Caçador de planetas. NASA espera que o telescópio Roman encontre 100 mil novos mundos

NASA, NASA-GSFC

Telescópio espacial Roman da NASA

A missão do telescópio espacial Roman da NASA – que será lançado em meados da década de 2020 – deve encontrar pelo menos 100 mil novos exoplanetas, dizem astrónomos.

Desde a década de 1990, foram descobertos mais de quatro mil exoplanetas – planetas fora do nosso Sistema Solar, que orbitam outras estrelas.

Agora, o Telescópio Espacial Roman da NASA – cujo nome é uma homenagem à astrónoma americana Nancy Grace Roman – desempenhará um importante papel na descoberta de novos mundos.

Na verdade, a NASA espera que o Roman descubra mais de 100 mil exoplanetas, anunciou a agência espacial americana no fim de março.

Mas como será isso possível? A maioria dos telescópios usa principalmente um método, mas, de acordo com a Earth Sky, o telescópio Roman usará dois métodos diferentes para detetar exoplanetas: o método de trânsito e a microlente.

Assim, o telescópio da NASA – anteriormente conhecido como Wide Field Infrared Survey Telescope (WFIRST) – será um dos mais prolíficos caçadores de planetas já lançado.

O processo da microlente consiste na utilização de efeitos de curvatura da luz gravitacional de objetos massivos para detetar planetas que estão a orbitar uma estrela, monitorizando as pequenas mudanças na luz produzida por si.

Isso acontece quando uma estrela mais distante se alinha com a estrela mais próxima, que atua como uma espécie de lente, dobrando a luz que vem da estrela mais distante.

Como o alinhamento muda ligeiramente ao longo dos dias e das semanas, devido ao movimento das estrelas, o brilho da estrela mais distante também muda ligeiramente. Observando o padrão de mudanças na luz da estrela-alvo, os astrónomos conseguem encontrar pistas sobre a existência de planetas que, possivelmente, a orbitem.

No entanto, este evento não acontece com frequência. Por isso, o Roman também irá procurar planetas recorrendo ao método de trânsito, que é a técnica mais comum.

“Os eventos de microlente são raros e ocorrem rapidamente, por isso, é preciso olhar para muitas estrelas repetidamente e medir com precisão as mudanças de brilho para as detetar. Essas são exatamente as mesmas coisas que é preciso fazer para encontrar planetas em trânsito, portanto, ao criar uma pesquisa de microlente robusta, o Roman também produzirá uma boa pesquisa de trânsito”, disse Ben Montet, professor da Universidade de New South Wales, na Austrália, em comunicado.

A maioria das descobertas do Roman deve surgir através do método de trânsito e o telescópio deve ser capaz de encontrar 100 mil planetas, ou mais, disse Montet, que, em 2017, publicou um artigo no qual detalhava o que este telescópio deveria ser capaz de realizar, quando ainda se chamava WFIRST.

Enquanto transita, o brilho da estrela hospedeira diminui levemente à medida que um planeta passa à sua frente, visto da Terra. Ao analisar as mudanças na luz, os cientistas podem determinar com alguma precisão o tamanho de um planeta e as observações de acompanhamento podem até ajudar a determinar a sua massa e o tamanho da órbita.

Embora se espere que o método de trânsito encontre muito mais planetas do que o processo de microlente, os dois métodos são complementares. Muitos exoplanetas foram encontrados enquanto descreviam uma órbita curta à volta das suas estrelas, e o método de trânsito é mais adequado para os encontrar.

A microlente, por outro lado, é mais útil para detetar planetas cuja órbita é mais longa, podendo até encontrar planetas desonestos – que não orbitam nenhuma estrela e estão apenas a flutuar livremente no espaço interestelar.

Assim, a combinação dos dois métodos ajudará os cientistas a encontrar exoplanetas com uma ampla variedade de tamanhos e órbitas.

De acordo com Jennifer Yee, astrofísica do Center for Astrophysics da Universidade de Harvard e do Instituto Smithsonian, “o facto de sermos capazes de detetar milhares de planetas em trânsito apenas observando os dados de microlentes que já foram obtidos é emocionante. É ciência gratuita”.

Que planetas serão descobertos?

