Campo magnético da Lua durou mais tempo do que se pensava

Andrew Smith / Flickr

O campo magnético da Lua durou mais tempo do que se pensava, o que pode ter implicações para a vida e a possível habitabilidade de outras luas ou planetas, conclui um estudo divulgado esta quarta-feira.

Segundo o estudo, divulgado na Science Advances, o campo magnético lunar durou mais mil milhões a 2,5 mil milhões de anos do que se julgava. Atualmente, a Lua, ao contrário da Terra, não tem campo magnético, um ‘escudo’ contra a radiação solar.

Investigadores da Universidade de Rutgers e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, chegaram ao intervalo temporal ao aquecerem uma rocha lunar recolhida pela missão espacial Apollo 15, em 1971.

Com este procedimento, conseguiram recuperar com precisão a intensidade do campo magnético lunar. Os planetas e as luas geram no seu núcleo campos magnéticos e as rochas destes corpos celestes podem ficar com o registo dos campos magnéticos aos quais foram expostos.

O campo magnético da Terra protege o planeta de radiação ionizante e do vento solar. Sem este ‘escudo’, a Terra teria mais radiação e a vida, tal como se conhece, seria eventualmente diferente ou simplesmente não existiria.

“Quem sabe como a vida responderia a um ambiente tão instável como este, a Terra seria um sítio mais inóspito para se sobreviver”, assinala a autora principal do estudo, Sonia Tikoo, da Universidade de Rutgers.

A investigadora reanalisou a pequena rocha lunar, que se terá formado na sequência de um impacto de um meteoro na superfície da Lua, com um magnetómetro (instrumento para medir a intensidade, direção e sentido de campos magnéticos).

Primeiro, desmagnetizou lentamente a rocha para chegar à sua magnetização original, aquecendo-a a 780ºC numa câmara com atmosfera controlada, para evitar que o calor alterasse as propriedades da rocha.

A equipa científica pensa que o campo magnético da Lua diminuiu cerca de 90% em relação ao seu ponto mais alto – há 3,56 mil milhões de anos, nesta altura o campo magnético lunar tinha quase a mesma força que o da Terra atualmente.

A rocha lunar examinada, que terá entre mil milhões e 2,5 mil milhões de anos, possuía uma intensidade magnética dez vezes inferior à de há 3,56 mil milhões de anos.

“Quando o campo magnético de um planeta morre, como sucedeu com Marte há quatro mil milhões de anos, partículas ionizantes da sua estrela podem levar à perda de água, elemento fundamental para a vida, durante centenas de milhões de anos”, adiantou Sonia Tikoo.

“Sempre que olhamos para exoplanetas e para as luas de exoplanetas que podem estar na zona habitável – a região em redor de uma estrela onde o nível de radiação permitiria haver água líquida na superfície de um planeta -, podemos considerar o campo magnético como uma importante peça na habitabilidade“, defendeu a cientista.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. A nossa Lua é a única que se conhece que forma um eclipse solar PERFEITO.
    Analisem as distâncias ,tipo de órbita e as “coincidências” numéricas da relação Lua/Terra e tirem as vossas próprias conclusões. Será impossível negar tamanha perfeição.
    LUA = satélite não nativo do nosso sistema solar e que foi estrategica e perfeitamente colocado, de modo a tornar a vida na Terra mais harmoniosa, com as condições perfeitas para a vida de todas as espécies, principalmente dos mamíferos. A vida na Terra seria caótica sem a Lua. Está perfeitamente colocada onde deve estar.

  2. Importante e interessante seria explicar o que leva ao desaparecimento do campo magnético nos planetas. Será que o ZAP futuramente vai publicar um artigo que explique isso?

RESPONDER

Robôs substituem estudantes em cerimónia de graduação no Japão

Impedidos de estarem na sua cerimónia de graduação por causa do novo coronavírus, estudantes japoneses marcaram presença com a ajuda de robôs. Com as universidades fechadas devido à pandemia de covid-19, muitos foram os estudantes universitários …

Governo flexibiliza prescrição eletrónica de medicamentos

Esta quinta-feira, foi publicado em Diário da República o decreto-lei que cria o regime excecional de prescrição eletrónica de medicamentos durante o estado de emergência. O Governo criou um regime excecional de prescrição eletrónica de …

Médicos imigrantes impedidos de ajudar a combater o coronavírus nos EUA

Devido às regras dos vistos, muitos médicos imigrantes estão a ser proibidos de ajudar a combater a pandemia de covid-19 fora do hospital em que trabalham. Os Estados Unidos continuam a sentir em força as consequências …

Espanha insiste em emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo"

A ministra da Economia espanhola diz que o acordo alcançado pelo Eurogrupo "fazia falta", mas insiste que haja emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo". O Parlamento espanhol aprovou, entretanto, a renovação do estado …

Hyundai apresenta conceito de novo elétrico conduzido com joysticks

A Hyundai apresentou o conceito para um novo veículo, chamado Prophecy. O carro elétrico não é guiado pelo tradicional volante, mas sim por dois joysticks. As feiras automóveis estão todas interrompidas devido à pandemia de covid-19, …

Hospital da Cruz Vermelha excluído da rede de combate à pandemia

O Hospital da Cruz Vermelha não vai integrar a "rede covid", criada em resposta à pandemia do novo coronavírus, anunciou esta quinta-feira o executivo, realçando que esta decisão é tomada porque, face à situação atual, …

Coronavírus. Luvas de látex são perigosas quando não utilizadas corretamente

Quase como acontece com as máscaras, caso não sejam utilizadas corretamente, as luvas descartáveis de látex podem ser perigosas, ajudando a disseminar mais facilmente o vírus. A pandemia de covid-19 despertou grande interesse de como as …

Bloco de Esquerda "não vai aceitar austeridade" no pós-pandemia

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda diz que "não vai aceitar austeridade" em 2021, após a pandemia da covid-19, e garantiu que, pelo seu partido, "não faltará maioria" para ajudar Portugal a sair de …

Em Canonica d'Adda, homens e mulheres têm dias diferentes para ir às compras

A presidente da câmara de uma pequena cidade da Lombardia, Canonica d'Adda, em Itália, decidiu que homens e mulheres terão dias diferentes para fazer compras, visando limitar a multidão nas lojas e lutar contra a …

Linhas de crédito alargadas a todos os setores de atividade

O Governo alargou os apoios "à globalidade do tecido empresarial", nomeadamente aos setores do comércio e serviços, dos transportes, do imobiliário, da construção, indústrias extrativas e transformadoras. As linhas de crédito lançadas pelo Governo para apoiar …