se nesta quarta-feira o primeiro debate da campanha eleitoral com todos os líderes dos partidos políticos com assento parlamentar. Transmitido pelas Rádios TSF, Renascença e Antena 1, o debate deixou a nu as divergências ideológicas …