“Naturalizei-me por causa dos Jogos Olímpicos. Brasil é mais racista do que Portugal”

Michal Cizek / AFP

Rochele Nunes reage após vitória sobre a bósnia Larisa Ceric durante o Europeu de Judo 2020

Relatos incríveis de Rochele Nunes, que espera conquistar uma medalha em Tóquio. Mundiais de Judo começam neste domingo.

Considera-se uma “negra privilegiada“, cresceu num ambiente familiar pacífico, teve uma infância muito boa, mas tem vários episódios incríveis para contar. Rochele Jesus Nunes, que nasceu há quase 32 anos em Pelotas, no Brasil, veio para Portugal e faz parte da seleção portuguesa de judo desde 2019.

“No meu bairro nunca tive uma referência negra, nem entre os amigos”, começou por contar a judoca ao Globoesporte. Com uma família “diferenciada” desde cedo, a atleta sempre se sentiu “diferente” dos amigos. Foi olhada de lado pelas colegas de turma, na escola, quando disse que não conseguia acompanhá-las numa saída para as compras: “Hoje vejo que não foi só uma questão financeira. Havia questões da cor da pele”.



Quando o pai comprou um carro mais caro, a polícia mandou-o parar várias vezes: “Era para percebermos que um preto com carro importado vai sempre chamar a atenção“. Mais tarde, já casada, quando ia abrir a porta da sua casa, a pessoa que estava do lado de fora perguntava onde estava a dona da casa.

Com 123 quilos, e “muito bem resolvida com isso”, a judoca acha que as outras pessoas incomodam-se e preocupam-se muito mais com o seu peso e com a sua saúde do que ela própria.

“Ser pesada foi uma escolha que eu fiz”, assegura. Dentro do mundo do judo, ouve comentários: “Ah, você é gordinha, mas as outras têm corpo muito pior do que o teu. Se eu escuto isso, outras pessoas devem escutar coisas ainda piores”.

“Para as meninas mais novinhas que são gordinhas, eu tento passar a ideia de que não têm motivo para ter vergonha. O peso alto não significa que se deixe de ser vaidosa“, reforçou.

Mudança para Portugal

Rochele Nunes não esconde que veio viver para Portugal, e naturalizou-se portuguesa, por causa dos Jogos Olímpicos: “Vir para Portugal foi juntar a fome com a vontade de comer. No Brasil, eu era a terceira classificada no ranking nacional. Era muito difícil ir aos Jogos Olímpicos. Aí apareceu a oportunidade”.

A primeira vez que vim a Portugal foi em passeio. Quando cheguei, conversei com pessoas que confiavam no meu trabalho e tinham vontade de fazer esse investimento. E aí eu vi o quanto talvez eu fosse boa, mesmo já achando que não fosse”, explica a judoca.

Morar em Portugal trouxe outras vantagens: “Também foi muito bom para minha personalidade como negra. Ganhei mais poder. Portugal tem uma colónia muito grande de africanos e acho que me vi representada pela primeira vez”.

“Quando me perguntaram de onde minha família era, a descendência, respondi que eram descendentes de escravos. Uma menina de 13 anos deu-me uma lição. Disse-me que todos nós somos descendentes de escravos, mas eu tinha que ir atrás de onde eles vieram, a origem, o país. Ser uma criança a explicar-me a importância disso foi um estalo na cara. Fiz um daqueles exames de ADN e deu que eu tenho origem senegalesa e cabo-verdiana”, relatou.

Rochele tem lido sobre a história de Portugal, sobre a cultura portuguesa, a cultura desportiva e também sobre o judo em Portugal: “Estimulei, acendi essa chama de ser portuguesa dentro de mim. É difícil criar raízes num lugar que não é o que nasceste, mas foi uma escolha que eu fiz”.

Racismo brasileiro, desconfiança portuguesa

Em outubro do ano passado, depois de ter falhado por pouco a conquista de uma medalha num Grand Slam de judo, a portuguesa recebeu uma mensagem, que indicava que Brasil e Portugal tinham vergonha dela e na qual se lia: “Foste para a Europa mas deverias ter ido para o inferno, macaca de m…”.

“Mexeu muito comigo. Comecei a tremer, a chorar, deu-me uma raiva! Eu tinha perdido a competição e logo a seguir dizem que eu sou uma vergonha. O meu pais quis ir logo à polícia. Pela minha história de vida, por ter tido uma infância privilegiada, diferenciada, eu achava que estava isenta disso. Não estou. E fiquei muito triste”, recordou a judoca.

