Cientistas descobrem múmia de bebé morto por falta de luz solar

Nerlich et al., Frontiers, 2022

Múmia de bebé

Descoberta dá uma visão interessante das condições de vida dos bebés nobres dos séculos XVI e XVII.

Durante séculos, a cripta de uma das famílias aristocráticas mais antigas da Áustria preservou um segredo trágico. Um rapaz, talvez com não mais de um ou dois anos de idade, que não morreu por falta de alimentos ou por ferimentos. Mas por uma simples carência de luz solar na sua pele.

A criança, do sexo masculino, foi encontrada mumificada numa cripta familiar reservada aos Condes de Starhemberg, tendo sido aí enterrada algures entre meados dos séculos XVI e XVII. As suas pequenas características são murchas mas detalhadas, o seu corpo ainda envolto numa elaborada peça de roupa de seda.

No entanto, apesar de viver uma vida de privilégios, a sua curta existência não foi claramente uma vida saudável.

Uma autópsia virtual do cadáver utilizando tomografias computorizadas revelou malformações nas costelas que se assemelham aos sinais clássicos de desnutrição, especificamente deficiência de vitamina D. Conhecida como raquitismo, esta condição tende a resultar numa curvatura das pernas, uma característica que não era evidente nos ossos do rapaz.

Mantendo todos os cenários na mesa, os investigadores consideraram uma segunda possibilidade – baixas quantidades de vitamina C, resultando em escorbuto. Embora as deformações das costelas não fossem idênticas para ambas as condições, as suas semelhanças eram suficientes para os investigadores investigarem mais aprofundadamente.

A análise do tecido adiposo revelou que a criança de 10 a 18 meses tinha excesso de peso para a sua idade, pelo menos em comparação com outros bebés da época. Como resultado, os investigadores suspeitam que a criança estava bem alimentada na sua vida de patrícia, tornando a deficiência de vitamina C menos provável.

A vitamina D, por outro lado, não é absorvida dos nossos alimentos em quantidades significativas, mas sim produzida na pele através de reações químicas que dependem da radiação ultravioleta (UV), sugerindo que a criança estava gravemente subnutrida, não por falta de alimentos, mas por falta de luz solar.

O químico é absolutamente crucial na construção de ossos durante a infância, explicando as anomalias ósseas. Também permite ao corpo absorver melhor o cálcio e o fósforo ao longo da vida.

“A combinação de obesidade juntamente com uma grave deficiência vitamínica só pode ser explicada por um estado nutricional geralmente ‘bom’ juntamente com uma quase completa falta de exposição solar”, explica o patologista Andreas Nerlich, da Universidade de Munique.

Embora o raquitismo não seja necessariamente uma sentença de morte, um olhar aos pulmões da criança revelou sinais de pneumonia letal, uma infecção que é comum em bebés com deficiência de vitamina D. Foi preciso até ao século XIX e uma pandemia de raquitismo para os cientistas descobrirem que a exposição solar é necessária para a formação óssea, demasiado tarde para ajudar o bebé de Starhemberg.

A criança mumificada encontrada na Áustria é apenas uma criança numa família numa parte da Europa, mas dado o reduzido número de enterros de crianças tão bem preservadas, a descoberta é uma visão interessante das condições de vida dos bebés nobres dos séculos XVI e XVII.

Durante este tempo, os aristocratas evitavam frequentemente o Sol para manterem a sua pele branca de porcelana, um sinal de alta patente em grande parte da sociedade europeia. Apenas camponeses e operários eram beijados pelo Sol.

Em Itália, muitos esqueletos de crianças nobres enterradas nas Capelas dos Médicis em Florença durante os séculos XVI e XVII também mostram sinais de raquitismo, incluindo o arqueamento dos membros.

Os investigadores por detrás de um estudo de 2013 argumentam que o atraso prolongado no fornecimento de quantidades adequadas de alimentos sólidos que forneceriam pequenas quantidades de vitamina D em bebés poderia aumentar os riscos de raquitismo.

Não é claro se o bebé encontrado na cripta austríaca foi amamentado ou comeu alimentos gordos ricos em vitamina D. O que se sabe é que foi bem alimentado e cuidado.

Na verdade, o seu elevado nível de gordura corporal é provavelmente o que manteve os seus restos tão bem preservados. Há mesmo algumas provas recentes de que a deficiência em vitamina D está ligada à obesidade infantil, levantando questões sobre o papel que a sua dieta privilegiada poderia ter desempenhado na sua doença.

Dado que o cadáver foi enterrado num casaco funerário de seda e era a única criança na cripta familiar, os investigadores suspeitam que ele era um primogénito, possivelmente chamado Gundaker, Gregor, ou Reichard, a julgar pela árvore genealógica.

“Este é apenas um caso“, admite Nerlich, “mas como sabemos que as taxas de mortalidade infantil precoce eram geralmente muito elevadas na altura, as nossas observações podem ter um impacto considerável na reconstrução geral da vida dos bebés, mesmo nas classes sociais mais elevadas”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.