/

As barreiras que previnem as inundações em Veneza podem estar a contribuir para a perda de biodiversidade marinha

Andrea Merola / EPA

As barreiras colocadas na costa de Veneza são essenciais para proteger a cidade e os seus monumentos da subida das águas em períodos de temporais.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Ao longo dos últimos anos, têm sido recorrentes as notícias de cheias na cidade de Veneza, conhecidas pelos seus canais. Com o problema a atingir proporções cada vez maiores, como resultado das vagas de mau tempo mais recorrentes e mais fortes, as autoridades italianas começaram a estudar soluções que lhes permitissem diminuir não as proporções do problema, mas das suas consequências. Em 2003, iniciou-se a construção de uma barreira que, quando os alertas meteorológicos assim o indicam, são ativadas, e impedem a água de entrar na cidade.

No entanto, no que muitos viram a solução, outros viram o início de outro possível problema. Um grupo de cientistas italiano, num novo artigo científico, aponta que a obra pode impedir que alguns sedimentos vitais para os ecossistemas aquáticos ali existentes cheguem a alguns pontos dos canais, pondo, assim, em risco a biodiversidade.

Em 2020, a barreira foi ativada pela primeira vez, o que constituiu uma oportunidade para Davide Tognin, doutorando da Universidade de Pádua, que se tem dedicado ao estudo dos atoleiros na lagoa de Veneza. Segundo o próprio, os sedimentos são vitais, já que fornecem alimento, mas também dão segurança às plantas. Ao longo dos anos — leia-se, séculos —, a sua acumulação também ajuda as plantas a acompanhar a subida do nível do mar.

Tognin e os seus colegas queria, por isso, saber quantos destes sedimentos chega aos atoleiros de Veneza provenientes das marés e quanto chega durante as tempestades. Como tal, a partir de outubro de 2018 começaram a monitorizar a quantidade de sedimentos acumulados em 54 recipientes de plástico colocados em três atoleiros de sal, todos em zonas diferentes — de forma a perceber como é que os comportamentos das correntes podem influenciar o transporte de sedimentos.

“Queríamos ter uma fotografia geral da lagoa”, explicou o investigador. Ao longo dos 39 meses que se seguiram, foram recolhidas 1446 amostras. Segundo o site Science.org, quando o tempo e as correntes estavam normais, não chegaram sedimentos aos recipientes — ou apenas alguns grãos. Mas quando o tempo está revolto, estes recolhem entre 50 a 100 centímetros de água e cerca de 5 milímetros de sedimentos.

Posteriormente, os investigadores chegaram à conclusão que as tempestade são responsáveis por 70% dos sedimentos que chegam aos atoleiros anualmente. Mas face à ativação da barreira, este valor decresceu 25%, um valor surpreendente até para para os académicos, já que as proteções, em 365 dias, estão ativas durante 70 horas.

Estes números são relevantes, uma vez que os atoleiros são construídos na vertical, crescendo apenas 3 milímetros por ano. Simultaneamente, o nível de água na lagoa tem vindo a crescer cerca de 2.5 milímetros por ano, algo que se prevê que aumente face às alterações climáticas. De acordo com os investigadores, o impacto das barreiras na aglomeração de sedimentos poderia representar uma estagnação no crescimento de atoleiros de cerca de 1.1 milímetros, o suficiente para eles, por exemplo, afundarem lentamente.

Apesar das críticas de alguns investigadores externos, os autores estão convictos que a informação recolhida e apresentada é fidedigna. “É uma fotografia precisa do que está a acontecer agora”, esclarece Luca Carniello, outro dos investigadores pertencentes ao à Universidade de Pádua.

Na investigação, a equipa avança ainda com ideias para tentar limitar os impactos das barreiras, nomeadamente, atrasando a sua ativação até o nível da água estar 20 centímetros mais elevado, o que faria com que apenas menos 10% dos sedimentos acabassem nos atoleiros face aos anos em que a barreira não existia. Fechar apenas determinadas partes da barreira em momentos específicos (de acordo com as previsões meteorológicas) também poderá ser uma solução. Uma terceira terá ainda que ver com o transporte de sedimentos a partir de outras fontes.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.