A maioria dos planetas que o telescópio espacial da NASA irá descobrir, cerca de 75%, serão provavelmente gigantes gasosos semelhantes a Júpiter e a Saturno. Mas também se espera que sejam descobertos gigantes gelados, como Urano e Neptuno, e mini-Neptunos (quatro a oito vezes a massa da Terra).

Alguns desses planetas provavelmente estarão dentro das zonas habitáveis ​​das suas estrelas, a região onde as temperaturas podem permitir que a água permaneça líquida nas superfícies dos mundos rochosos.

Roman irá cobrir um novo território celestial e olhar mais aprofundadamente para a nossa galáxia do que nunca, sendo capaz de encontrar planetas a até 26 mil anos-luz de distância da Terra.

Em comparação, o Telescópio Espacial Kepler, que concluiu recentemente a sua missão, estudou estrelas a até dois mil anos-luz de distância, em média, e o TESS concentra-se em procurar planetas a cerca de 150 anos-luz.

O Roman foi nomeado em homenagem a Nancy Grace Roman (1925-2018), a primeira comandante-chefe da NASA, que abriu o caminho para telescópios espaciais focados no estudo de um universo mais amplo. Além disso, é considerada a “mãe” do Telescópio Espacial Hubble.

“Nancy Grace Roman era uma líder e defensora cuja dedicação contribuiu para a NASA seguir o campo da astrofísica e o levar mais além. O seu nome merece um lugar no céu, que ela estudou e abriu para tantos”, disse Thomas Zurbuchen, da NASA.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Secreto e lucrativo, o mercado de venda de "fezes de cachalote" pode também ser violento

O âmbar cinza é altamente raro, mas também altamente valioso. Usada na indústria dos perfumes, o mercado deste material pode ser muito perigoso. Deixa na pele uma resina oleosa e tem um cheiro a tabaco, madeira, …

Empresa norueguesa garante que pode "parar" furacões antes que estes se tornam destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de "cortina de bolhas" proposto pela empresa pode provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, uma startup norueguesa, assegura que a sua nova tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem …

Afeganistão: Familiares consideram "insuficientes" pedido de desculpas dos EUA

Familiares dos civis afegãos mortos por "engano" durante um ataque de um avião não tripulado 'drone' norte-americano no final de agosto em Cabul consideraram este sábado "insuficiente" o pedido de desculpas de Washington, numa entrevista …

Descoberta de pegadas fossilizadas em Espanha revela a existência de um "berçário" de elefantes

Pegadas fossilizadas foram encontradas numa praia no sul da Espanha e mostram o que pode ter sido o berçário de uma espécie extinta de elefantes. O local costeiro, situado na região de Huelva, estava normalmente coberto …

Morreu aos 98 anos o historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França

O historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França morreu este sábado, aos 98 anos, na casa de saúde de Jarzé, perto da cidade francesa de Angers, disse à Lusa a pintora Emília Nadal, sua …

Ventura: "Não vejo outra possibilidade senão a ministra da Saúde ou pedir desculpa ou ser afastada"

O Chega vai questionar formalmente o Governo pelo “facto de a ministra da Saúde ter utilizado um carro do Estado” para ir a uma ação de campanha no Porto na sexta-feira, anunciou este sábado André …

Ouvir 30 segundos de uma sonata de Mozart pode reduzir ataques de epilepsia

Ouvir a Sonata para Dois Pianos em Ré Maior (K448), de Wolfgang Amadeus Mozart, durante pelo menos 30 segundos, ajuda a reduzir a atividade elétrica cerebral associada à epilepsia resistente a medicação. Os resultados também sugerem …

Astrónomos resolvem mistério cósmico com 900 anos

Um mistério cósmico com 900 anos, em torno das origens de uma famosa supernova observada pela primeira vez na China no ano 1181, foi finalmente resolvido. Uma nova investigação, publicada dia 15 de setembro no The …

Bons hábitos alimentares podem reduzir a probabilidade de contrair covid-19

Um novo estudo indica que as pessoas que comem muitas frutas e vegetais podem ter menos probabilidades de contrair covid-19. Num pesquisa que envolveu 590 mil adultos, os investigadores descobriram que as pessoas que eram adeptas …

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …