Cavalos-marinhos perdem interesse pela gravidez ao verem fêmea mais atraente

Um estudo do Centro de Investigação em Biodiversidades e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO) revelou que os machos da espécie do cavalo-marinho se “desinteressam pela gravidez quando são expostos a uma fêmea mais atraente”.

Em declarações à Lusa, o investigador Nuno Monteiro explicou que a investigação da Universidade do Porto, que analisou mais de 400 peixes da espécie Syngnathus abaster – pertencente à família dos cavalos-marinhos – teve como objetivo “descobrir qual o grau de controlo dos machos sobre a gravidez, visto que esta é uma gravidez masculina e única no reino animal”.

Durante a experiência, os investigadores portugueses observaram que, quando expostos a “uma fêmea mais atraente do que aquela com quem reproduziram”, os machos começavam a abortar e os embriões que geravam eram “muito pequenos”.

“Ao ver uma fêmea muito atraente, automaticamente o macho aumentou o número de abortos e os embriões que nasceram eram muito pequenos, alguns até com más formações”, explicou o investigador.

Segundo Nuno Monteiro, o aumento da taxa de abortos e as más formações dos embriões relacionam-se com o “desinteresse pela gravidez” por parte do macho, que deixa de produzir nutrientes para o embrião, guardando-os para uma “futura reprodução com a fêmea a que foi exposto”.

Para Nuno Monteiro, este estudo permitiu concluir que a estratégia utilizada por esta espécie ocorre “de forma similar ao efeito de Bruce”, apenas analisado em mamíferos e no qual a fêmea aborta quando exposta a um novo macho.

“Há uma série de evidências que mostram que existem paralelismos muito grandes, independentemente de a gravidez ocorrer num macho ou numa fêmea. Esta experiência é mais uma achega aos argumentos que mostram que existe uma semelhança entre a gravidez dos mamíferos placentários nas fêmeas e a família Syngnathidae“, salientou.

O estudo, batizado como o “efeito da Mulher de Vermelho” e desenvolvido por uma equipa de três investigadores portugueses e um sueco, foi publicado, esta quarta-feira, na revista Proceedings of the Royal Society B.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …