Não é só o fogo de artifício. O seu cão pode ficar stressado com o barulho do microondas

1

Vídeo ZAP com o apoio de: Chip7 – 50 lojas de informática próximo de si

Embora os donos possam não se aperceber, os cães ficam stressados quando são expostos a ruídos domésticos comuns.

Quase toda a gente sabe que estrondos ruidosos como fogo de artifício ou trovoada desencadeiam ansiedade nos cães. Agora, um novo estudo levado a cabo pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, indica que até os ruídos comuns, como o do microondas, podem ser um gatilho.

Segundo o Phys, os ruídos intermitentes de alta frequência, como o aviso da bateria de um detetor de fumo, são mais suscetíveis a causar ansiedade canina, se comparados com ruídos contínuos de baixa frequência.

Acasalamento, tremores ou recuo são alguns dos sinais mais comuns de ansiedade, mas os donos podem não identificar sinais de medo ou ansiedade quando os comportamentos são mais subtis.

Nestes casos, os animais podem ofegar, lamber os lábios, virar ou baixar a cabeça, endurecer o corpo ou virar as orelhas para trás.

Nesta investigação, os cientistas norte-americanos fizeram um inquérito a 386 donos de cães sobre as respostas dos seus animais de estimação a sons domésticos.

Depois, analisaram os comportamentos caninos registados, assim como as reações humanas dos donos, através de 62 vídeos disponíveis online.

O estudo concluiu que os donos não só subestimaram o medo dos cães, como a grande maioria respondeu com divertimento em vez de demonstrar preocupação pelo bem-estar do animal.

“Existe um desencontro entre as perceções dos donos sobre o medo e a quantidade de comportamento temeroso realmente presente. Alguns reagem com divertimento em vez de preocupação”, disse Emma Grigg, professora na Faculdade de Medicina Veterinária da UC.

“Esperamos que este estudo leve as pessoas a pensar sobre as fontes de som que podem estar a causar stress ao seu cão, para que possam tomar medidas para minimizar a exposição do animal ao mesmo”, acrescentou a especialista.

O artigo científico foi publicado, em novembro, na Frontiers in Veterinary Science.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.