Bielorrússia. Polícia admite que disparou armas de fogo contra manifestantes

Amanda Voisard / UN Photo

Alexander Lukashenko, presidente da Bielorrússia desde 1994

A Polícia bielorrussa anunciou esta quarta-feira ter disparado com armas de fogo sobre os manifestantes que protestavam na terça-feira contra os resultados das presidenciais no sul do país, tendo admitido que os disparos fizeram um ferido.

Protestos contra a reeleição do Presidente, Alexander Lukashenko, no poder há 26 anos, têm decorrido na capital e em muitas outras cidades do país desde domingo à noite.

Violentamente reprimidos pelas autoridades com recurso a granadas atordoantes e balas de borracha, os protestos já resultaram em milhares de detenções, pelo menos um morto e mais de 250 feridos, segundo números oficiais.

Esta quarta-feira, o Ministério do Interior afirmou que a contestação pós-eleitoral está a “decrescer”, após o terceiro dia de violentos confrontos fortemente reprimidos pela polícia.

“O número de manifestantes foi menor esta noite assim como também se registaram menos manifestações nas várias cidades” do país, disse à France-Presse a porta-voz do Ministério do Interior, Olga Tchemodanova.

Já a polícia bielorrussa disse esta quarta-feira que, na noite de terça-feira, manifestantes “agressivos”, com bastões de metal, atacaram polícias em Brest, no sul do país.

Após disparos de aviso, “que não fizeram parar” os manifestantes, agentes da polícia “tiveram de disparar armas de fogo” para “proteger a sua vida”, segundo a mesma fonte. “Um atacante ficou ferido”, acrescenta a polícia em comunicado.

Também na noite de terça-feira para quarta-feira, em Minsk, de acordo com os jornalistas da AFP, testemunhas e publicações da oposição, as forças policiais atacaram de forma violenta pequenos ajuntamentos para impedir a formação de grandes grupos de pessoas.

Muitos condutores que usavam a buzina dos carros em sinal de protesto foram igualmente interpelados pela polícia de choque.

Na terça-feira, o governo de Minsk indicou que 200 pessoas foram hospitalizadas e que se tinham registado cinco mil detenções durante as manifestações dos dois dias anteriores.

Os manifestantes denunciam a reeleição que consideram fraudulenta do presidente Lukachenko no poder na Bielorrússia há 26 anos.

A candidata da oposição Svetlana Tikhanovskaia reivindicou vitória antes de se refugiar na Lituânia, na noite de segunda-feira.

As ligações através da internet que foram cortadas em todo o país foram restabelecidas nas últimas horas mas as atualizações nos portais de grupos de direitos humanos como a organização não-governamental Viasna ainda não dispõem de posições ou comunicados atualizados.

Entretanto, o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, anunciou a realização de uma reunião extraordinária de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia na próxima sexta-feira, para discutir questões “urgentes”, como a situação na Bielorrússia.

Lukashenko arrasta o país “para o abismo”

A escritora Svetlana Alexievitch, a única bielorrussa distinguida com um prémio Nobel, acusou na quarta-feira o Presidente Alexandre Lukashenko de conduzir o seu país para “a guerra civil”, em pleno movimento de contestação violentamente reprimido.

“Sai, antes que seja tarde de mais, antes que leves as pessoas para um abismo terrível, para o abismo de uma guerra civil. Sai.”, disse a autora dirigindo-se a Lukashenko, no poder há 26 anos, numa entrevista à Radio Fere Europe. “Apenas queres o poder e esse desejo revelar-se-á sangrento”, adiantou, acusando o poder bielorrusso de ter desencadeado “uma guerra contra o seu povo”.

O Presidente Lukashenko, 65 anos, classificou os contestatários de “desempregados com um passado criminoso” dirigidos a partir do estrangeiro.

“Vejo como a sociedade se radicaliza, como se comportam os polícias antimotim… Ninguém poderia imaginar isso”, disse ainda Svetlana Alexievitch, criticando a ação “desumana e satânica” das forças de segurança.

Galardoada em 2015 com o prémio Nobel da Literatura, a escritora de 72 anos é autora de livros pungentes sobre Chernobyl, a guerra do Afeganistão e a queda da União Soviética. Crítica contundente do poder de Alexandre Lukashenko, a escritora tinha apelado ao voto na opositora Svetlana Tikhanovskaia, 37 anos, uma antiga professora de inglês que substituiu o marido preso na corrida à presidência.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …

Mais de trinta anos após ter sido lançada ao mar no Japão, mensagem em garrafa é encontrada no Hawaii

Durante uma viagem ao Hawaii, uma jovem de apenas 9 anos encontrou uma garrafa que foi lançada ao mar há mais de trinta anos. Esta continha uma mensagem que, posteriormente, acabou por revelar uma experiência …

Mais 939 infeções, sete mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 939 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos. De acordo com o boletim epidemiológico da …

Milionário norte-americano Robert Durst condenado por matar melhor amiga

O milionário norte-americano Robert Durst, tornado famoso por um documentário do canal HBO, foi condenado na sexta-feira num tribunal de Los Angeles, nos Estados Unidos, por matar a melhor amiga, um crime que remonta a …

Em Inglaterra, há crianças de 16 anos que vão passar a viver em alojamentos não regulamentados

A 9 de setembro, foi aprovada uma nova lei em Inglaterra, segundo a qual as crianças com 16 e 17 anos podem ser colocadas em alojamentos não regulamentados. O sistema de acolhimento de crianças inglês está …

Suspeitos numa mota sem matrícula dispararam na direcção de candidata do CDS

A candidata do CDS à Junta de Freguesia de Palmela, em Setúbal, foi surpreendida, na noite de sexta-feira, por disparos de caçadeira, protagonizados por "duas pessoas sem capacete", numa mota sem luzes, nem matrícula. O incidente …

Jerónimo diz que conquista de Guimarães só é possível "milho a milho"

O secretário-geral do PCP defendeu, esta sexta-feira, que a presença da CDU na autarquia de Guimarães só pode ser reconquistada “milho a milho”, na noite em que a dirigente do PEV Heloísa Apolónia integrou a …

Parlamento aprovou Constitucional em Coimbra (mas PS ainda pode chumbar a saída de Lisboa)

O Parlamento aprovou, na generalidade, a proposta do PSD para transferir o Tribunal Constitucional (TC) e o Supremo Tribunal Administrativo (STA) de Lisboa para Coimbra. Mas a mudança só poderá ser concretizada depois da votação …

Concluídas obras de segurança e consolidação da catedral de Notre-Dame em Paris

A fase de segurança e consolidação da catedral de Notre-Dame, em Paris, quase destruída num incêndio há mais de dois anos, terminou, dando lugar à etapa de restauro, anunciaram este sábado as autoridades. Em 15 de …

Certificados de vacinação emitidos por países terceiros reconhecidos para viagens aéreas

Os certificados de vacinação e de recuperação emitidos por países terceiros passam a ser reconhecidos para viagens aéreas, deixando de ser exigido teste negativo e quarentena quando esta seja aplicável em função da respetiva origem, …