/

Bola de fogo de mil Hiroshimas destruiu cidade inteira (e pode ter inspirado história bíblica)

7

Representação artística da explosão, que teve o poder de 1.000 Hiroshimas.

Um asteróide atingiu Tall el-Hammam há cerca de 3.600 anos, destruindo toda a cidade e matando toda a sua população. A explosão pode ter inspirado a história bíblica de Sodoma.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Enquanto os habitantes de uma antiga cidade do Médio Oriente, agora chamada Tall el-Hammam, realizavam as suas tarefas diárias há cerca de 3.600 anos, não tinham ideia de que uma rocha espacial estava a mover-se rapidamente em direção a eles a cerca de 61.000 km/h.

Passando pela atmosfera, a rocha explodiu numa enorme bola de fogo a cerca de 4 quilómetros acima do solo. A explosão foi cerca de 1.000 vezes mais poderosa do que a bomba atómica de Hiroshima. Os moradores da cidade ficaram cegos instantaneamente.

As temperaturas do ar subiram rapidamente acima de 2.000 graus Celsius. Roupas e madeira incendiaram-se imediatamente. Espadas, lanças, tijolos de barro e cerâmica começaram a derreter. Quase imediatamente, a cidade inteira estava em chamas.

Alguns segundos depois, uma enorme onda de choque atingiu a cidade. Movendo-se a cerca de 1.200 km/h — mais poderosa do que o pior tornado já registado. Os ventos mortais varreram a cidade, demolindo todos os edifícios e arrancaram os 12 metros superiores do palácio de quatro andares.

Nenhuma das 8.000 pessoas ou quaisquer animais dentro da cidade sobreviveu — os seus corpos foram despedaçados e os seus ossos explodidos em pequenos fragmentos.

Cerca de um minuto depois, 22 km a oeste de Tall el-Hammam, os ventos da explosão atingiram a cidade bíblica de Jericó. As muralhas de Jericó desabaram e a cidade foi destruída pelo fogo.

Tudo soa ao clímax de um filme de Hollywood. Como é que sabemos que tudo isto aconteceu perto do Mar Morto, na Jordânia, há milénios?

NASA

A localização de Tall el-Hammam, na Jordânia.

Obter respostas exigiu quase 15 anos de escavações meticulosas por centenas de pessoas e envolveu análises detalhadas de material escavado por mais de duas dúzias de cientistas em dez estados dos EUA, bem como no Canadá e na República Checa.

Quando a equipa de investigadores finalmente publicou as evidências na revista Scientific Reports, os 21 coautores incluíam arqueólogos, geólogos, geoquímicos, geomorfologistas, mineralogistas, paleobotânicos, sedimentologistas, especialistas em impactos cósmicos e médicos.

PUBLICIDADE

Tempestade de fogo em toda a cidade

Anos antes, quando os arqueólogos examinaram as escavações da cidade em ruínas, puderam ver uma camada escura de carvão, cinzas, tijolos derretidos e cerâmica derretida, com cerca de 1,5 metros de espessura. Era óbvio que uma tempestade de fogo intensa tinha destruído esta cidade há muito tempo. Essa faixa escura passou a ser chamada de camada de destruição.

Ninguém tinha a certeza do que tinha acontecido, mas essa camada não foi causada por um vulcão, terremoto ou guerra. Nenhum deles é capaz de derreter metal, tijolos e cerâmica.

Para descobrir o que poderia ter acontecido, os investigadores usaram a Calculadora Online de Impacto para modelar cenários que se encaixassem nas evidências. Criada por especialistas em impacto, esta calculadora permite aos investigadores estimar os muitos detalhes de um evento de impacto cósmico, com base em eventos de impacto e detonações nucleares conhecidas.

Parece que o culpado em Tall el-Hammam foi um pequeno asteróide semelhante ao que derrubou 80 milhões de árvores em Tunguska, na Sibéria, Rússia, em 1908. Teria sido uma versão muito menor da rocha gigante com quilómetros de largura que levou os dinossauros à extinção há 65 milhões de anos.

