Cientistas querem reconhecer oficialmente o início do Antropoceno

Admean / Flickr

-

O impacto humano sobre a química e o clima da Terra abreviou a época geológica de 11.700 anos conhecida como Holoceno e apressou a entrada numa nova era, o Antropoceno, anunciou esta segunda-feira um grupo de cientistas.

O início do Antropoceno, ou “nova idade do Homem”, será fixado em meados do século XX se a recomendação que os investigadores apresentaram esta segunda-feira no Congresso Geológico Internacional, na Cidade do Cabo, África do Sul, for adotada.

É provável que o processo de aprovação leve pelo menos dois anos e requeira ratificação de mais três equipas de académicos.

O próprio grupo de trabalho que apresentou a recomendação, composto por 35 elementos, levou sete anos de deliberação até reconhecer por unanimidade o Antropoceno como uma realidade e aprovou com 30 votos a favor, três contra e duas abstenções a decisão de que a transição deverá ser oficialmente registada.

“Segundo o nosso modelo de trabalho, o limite ideal é em meados do século XX“, disse Jan Zalasiewicz, um geólogo da Universidade de Leicester.

“Se for adotado – e estamos muito longe disso -, o Holoceno termina e considerar-se-á formalmente que o Antropoceno já começou”, acrescentou.

A “Grande Aceleração”

Os cientistas referem-se ao período a partir de 1950 como a “Grande Aceleração“, e uma olhadela a gráficos que acompanham as numerosas alterações químicas e socioeconómicas torna óbvio porquê.

Concentrações no ar de dióxido de carbono, metano e ozono estratosférico; temperaturas à superfície, acidificação dos oceanos, esgotamento dos recursos da pesca marítima e perda de florestas tropicais; crescimento da população, construção de grandes barragens, turismo internacional – todos disparam a partir de meados do século XX.

Um dos principais culpados é o aquecimento global provocado pela queima de combustíveis fósseis.

Uma sintomática onda de disseminação de espécies animais e vegetais invasivas é também um legado da nossa espécie.

O grupo de trabalho não está autorizado, no entanto, a ter qualquer destes fatores em consideração a menos que apareçam em algum registo geológico.

Se não pode ser medido em rochas, sedimentos lacustres, calotas de gelo ou outras formações que tais – os critérios usados para identificar dezenas de eras, períodos e épocas que remontam a quatro mil milhões de anos -, então, não conta.

Isto, contudo, não é um problema quando se trata do Antropoceno, indicou Zalasiewicz.

“Temos muito por onde escolher: há todo um manancial de potenciais sinais por aí”, disse à agência de notícias francesa AFP.

Os microplásticos, por exemplo – uma substância sintética, feita pelo homem – “são agora componentes do sedimento existente em todo o mundo, tanto na terra como no mar”, apontou.

E o aumento do dióxido de carbono atmosférico está patente em calotas de gelo com dezenas de milhares de anos.

Mudanças passadas na biosfera – o reino dos seres vivos – ficam registadas em sedimentos e rochas, especialmente indícios de extinções em massa, quando até 95% de todas as formas de vida desapareceram num piscar de olhos geológico.

O desaparecimento dos dinossauros sem asas, no final do período Cretáceo é um desses marcos, embora longe de ser o mais dramático.

Ambiente

O termo “Antropoceno” – pela primeira vez proposto em 2002 pelo prémio Nobel da Química Paul Crutzen – tem sido adotado por ambientalistas como palavra de ordem nos protestos contra a expansão do setor petrolífero.

A demarcação, no entanto, é vista por alguns conservadores como um pretexto para o que consideram serem políticas agressivas de asfixia económica para combater as alterações climáticas.

Em relação à forma que tomarão as provas da existência desta nova idade geológica do planeta Terra, Zalasiewicz disse que ainda é muito cedo para saber, embora acrescentando que “o coral de crescimento rápido forma um arquivo em camadas que captura bem a química”.

Para definir o início do Holoceno, os cientistas escolheram uma amostra retirada de uma calota de gelo, em 2003, do lençol de gelo do centro da Gronelândia, com as coordenadas 75,1ºN/42,32ºW.

O pedaço de gelo está arquivado num armário frigorífico na Universidade de Copenhaga.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Estado de emergência devido a novo derrame de combustível no Círculo Polar Ártico

As autoridades russas declararam o estado de emergência na localidade de Tukhard, na Sibéria, devido ao derramamento de 44,5 toneladas de combustível num lago, naquele que é o segundo desastre ecológico no Círculo Polar Ártico …

Bélgica inclui Alentejo e Algarve na zona laranja com "maior vigilância"

Os viajantes que entrem na Bélgica oriundos do Alentejo e do Algarve serão sujeitos a “maior vigilância” devido à pandemia da covid-19, segundo o site do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) belga, que não especifica …

Infetado detido em Miranda do Douro por desrespeitar confinamento obrigatório

A GNR deteve em Miranda do Douro um homem, de 26 anos, por não respeitar o confinamento obrigatório que lhe foi decretado pela autoridade de saúde pública naquele concelho do distrito de Bragança. "O homem encontrava-se …

Sudão aprova criminalização da mutilação genital feminina

O Conselho Soberano, a mais alta autoridade do Sudão, aprovou a criminalização da mutilação genital feminina (MGF), uma prática muito antiga que continua generalizada no país, anunciou o Ministério da Justiça. O Conselho Soberano, composto por …

Andrzej Duda reeleito Presidente da Polónia

O chefe de Estado polaco venceu a segunda volta das eleições Presidenciais com 51,21% dos votos, derrotando o liberal Rafal Trzaskowski, anunciou, esta segunda-feira, a Comissão Eleitoral. Segundo a Comissão Eleitoral, Andrzej Duda conseguiu a reeleição …

Manifestantes criticam escolha de Macron para o Ministério do Interior. Ministro é acusado de violação

Ativistas dos direitos das mulheres protestaram, em França e no estrangeiro, contra a nomeação do novo ministro do Interior, acusado de violação, e do ministro da Justiça, que ridicularizou o movimento #MeToo. Ativistas dos direitos das …

Cinco meses depois, chefes de diplomacia da UE voltam a reunir-se em Bruxelas

A reunião contempla temas como o impacto da pandemia, a situação na Líbia, Hong Kong e na Venezuela, as relação da União Europeia com a Índia e África e o Processo de Paz do Médio …

Há 12 países que conseguiram escapar à pandemia

Tendo em conta os casos registados e comunicados oficialmente pelas autoridades, há 12 países no mundo que não registam qualquer caso de infeção. Segundo a universidade norte-americana Johns Hopkins, a covid-19 chegou a 188 países, mas, …

"Prisioneira em casa" há 4 meses. Algarvia já fez 14 testes e não se livra do coronavírus

A algarvia Tânia Poço está infectada com o novo coronavírus há quatro meses. Nesta altura, já não tem sintomas de covid-19, mas os testes que tem feito continuam a assinalar a presença do vírus naquele …

Mais duas mortes e 306 novos casos em Portugal

Portugal regista, esta segunda-feira, mais duas mortes e 306 novos casos de infeção por covid-19 em relação a domingo. Segundo o boletim diário da Direção-Geral de Saúde (DGS), dos 306 novos casos (aumento de 0,7%), 254 são …