/

Caçador de planetas. NASA espera que o telescópio Roman encontre 100 mil novos mundos

NASA, NASA-GSFC

Telescópio espacial Roman da NASA

A missão do telescópio espacial Roman da NASA – que será lançado em meados da década de 2020 – deve encontrar pelo menos 100 mil novos exoplanetas, dizem astrónomos.

Desde a década de 1990, foram descobertos mais de quatro mil exoplanetas – planetas fora do nosso Sistema Solar, que orbitam outras estrelas.

Agora, o Telescópio Espacial Roman da NASA – cujo nome é uma homenagem à astrónoma americana Nancy Grace Roman – desempenhará um importante papel na descoberta de novos mundos.

Na verdade, a NASA espera que o Roman descubra mais de 100 mil exoplanetas, anunciou a agência espacial americana no fim de março.

Mas como será isso possível? A maioria dos telescópios usa principalmente um método, mas, de acordo com a Earth Sky, o telescópio Roman usará dois métodos diferentes para detetar exoplanetas: o método de trânsito e a microlente.

Assim, o telescópio da NASA – anteriormente conhecido como Wide Field Infrared Survey Telescope (WFIRST) – será um dos mais prolíficos caçadores de planetas já lançado.

O processo da microlente consiste na utilização de efeitos de curvatura da luz gravitacional de objetos massivos para detetar planetas que estão a orbitar uma estrela, monitorizando as pequenas mudanças na luz produzida por si.

Isso acontece quando uma estrela mais distante se alinha com a estrela mais próxima, que atua como uma espécie de lente, dobrando a luz que vem da estrela mais distante.

Como o alinhamento muda ligeiramente ao longo dos dias e das semanas, devido ao movimento das estrelas, o brilho da estrela mais distante também muda ligeiramente. Observando o padrão de mudanças na luz da estrela-alvo, os astrónomos conseguem encontrar pistas sobre a existência de planetas que, possivelmente, a orbitem.

No entanto, este evento não acontece com frequência. Por isso, o Roman também irá procurar planetas recorrendo ao método de trânsito, que é a técnica mais comum.

“Os eventos de microlente são raros e ocorrem rapidamente, por isso, é preciso olhar para muitas estrelas repetidamente e medir com precisão as mudanças de brilho para as detetar. Essas são exatamente as mesmas coisas que é preciso fazer para encontrar planetas em trânsito, portanto, ao criar uma pesquisa de microlente robusta, o Roman também produzirá uma boa pesquisa de trânsito”, disse Ben Montet, professor da Universidade de New South Wales, na Austrália, em comunicado.

A maioria das descobertas do Roman deve surgir através do método de trânsito e o telescópio deve ser capaz de encontrar 100 mil planetas, ou mais, disse Montet, que, em 2017, publicou um artigo no qual detalhava o que este telescópio deveria ser capaz de realizar, quando ainda se chamava WFIRST.

Enquanto transita, o brilho da estrela hospedeira diminui levemente à medida que um planeta passa à sua frente, visto da Terra. Ao analisar as mudanças na luz, os cientistas podem determinar com alguma precisão o tamanho de um planeta e as observações de acompanhamento podem até ajudar a determinar a sua massa e o tamanho da órbita.

Embora se espere que o método de trânsito encontre muito mais planetas do que o processo de microlente, os dois métodos são complementares. Muitos exoplanetas foram encontrados enquanto descreviam uma órbita curta à volta das suas estrelas, e o método de trânsito é mais adequado para os encontrar.

A microlente, por outro lado, é mais útil para detetar planetas cuja órbita é mais longa, podendo até encontrar planetas desonestos – que não orbitam nenhuma estrela e estão apenas a flutuar livremente no espaço interestelar.

Assim, a combinação dos dois métodos ajudará os cientistas a encontrar exoplanetas com uma ampla variedade de tamanhos e órbitas.

De acordo com Jennifer Yee, astrofísica do Center for Astrophysics da Universidade de Harvard e do Instituto Smithsonian, “o facto de sermos capazes de detetar milhares de planetas em trânsito apenas observando os dados de microlentes que já foram obtidos é emocionante. É ciência gratuita”.

Que planetas serão descobertos?

A maioria dos planetas que o telescópio espacial da NASA irá descobrir, cerca de 75%, serão provavelmente gigantes gasosos semelhantes a Júpiter e a Saturno. Mas também se espera que sejam descobertos gigantes gelados, como Urano e Neptuno, e mini-Neptunos (quatro a oito vezes a massa da Terra).

Alguns desses planetas provavelmente estarão dentro das zonas habitáveis ​​das suas estrelas, a região onde as temperaturas podem permitir que a água permaneça líquida nas superfícies dos mundos rochosos.

Roman irá cobrir um novo território celestial e olhar mais aprofundadamente para a nossa galáxia do que nunca, sendo capaz de encontrar planetas a até 26 mil anos-luz de distância da Terra.

Em comparação, o Telescópio Espacial Kepler, que concluiu recentemente a sua missão, estudou estrelas a até dois mil anos-luz de distância, em média, e o TESS concentra-se em procurar planetas a cerca de 150 anos-luz.

O Roman foi nomeado em homenagem a Nancy Grace Roman (1925-2018), a primeira comandante-chefe da NASA, que abriu o caminho para telescópios espaciais focados no estudo de um universo mais amplo. Além disso, é considerada a “mãe” do Telescópio Espacial Hubble.

“Nancy Grace Roman era uma líder e defensora cuja dedicação contribuiu para a NASA seguir o campo da astrofísica e o levar mais além. O seu nome merece um lugar no céu, que ela estudou e abriu para tantos”, disse Thomas Zurbuchen, da NASA.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.