História bíblica de Sodoma

É possível que uma descrição oral da destruição da cidade tenha sido transmitida por gerações até ser registada como a história bíblica de Sodoma. A Bíblia descreve a devastação de um centro urbano perto do Mar Morto — pedras e fogo caíram do céu, mais de uma cidade foi destruída, fumaça densa subiu dos incêndios e os habitantes da cidade foram mortos.

PUBLICIDADE

Poderia ser este o relato de uma testemunha ocular antiga? Nesse caso, a destruição de Tall el-Hammam pode ser a segunda destruição mais antiga de um assentamento humano por um evento de impacto cósmico, depois da aldeia de Abu Hureyra, na Síria, há cerca de 12.800 anos. É importante realçar que pode ser o primeiro registo escrito de um evento catastrófico.

O mais assustador é que quase certamente não será a última vez que uma cidade terá este destino.

Impactos do tamanho de Tunguska, como o que ocorreu em Tall el-Hammam, podem devastar cidades e regiões inteiras e representam um grave perigo nos dias modernos. Em setembro de 2021, havia mais de 26.000 asteroides próximos à Terra conhecidos e uma centena de cometas próximos à Terra.

Um deles, inevitavelmente, colidirá com a Terra. Outros milhões permanecem sem serem detetados, e alguns podem estar a vir em direção à Terra neste preciso momento.

A menos que telescópios detetem estes objetos perigosos, o mundo pode não ter nenhum aviso, assim como o povo de Tall el-Hammam.

PUBLICIDADE

  ZAP // The Conversation

7 Comments

  1. Inspirado a “história ” bíblica?….quem fez tal afirmação é que foi inspirado…pelo diabo. O que está registado na bíblia sobre Sodoma é facto, inclusive existem provas e sabe-se onde estaria localizada. Depois misturam o que aconteceu em Jericó com Sodoma, são acontecimentos diferentes e de épocas diferentes, ambos não são histórias e sim factos com provas.

  2. Eu vi recentemente, no canal História, o documentário acerca desta investigação. Os investigadores afirmaram que o meteoro explodiu no ar (tal como em Tunguska ou Cheliabynsk), porque não encontraram uma cratera de impacto no solo …. Mas se observarem bem o mapa da região, verificarão que a cratera de impacto pode muito bem ser o … mar/lago da Galileia !!! , porque está bem alinhado com a trajectória do meteoro conforme referido no documentário, sendo que o alongamento do mar/lago ocorre na direcção da referida trajectória …. A mim parece-me que o mar/lago da Galileia É A CRATERA DE IMPACTO.
    Alguém consegue fazer chegar esta opinião aos investigadores? (escrito deliberadamente com a ortografia antiga)

  3. Não apenas a Bíblia mas outros textos antigos apresentam relatos, à primeira vista fantasiosos e inverídicos, mas que têm alguma fundamentação real, histórica.
    A explicação do evento, evidentemente, vai depender da crença (ou falta de) cada um.
    Não crentes explicarão que povos antigos fizeram interpretações fantasiosas de eventos reais pela sua ignorância científica e pela vontade de florear os relatos ou, mesmo, de servir a propósitos de manipulação religiosa da população.
    Crentes explicarão com a vontade Divina para algum propósito.
    Mas um efeito ruim desnecessário é que crentes desacreditem a Ciência por achar que, explicando cientificamente, isso enfraqueça a interpretação da vontade Divina.
    Ora, se se acredita num Deus que tenha definido todas as leis naturais, por que Ele não poderia usar magistralmente de todas essas leis para criar um evento com um propósito definido?
    Em que Deus seria diminuído se provocasse a destruição de Sodoma usando um asteroide ao invés de jogar uma bola de fogo com suas “mãos”? (coloco “mãos” entre aspas porque, se Deus é espírito, não necessariamente tem características físicas como os humanos…)
    Ou, no caso da “parada do Sol”, poderia a iluminação noturna que aparentou ter o Sol ficado parado sobre a região, ter sido a explosão de uma supernova?
    Tenha sido qual tenha sido a realidade, é interessante ver como a Ciência, muito lenta e tardiamente, dá indícios de que relatos em textos religiosos, desprezados por muitos, podem, sim, ter tido uma fundamentação factual.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.