Candidatos do Podemos detidos por produção ilegal de canábis

A polícia espanhola deteve dois candidatos autárquicos do Podemos por cultivo ilegal de canábis. Rocío Pérez Trueba, a número dois da lista do partido à Câmara de Laredo, na Cantábria, e Jacob san Emeterio, o número oito, teriam em casa uma instalação que permitia o cultivo de mais de 500 plantas de marijuana.

De acordo com o jornal El Español, para além disto, terão ainda sido apreendidos mais de dois quilos de marijuana seca. Os dois candidatos tencionavam ser eleitos nas próximas autárquicas que se vão realizar no mesmo dia das europeias, 26 de maio. Tanto Trueba como Emeterio já renunciaram aos cargos que tinham no Podemos “para não perturbar a boa imagem do partido”.

A candidata publicou no site do partido em 4 de abril de 2015, que entendia os problemas dos cidadãos da sua comunidade, uma vez que eram os mesmos que os dela. “Graças aos meus filhos, percebi que são o futuro, acredito que deixando nas mãos dos atuais políticos que o futuro é muito incerto, portanto, acredito que chegou a hora da nossa comunidade lutar pela mudança tão necessária e, por tudo isso, ofereço-me aos cidadãos da minha comunidade, porque entendo os seus problemas”.

Por seu turno, o número 8 do partido expressou que acredita na honestidade, transparência e respeitando as regras. “Houve vários dos meus colegas que me deram um empurrão para apresentar esta candidatura a um órgão em que considero muito útil e importante, acredito em respeito mútuo, e apresento-me ao Conselho Cidadão porque acredito na honestidade, na transparência e no respeito às regras, confio que abriremos uma nova etapa na qual seremos fiéis ao espírito fundador do Podemos e não a interesses particulares ou lutas pelo poder”.

As investigações da polícia começaram em janeiro, quando foram recebidas denúncias relativas à utilização suspeita de uma vivenda na cidade de Ampuero por parte dos dois candidatos do partido espanhol.

Depois de se pôr em marcha uma operação de vigilância por parte das autoridades, foram recolhidos fortes indícios de utilização do imóvel para cultivo de substâncias ilegais, o que se veio a confirmar com uma busca da polícia espanhola à casa.

Para além dos crimes contra a saúde pública, os dois suspeitos estão ainda acusados de um crime de fraude por alegadamente fazerem funcionar a instalação de cultivo com rede elétrica ilegalmente ligada à casa.

 

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.