Campo magnético da Lua durou mais tempo do que se pensava

Andrew Smith / Flickr

O campo magnético da Lua durou mais tempo do que se pensava, o que pode ter implicações para a vida e a possível habitabilidade de outras luas ou planetas, conclui um estudo divulgado esta quarta-feira.

Segundo o estudo, divulgado na Science Advances, o campo magnético lunar durou mais mil milhões a 2,5 mil milhões de anos do que se julgava. Atualmente, a Lua, ao contrário da Terra, não tem campo magnético, um ‘escudo’ contra a radiação solar.

Investigadores da Universidade de Rutgers e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, chegaram ao intervalo temporal ao aquecerem uma rocha lunar recolhida pela missão espacial Apollo 15, em 1971.

Com este procedimento, conseguiram recuperar com precisão a intensidade do campo magnético lunar. Os planetas e as luas geram no seu núcleo campos magnéticos e as rochas destes corpos celestes podem ficar com o registo dos campos magnéticos aos quais foram expostos.

O campo magnético da Terra protege o planeta de radiação ionizante e do vento solar. Sem este ‘escudo’, a Terra teria mais radiação e a vida, tal como se conhece, seria eventualmente diferente ou simplesmente não existiria.

“Quem sabe como a vida responderia a um ambiente tão instável como este, a Terra seria um sítio mais inóspito para se sobreviver”, assinala a autora principal do estudo, Sonia Tikoo, da Universidade de Rutgers.

A investigadora reanalisou a pequena rocha lunar, que se terá formado na sequência de um impacto de um meteoro na superfície da Lua, com um magnetómetro (instrumento para medir a intensidade, direção e sentido de campos magnéticos).

Primeiro, desmagnetizou lentamente a rocha para chegar à sua magnetização original, aquecendo-a a 780ºC numa câmara com atmosfera controlada, para evitar que o calor alterasse as propriedades da rocha.

A equipa científica pensa que o campo magnético da Lua diminuiu cerca de 90% em relação ao seu ponto mais alto – há 3,56 mil milhões de anos, nesta altura o campo magnético lunar tinha quase a mesma força que o da Terra atualmente.

A rocha lunar examinada, que terá entre mil milhões e 2,5 mil milhões de anos, possuía uma intensidade magnética dez vezes inferior à de há 3,56 mil milhões de anos.

“Quando o campo magnético de um planeta morre, como sucedeu com Marte há quatro mil milhões de anos, partículas ionizantes da sua estrela podem levar à perda de água, elemento fundamental para a vida, durante centenas de milhões de anos”, adiantou Sonia Tikoo.

“Sempre que olhamos para exoplanetas e para as luas de exoplanetas que podem estar na zona habitável – a região em redor de uma estrela onde o nível de radiação permitiria haver água líquida na superfície de um planeta -, podemos considerar o campo magnético como uma importante peça na habitabilidade“, defendeu a cientista.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. A nossa Lua é a única que se conhece que forma um eclipse solar PERFEITO.
    Analisem as distâncias ,tipo de órbita e as “coincidências” numéricas da relação Lua/Terra e tirem as vossas próprias conclusões. Será impossível negar tamanha perfeição.
    LUA = satélite não nativo do nosso sistema solar e que foi estrategica e perfeitamente colocado, de modo a tornar a vida na Terra mais harmoniosa, com as condições perfeitas para a vida de todas as espécies, principalmente dos mamíferos. A vida na Terra seria caótica sem a Lua. Está perfeitamente colocada onde deve estar.

  2. Importante e interessante seria explicar o que leva ao desaparecimento do campo magnético nos planetas. Será que o ZAP futuramente vai publicar um artigo que explique isso?

RESPONDER

O nosso cabelo sabe o que comemos, onde moramos e quanto custou o corte

Milímetro a milímetro, o cabelo constrói um registo da nossa dieta. Como os fios de cabelo são construídos a partir de aminoácidos, preservam os traços químicos da proteína da comida que ingerimos. Os fios de cabelo …

Não foram meteoros. Uma forte atividade vulcânica arrefeceu a Terra há 13 mil anos

Porque é que a Terra arrefeceu repentinamente há 13 mil anos? Sedimentos antigos encontrados numa caverna no Texas, nos Estados Unidos, parecem ter resolvido este grande mistério. Alguns cientistas acreditam que o fenómeno que arrefeceu repentinamente …

Novo método prevê erupções solares com algumas horas de antecedência

Um novo método capaz de prever explosões solares poderia ajudar a Humanidade a preparar-se contra possíveis desastres causados por este fenómeno explosivo da nossa estrela. As erupções solares são explosões que ocorrem na superfície do Sol …

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …