Cientistas descobriram o que comiam os primeiros australianos

University of Queensland

Uma equipa de arqueólogos e anciões aborígines encontraram sobras carbonizadas de há 65 mil anos, que estão a mostrar o que comiam as primeiras pessoas a viver na Austrália.

Os investigadores e anciões aborígines locais recuperaram recentemente restos de carvão vegetal de antigas cozinhas no local arqueológico de Madjedbebe, em Mirarr, no norte da Austrália.

A equipa mergulhou as amostras na água, fazendo com que os pedaços leves de carvão flutuassem e se separassem facilmente dos sedimentos arenosos mais pesados. O carvão foi analisado com microscopia de luz de alta potência e microscopia eletrónica para discernir a que espécies de plantas a matéria pertencia.

De acordo com o estudo publicado este mês na revista científica Nature Communications, este método identificou pelo menos dez alimentos vegetais, incluindo várias frutas semelhantes a ameixas e “peras silvestres”, nozes pandanus, dois tipos de tronco de palmeira e três tipos de raízes e tubérculos, incluindo uma espécie aquática.

Muito do que se sabe sobre dietas antigas é de ossos de animais, uma vez que não se biodegradam. No entanto, muito antes do advento da agricultura, os seres humanos contavam com frutas, vegetais e plantas.

“Os primeiros australianos tinham muito conhecimento botânico e esta foi uma das coisas que lhes permitiu adaptar-se e prosperar neste novo ambiente”, afirmou Anna Florin, arqueobotânica da Universidade de Queensland, na Austrália, em comunicado. “Conseguiam garantir o acesso a hidratos de carbono, gorduras e até proteínas, aplicando esse conhecimento, além de inovação tecnológica e mão de obra, na coleta e processamento de alimentos vegetais australianos”.

Os primeiros australianos aborígines chegaram há pelo menos 65 mil anos, depois de navegar pelas ilhas do sudeste da Ásia até ao supercontinente pré-histórico de Sahul, que incluía o que é hoje o continente da Austrália, Tasmânia e Nova Guiné. Madjedbebe contém algumas das evidências arqueológicas mais antigas da Austrália, portanto este pode ser um dos primeiros assentamentos do continente.

A área também contém muitas novidades mundiais, incluindo os eixos de pedra moída mais antigos do mundo, a mais antiga tecnologia da mó fora da África, a modelagem precoce de pontas de lança de pedra e o primeiro uso registado de pigmentos refletivos no mundo.

“Madjedbebe continua a fornecer informações surpreendentes sobre o estilo de vida complexo e dinâmico dos primeiros aborígines australianos”, disse o diretor de escavação, Chris Clarkson, da Universidade de Queensland.

Madjedbebe pode não ser amplamente conhecido fora da Australásia, mas desempenhou um papel incrivelmente importante na história dos seres humanos. Infelizmente, o significado da área não garante a segurança dos perigos da indústria do século XXI, como mineração e desenvolvimento de infraestrutura.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Autarca de Vieira do Minho denuncia: testes estão a ser desviados para Lisboa

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Gerês/Cabreira, Vieira do Minho, detetou 77 infetados pelo novo coronavírus, com os autarcas da área a reclamarem contra a demora na distribuição de testes, disse esta sexta-feira à …

Trump recomenda uso de máscaras (mas recusa-se a usá-las)

Esta sexta-feira, os Estados Unidos tiveram, pelo quarto dia consecutivo, o maior número de mortes em 24 horas, num total de 1.094, e contam com quase 30 mil novos casos. No seu briefing diário, de acordo …

A Antártida já foi uma floresta tropical

A Antártida pode ter sido o lar de ecossistemas quentes e pantanosos cercados por fetos e árvores coníferas há 90 milhões de anos, altura marcada pelo auge dos dinossauros. Uma análise do solo antigo extraído da …

Algumas estrelas têm "veneno" dentro de si (e é por isso que explodem)

Algumas estrelas têm um "veneno" dentro de si: o elemento néon no núcleo das estrelas pode desencadear uma reação química que leva a uma morte definitiva e explosiva. Estrelas menos massivas, como o nosso Sol, expandem-se …

Criada tecnologia que traduz pensamentos diretamente em texto

Uma equipa de investigadores diz ter criado um sistema capaz de traduzir sinais cerebrais diretamente em texto escrito. Este é um passo promissor para que no futuro seja possível escrever num computador apenas com o …

Desaparecimentos, mistérios e lendas. O Triângulo do Alasca pode ser mais perigoso do que o das Bermudas

Milhares de pessoas desaparecem todos os anos no estado norte-americano do Alasca, fazendo lembrar as histórias do Triângulo das Bermudas, onde aviões e navios desapareceram sem deixar rastro. De acordo com a revista The Atlantic, três …

Descobertas sete novas aranhas-pavão. E uma parece um quadro de Van Gogh

Foram encontradas sete novas espécies de aranha do género Maratus. E há uma que se destaca por se parecer com "A Noite Estrelada", famoso quadro de Vincent Van Gogh. Nos últimos anos, as aranhas-pavão (do género Maratus) …

Estado de emergência no México suspende produção de cerveja Corona

Nem toda a publicidade é boa publicidade. Que o diga a cerveja mexicana Corona que, em tempos de pandemia, partilha o nome com o vírus de que já ninguém quer ouvir falar. Segundo o jornal The …

Gás natural pode transformar Moçambique no "Qatar de África" (se os jihadistas deixarem)

A descoberta de gás natural em Moçambique é vista como uma grande esperança para o país que, à boleia dos avultados investimentos que está a receber de grandes multinacionais, sonha tornar-se no "Qatar de África". …

Afinal, os 1.000 ventiladores doados por Elon Musk podem não ser completamente inúteis

Elon Musk, CEO da Tesla, doou mil ventiladores do tipo errado a hospitais da Califórnia, que enfrentam um número esmagador de casos de coronavírus. Agora, afinal, os ventiladores vão poder ser usados em casos de …