O nosso cérebro cria um ritmo respiratório único a cada respiração (e já sabemos como)

A respiração rege tudo o que fazemos, mas o seu ritmo não é cuidadosamente organizado pelas nossas células cerebrais. A cada respiração, surge um grupo desordenado de neurónios, como se fossem um solista a cantar a sua própria música. Só depois se juntam à banda, para harmonizar a melodia. Ou, neste caso, a respiração.

De acordo com um novo estudo levado a cabo por uma equipa de cientistas da UCLA e publicado na edição online da Neuron, o ritmo da nossa respiração não é cuidadosamente organizado pelas células cerebrais.

“Ficamos surpreendidos ao saber que a forma como as nossas células cerebrais trabalham em conjunto para gerar ritmo respiratório é diferente de todas as vezes que respiramos”, explicou o autor Jack Feldman, professor de neurobiologia da David Geffen School of Medicine da UCLA. “Cada respiração é como uma nova música com a mesma batida.”

Os cientistas analisaram uma pequena rede de neurónios – o complexo preBötzinger – depois de haver indícios de que esta região era o principal condutor do ritmo respiratório no cérebro. Em 2015, o laboratório de Jack Feldman descobriu que níveis surpreendentemente baixos de atividade no complexo preBötzinger estavam a impulsionar o ritmo da respiração.

Mas a descoberta de há cinco anos deixou um enigma no ar: como é que estas pistas geravam um ritmo respiratório infalível, cujo fracasso significa morte? Para responder a esta pergunta, a equipa estudou partes de tecido cerebral de ratos e isolou meticulosamente os neurónios do complexo pré-Bötzinger do tronco cerebral.

Ao registar a atividade elétrica das células num prato, a equipa conseguiu detetar as “conversas” dos neurónios com os vizinhos. Segundo o investigador Sufyan Ashhad, líder da investigação, a atividade dos neurónios assemelhava-se a uma banda, cujos membros cantavam uns sobre os outros, sem um maestro para organizar a composição musical.

Cada respiração, explica o EurekAlert, começa quando centenas de neurónios individuais disparam aleatoriamente em níveis baixos, sendo sincronizados posteriormente. O esforço sincronizado solicita uma explosão de atividade que sinaliza a contração dos músculos do diafragma e do tórax, causando a expansão deste último. De seguida, o ar entra e enche os pulmões para inalação.

À medida que o sinal diminui, o peito empurra o ar para fora dos pulmões para proceder à expiração. O ciclo repete-se, criando desta forma o ritmo da respiração. “Tendo em conta a confiabilidade da respiração, ficamos surpreendidos ao descobrir que os neurónios movem-se para sincronizar e gerar um ritmo que é diferente a cada ciclo respiratório”, disse Feldman.

A respiração é subjacente a todos os aspetos da função cerebral. Estes resultados A podem sugerir novas abordagens para o tratamento de distúrbios respiratórios em crianças autistas e de apneia do sono.

Além disso, compreender de que forma o ritmo da respiração é gerado também pode ajudar os cientistas a combater o aumento da taxa de mortalidade pelo uso de opióides, que suprimem a capacidade do cérebro de regular a respiração.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …

Biblioteca virtual no Minecraft dá voz a jornalistas censurados de todo o mundo

Enquanto governos de todo o mundo reprimem a liberdade jornalística e censuram a sua imprensa nacional, a Reporters Without Borders está a trabalhar para chegar ao público através de um canal improvável: uma enorme biblioteca …

Há mais 19 mortos em Portugal. Número de casos confirmados perto dos 6.000

Portugal registou, este domingo, mais 19 mortes devido ao surto de covid-19. O número de casos confirmados é de 5.962, mais 792 em relação aos números de sábado. A Direção-Geral de Saúde revelou este domingo o …