Rochele considera que o Brasil é um país “mais racista” do que Portugal: “Aqui há muito imigrantes, os jovens pensam de forma diferente. Abominam qualquer tipo de preconceito. No Brasil ainda há muito racismo camuflado”, criticou, salientando no entanto que os portugueses são “mais desconfiados“.

E explicou: “Eu sentia que tinham um pé atrás por causa de outros casos de pessoas que migraram e não deram certo. Queriam ver se eu não era mais uma brasileira querendo ganhar algo em cima, que chegou aqui para tirar o lugar de algum português ou para ter dinheiro fácil”.

A atleta quase desistiu, nos seus primeiros tempos em Portugal, porque duas semanas depois de ter assinado pelo Benfica, mais de uma dezena de judocas abandonaram o clube da Luz: “Achei que o problema era eu. Era como se eu estivesse a ser humilhada para ir atrás de um sonho. Depois percebi que não tinha nada a ver comigo. Era uma questão interna do clube”.

Rochele Nunes já passou por outro momento “realmente difícil”, nos últimos tempos: a possibilidade de não haver Jogos Olímpicos em Tóquio, devido à pandemia. “Mudei toda a minha vida, mudei de país pelo sonho de conquistar uma medalha e não sabia o que ia acontecer”, confessou.

Inserida na categoria +78kg, Rochele já subiu ao pódio em Europeus, por Portugal, e vai estar nos Mundiais de judo, que arrancam neste domingo em Budapeste. Será precisamente a última judoca a entrar em ação, no dia 12, sábado.

Nuno Teixeira, ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Rochele. mesmo que sejas uma “convidada penetra”, gosto que estejas connosco. Quanto ao peso, tempo houve em que gordura era formosura e suponho que nesses quilos todos não terás muita gordura. De resto, pesos e tamanhos são como medidas de roupa: pequenos, médios e grandes, nenhuma importância, só precisamos de nos sentir confortáveis, “resolvidos” como agora é uso dizer-se.

  2. O problema em Portugal não é ser-se racista, é sobretudo não se saber vir e comportar como cidadão disciplinado, é contra esses que normalmente a sociedade se revolta e com razão, logo que se venha por bem e se comporte devidamente, ninguém incomoda ninguém!

  3. Rochele, faz o que tu gostas e não ligues ao que os outros dizem!
    Para melhor conheceres a tua origem, sugiro que visites o Senegal e Cabo Verde.

  4. … Portugal (genericamente falando) não é racista, mas sim “comportamentista” ninguém tem nada contra quem se quiser naturalizar, ou viver cá, seja branco, preto ou azul (neste caso é discutível), mantendo um comportamento digno, trabalhador e honrado.
    Agora para parasitar, não obrigado (o que não é OBVIAMENTE o caso da notícia).
    Desses já temos demais (e muitos nem foram “importados”)

    Infelizmente reconheço que em algumas etnias a cultura de crime e parasitismo é tal que muitos sofrem por causa de outros, é este comportamento criminoso cultural que vai gerar reacções que podem ser vistas como “racistas” por generalizarem um comportamento a uma etnia ou raça que partilha essa mesma cultura, mas a razão é que é humanamente impossível distinguir o trigo no meio de tanto joio.

    O meu humilde conselho é que a mudança parta de dentro e que essas comunidades se auto-disciplinem no respeito pela cultura e povo com quem decidiram viver para que consigam conquistar o respeito que (por enquanto muito poucos) merecem.

RESPONDER

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …

Mais de trinta anos após ter sido lançada ao mar no Japão, mensagem em garrafa é encontrada no Hawaii

Durante uma viagem ao Hawaii, uma jovem de apenas 9 anos encontrou uma garrafa que foi lançada ao mar há mais de trinta anos. Esta continha uma mensagem que, posteriormente, acabou por revelar uma experiência …

Mais 939 infeções, sete mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 939 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos. De acordo com o boletim epidemiológico da …

Milionário norte-americano Robert Durst condenado por matar melhor amiga

O milionário norte-americano Robert Durst, tornado famoso por um documentário do canal HBO, foi condenado na sexta-feira num tribunal de Los Angeles, nos Estados Unidos, por matar a melhor amiga, um crime que remonta a …