Catástrofe cósmica pode ter aniquilado tubarões pré-históricos gigantes

A explosão de estrelas há 2,6 milhões de anos pode ter contribuído para a extinção em massa que varreu os oceanos pré-históricos da Terra, eliminando criaturas como o tubarão gigante conhecido como Megalodon.

Partículas cósmicas destas supernovas cobriram a superfície do planeta Terra de tal forma que podem ter causado cancro em grandes criaturas marinhas. Entre as fatalidades aparentes, encontrava-se o Megalodon – um tubarão do tamanho de um autocarro dos dias de hoje.

A teoria foi apresentada por Adrian Melott, um físico da Universidade do Kansas, nos EUA. “Não há nenhuma boa explicação para a extinção da megafauna marinha”, disse, citado pelo The Independent. “Esta pode ser uma. É essa mudança de paradigma – sabemos que algo aconteceu e, quando aconteceu, podemos pela primeira vez aprofundar e procurar as coisas de uma maneira definitiva”.

Para chegar a esta hipótese, Melott baseou-se no seu conhecimento sobre supernovas históricas e evidências do impacto que tiveram na Terra. Os antigos depósitos no leito do mar de isótopos de ferro – formas radioativas de ferro – forneceram uma pista crucial.

As conclusões foram publicadas na revista Astrobiology a 12 de dezembro. Melott afirmou que não havia outra forma de estes materiais chegarem à Terra, exceto devido a explosões de supernova.

Mais apoio veio da estrutura do universo circundante. A Terra fica perto de algo chamado “Bolha Local” – uma enorme região de gás quente e denso que os astrónomos pensam que resultou de uma série de explosões de supernovas – a explosão de estrelas que atingiram o fim da sua vida. Devido à estrutura desta bolha, é possível que a Terra tenha sido banhada por raios cósmicos.

Durante este tempo, partículas chamadas “múons” teriam caído em grande número na superfície do planeta. Muóns – partículas elementares semelhantes a eletrões muito pesados – penetram profundamente as criaturas vivas, incluindo humanos, e são responsáveis por cerca de um quinto da dose de radiação que recebemos.

Geralmente, isto não seria um grande problema. Porém, ao aumentar a exposição aos múons, os investigadores consideram que a radiação poderia ter levado a um aumento das taxas de mutação e cancro. Os maiores animais podem ter sido especialmente suscetíveis, uma vez que seriam atingidos por uma maior dose de radiação.

“Estimamos que a taxa de cancro aumentaria em cerca de 50% para algo do tamanho de um ser humano – e quanto maior, pior seria”, disse Melott. Isto poderia explicar porque é que o Megalodon, bem como um terço de outras grandes criaturas do mar, não conseguiu sobreviver na época seguinte da história do planeta, o Plistoceno.

Os eventos de extinção em massa estão ligados a mudanças climáticas drásticas. Embora raios cósmicos que bombardeiam a atmosfera também possam estar ligados a um clima em mudança, os autores admitem que esta é “uma afirmação controversa”.

ZAP // Phys

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …

Fuse Valley, Matosinhos

Está a nascer em Matosinhos a Silicon Valley portuguesa (e até Siza Vieira está "espantado")

O "Fuse Valley" promete ser a Silicon Valley portuguesa, em Matosinhos, num empreendimento inovador da Farfetch e da Castro Group que até deixa o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, "espantado". A abertura está prevista …