Cientistas descobrem hominídeo que partilhou África com os primeiros humanos

Cientistas sul-africanos descobriram que um hominídeo descoberto em 2013 viveu ao mesmo tempo que os primeiros humanos há centenas de milhares de anos, a primeira descoberta do género.

Os investigadores Paul Dirks e Eric Roberts, da Universidade James Cook dataram o “homo naledi” no período entre há 236.000 e 335.000 anos, usando fósseis encontrados num sistema de cavernas.

“Quando identificámos os fósseis pela primeira vez, a maioria dos paleoantropólogos na investigação ficou convencida de que teriam um ou dois milhões de anos, mas são muito mais recentes. Isso quer dizer que um hominídeo primitivo persistiu em África por um período de tempo muito longo, muito para além do que se julgava possível”, afirmou Dirks.

É a primeira vez que um membro afastado da árvore evolutiva humana é identificado num período em que os primeiros “homo sapiens” cruzavam o continente africano.

Paul Dirks considerou que a estrutura das mãos do “homo naledi” pode indicar que fabricava ferramentas, uma vez que no período em que viveu já existiam ferramentas em África.

Eric Roberts apontou a dificuldade de explorar as cavernas em que os fósseis foram encontrados, situadas no chamado Berço da Humanidade, um local perto da cidade de Magaliesburg, no nordeste do país.

Com passagens apertadas, a caverna é composta por duas câmaras, desconhecendo-se por enquanto por que razão os “homo naledi” foram ali parar.

“Há um grande debate sobre se é um local funerário ou se ficaram ali presos. Podem ter sido perseguidos por leões ou até por outros humanos, podem não ter conseguido sair. Esta é uma região de grandes tempestades e há vestígios de impactos de meteoritos naquela altura. Pode especular-se o que se quiser, mas por agora subsiste a hipótese original de terem sido postos ali de propósito”, afirmou John Hawks, da universidade de Wisconsin.

A ideia de o “homo naledi” colocar os mortos em câmaras subterrâneas de acesso difícil é comum em relação aos “neanderthal”, dos quais há prova de rituais funerários numa caverna profunda em Espanha, conhecida como Sima de los Huesos.

“A parte mais excitante do “homo naledi” é que se tratava de criaturas com cérebros três vezes mais pequenos que os nossos”, afirma Hawks, acrescentando que “não estamos a falar de um humano”.

No entanto, parece partilhar um comportamento que reconhecemos, um cuidado pelos outros que continua após morrerem, salienta.

“Deslumbra-me pensar que podemos estar a testemunhar as raízes mais profundas das práticas culturais humanas”, concluiu.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. À medida que o tempo passa verifica-se que Darwin tinha mais razão do que pensava. O puzzle vai-se construindo e penso que um dia se vai provar a origem da vida terrestre.

RESPONDER

Parker Solar Probe lança nova luz sobre o Sol

Em agosto de 2018, a Parker Solar Probe da NASA foi lançada para o espaço, tornando-se pouco tempo depois a sonda mais próxima do Sol. Com instrumentos científicos de ponta para medir o ambiente em …

Encontrado no mar das Malvinas navio alemão da I Guerra Mundial 105 anos depois de naufragar

O naufrágio de um cruzador alemão da I Guerra Mundial foi identificado nas Ilhas Malvinas, onde foi afundado pela Marinha britânica há 105 anos. O SMS Scharnhorst foi o principal ativo da esquadra alemã na Ásia …

Boavista 1-4 Benfica | Águia goleia no xadrez do Bessa

O Benfica deu o pontapé de saída da 13ª jornada com uma vitória competente na visita ao Boavista, por 4-1. Num jogo potencialmente perigoso para as aspirações “encarnadas”, frente a um adversário com somente uma derrota …

Cientistas desenvolvem técnica para determinar o humor através da caligrafia

Uma equipa de cientistas estudou a biomecânica dos movimentos das mãos a escrever e a desenhar, e desenvolveu um método para avaliar as propriedades individuais da velocidade de escrita e da pressão do lápis no …

Quase seis mil denúncias de agressões sexuais em viagens da Uber nos EUA

A plataforma de transporte de passageiros Uber divulgou na quinta-feira um relatório, revelando quase seis mil denúncias de agressões sexuais a utilizadores, motoristas e terceiros nos Estados Unidos (EUA), em 2017 e 2018. No relatório de …

Polícia de Los Angeles vai usar dispositivo "ao estilo Batman" para prender suspeitos

A polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, vai adotar, no início do próximo ano, um novo dispositivo, conhecido como BolaWrap 100, que dispara um cinto de fibra sintética a uma velocidade de 200 metros …

Corriere dello Sport defende-se das acusações e garante ser "inimigo do racismo"

O jornal desportivo italiano Corriere dello Sport afirmou esta sexta-feira ser “inimigo do racismo”, defendendo-se das críticas motivadas pela manchete de quinta-feira, com o título “Black Friday” e ilustrada com os futebolistas negros Romelu Lukaku …

Alisadores e tintas para cabelo podem aumentar o risco de cancro da mama

Alisadores e tintas para cabelo são dois produtos comummente utilizados por mulheres. Um novo estudo sugere que estes podem aumentar o risco de cancro da mama, especialmente em mulheres negras. Muitos produtos capilares contêm compostos que …

Black Friday. Marca de cosméticos oferece por engano desconto de 96% e perde 10 milhões em duas horas

Uma falha no site oficial da marca de produtos cosméticos Foreo fez com que o seu artigo mais caro fosse vendido com um desconto de 96%, fazendo com que a empresa sueca perdesse 10 milhões …

Camisola usada por Pelé no seu último jogo foi vendida por 30 mil euros em leilão

Uma camisola usada por Pelé no seu último jogo com a seleção brasileira foi vendida por 30 mil euros num prestigiado leilão de objetos desportivos, realizado na quinta-feira em Turim, Itália. A camisola com o número …