Cama usada em hotel durante 15 anos pode ter sido o leito de núpcias do Rei Henrique VII

Uma cama de carvalho esculpido que passou 15 anos numa suite de lua de mel de um hotel em Chester, no Reino Unido, tinha uma história escondida: pode ser a cama perdida da realeza do século XV.

Foi nela que o rei Henrique VII e Isabel de York celebraram o fim das Guerras das Rosas – durante as quais morreu o rei Ricardo III – e deram à luz a famosa dinastia Tudor da Inglaterra.

A antiga identidade da cama veio à tona depois de ter sido retirada do hotel e descartada para um estacionamento. Foi resgatada por um negociante de antiguidades que a classificou como “uma cama de dossel vitoriana esculpida com escudos heráldicos”, segundo a descrição de um simpósio sobre a história da cama, realizada em 21 de janeiro no Victoria and Albert Museum, em Londres.

Quando Ian Coulson, um restaurador e comerciante de camas antigas, comprou a cama online em 2010, descobriu que a madeira era muito mais antiga do que o vendedor suspeitava. Além disso, os enfeites da cama sugeriam origens reais, de acordo com a National Geographic.

A cama restaurada tem três metros de altura e mede dois metros de comprimento por 1,7 de largura, de acordo com representantes da The Langley Collection, à qual a cama pertence.

Os quatro postes terminam com leões esculpidos, a um dos quais está a faltar uma cauda. Esculturas de timbres, trepadeiras e escudos heráldicos cobrem a moldura. A cabeceira inclui um tríptico com um painel central de Adão e Eva.

Pistas na madeira envernizada e na qualidade e conteúdo das esculturas sugeriram a Coulson que se tratava de uma cama nupcial real e que pertencia a Henrique VII. Embora a afirmação inicialmente parecesse absurda, Coulson passou os nove anos seguintes a acumular evidências das origens da cama.

Quando Coulson examinou a cama, encontrou danos no carvalho – o que seria razoavelmente esperado para uma cama construída durante a era vitoriana – e a quantidade de oxidação nas colunas da cama levaria séculos para acumular-se.

Os rostos na escultura da cabeceira de Adão e Eva lembram os primeiros retratos de Henrique VII e da rainha e as figuras são cercadas por símbolos de fertilidade – bolotas, uvas e morangos, escreveu o historiador Jonathan Foyle.

Emblemas como estrelas, escudos, leões e rosas esculpidos na estrutura da cama eram frequentemente associados à realeza de Tudor – combinavam com o estilo das camas sobreviventes dos Tudor dos séculos XV e XVI.

“A idade da madeira, os dispositivos reais com a falta de outras insígnias familiares e o design e execução requintados da escultura convenceram-me de que era uma cama real de Henrique VII”, afirmou Coulson.

Análise de ADN na madeira confirmaram que se trata de madeira da Europa central da variedade genética conhecida como haplótipo-7, encontrado no sul de França através da Bielorrússia. Amostras de tinta sob o verniz da cabeceira revelaram manchas de um pigmento medieval azul, que era mais precioso do que o ouro, e que teria sido usado para decorar camas pertencentes à realeza.

O casamento de Henrique VII e Elizabeth de York foi um ponto de viragem na história britânica. O evento uniu as casas rivais de York e Lancaster e encerrou o conflito de 30 anos conhecido como as Guerras das Rosas, começando a dinastia britânica conhecida como a casa de Tudor.

A cama foi instalada num quarto cerimonial no Palácio de Westminster para os recém-casados, depois do casamento na Abadia de Westminster, a 18 de janeiro de 1486.

A maioria dos pertences de Tudor daquele período foram perdidos, queimados em incêndios provocados por anti-monarquistas e, até agora, a única cama Tudor conhecida é um fragmento de cabeceira que pertenceu a Henrique VIII e Ana de Cleves. No entanto, acredita-se que a cama de Henrique VII tenha sobrevivido aos incêndios em Westminster porque foi enviada para Lancashire em 1495.

PARTILHAR

RESPONDER

O Ciclo Solar 25 vai afetar a vida na Terra (e a NASA explica como)

A cada 11 anos, o Sol inicia um novo ciclo solar, marcado por períodos de violentas erupções e explosões magnéticas. Em dezembro de 2019, teve início um novo ciclo solar. Na semana passada, a NASA e …

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …