Bactérias que “comem” carne humana estão a espalhar-se para praias onde antes não chegavam

Bactérias que “comem” carne que vivem no oceano estão a espalhar-se para as águas das praias que, anteriormente, não estavam afetadas. As alterações climáticas podem ser as culpadas.

Os autores do relatório descreveram cinco casos de graves infeções bacterianas em pessoas que estiveram expostas a água ou frutos do mar de Delaware Bay, uma praia entre Delaware e New Jersey, nos Estados Unidos. Estas infeções são raras, sendo que a bactéria responsável pela doença, chamada Vibrio vulnificus, prefere águas mais quentes, como as do Golfo do México.

Mas, com o aumento das temperaturas do oceano devido às alterações climáticas, V. vulnificus pode estar a mover-se para norte, provocando estas infeções em áreas que não estavam afetadas anteriormente.

“Acreditamos que os clínicos devem estar cientes da possibilidade de que as infeções por V. vulnificus ocorram mais frequentemente fora das áreas geográficas tradicionais”, escreveram os autores, do Cooper University Hospital, no relatório publicado na revista Annals of Internal Medicine.

V. vulnificus vive em águas oceânicas com temperaturas superiores a 13ºC. As pessoas podem ficar infetar com a bactéria de duas maneiras: se consumirem frutos do mar contaminados ou se tiverem uma ferida aberta que entra em contacto direto com a água do mar que contém as bactérias.

Embora a maioria das pessoas infetadas com V. vulnificus desenvolva apenas sintomas leves, algumas pessoas desenvolvem infeções graves na pele ou na corrente sanguínea. V. vulnificus pode causar fasceíte necrotizante, uma infeção rara que causa a morte dos tecidos moles do corpo e pode resultar em amputações ou até morte.

Os autores observaram que, de 2008 a 2016, o hospital viu apenas um caso de infecção por V. vulnificus. Mas nos verões de 2017 e 2018, esse número saltou para cinco casos. Todos esses pacientes tinham ido pescar caranguejos na Baía de Delaware ou consumido frutos do mar da área e todos os pacientes desenvolveram fasceíte necrotizante. Um paciente morreu.

Um homem de 46 anos sofreu uma pequena lesão na perna enquanto se agachava. Dois dias depois, desenvolveu dor progressiva, inchaço e bolhas na perna ferida, o que acabou por ser uma infecção causada por V. vulnificus. Noutro caso, um homem de 64 anos desenvolveu graves inchaços e bolhas cheias de líquido na mão direita após a limpeza e ingestão de caranguejos. Apesar de passar por uma cirurgia de emergência, desenvolveu um ritmo cardíaco anormal e morreu.

Um homem de 60 anos que comeu uma dúzia de caranguejos da Baía de Delaware desenvolveu inchaço progressivo na perna direita. A condição piorou e espalhou-se para os outros membros. Os médicos acabaram por precisar de amputar todos os quatro membros, embora o homem tenha sobrevivido.

Fasceíte necrotizante por infeção de V. vulnificus geralmente não ocorrem em pessoas com sistema imunológico saudável, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC). As pessoas correm maior risco de infeções se tiverem doença hepática crónica ou outras condições que enfraquecem o seu sistema imunológico. Dos cinco casos descritos no relatório, três indivíduos tinham hepatite B ou C e um tinha diabetes.

Para prevenir a infeção, o CDC recomenda que pessoas com feridas abertas evitem contacto com água salgada ou salobra ou cubram as feridas com uma ligadura impermeável.Também é recomendado que as pessoas evitem comer mariscos crus ou mal cozidos.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Reembolso do IVA, novo apoio e "afinação" no sucessor do lay-off. Governo anuncia novas medidas

O Governo anunciou esta segunda-feira através do seu ministro da Economia e de Estado, Pedro Siza Vieira, uma série de medidas para estimular a procura interna e apoiar a liquidez das empresas no período de …

"É uma tolice continuar a usar gás natural", diz ministro do Ambiente

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, afirmou que a aposta no hidrogénio verde é a melhor opção para descarbonizar a indústria nacional e que "é uma tolice continuar a …

Condições desumanas no centro de Lisboa: Moradores sem água despejam dejetos na rua

Na Quinta do Ferro, no coração de Lisboa, o cenário é descrito pelos moradores como “assustador” e “uma miséria”. Neste bairro, há quem viva sem luz e ainda despeje os dejetos na rua como em …

Governo vai criminalizar graffiti que custam um milhão de euros à CP

O Ministério da Justiça prepara-se para endurecer a lei contra o graffiti, que tinha sido descriminalizado, em 2013, durante o Governo de Pedro Passos Coelho. De acordo com o jornal Público, o Governo está a preparar …

Matos Fernandes diz que há "pressa" em explorar lítio, mas garante que Portugal não o fará a todo o custo

O ministro do Ambiente, Matos Fernandes, afirmou esta segunda-feira que Portugal não vai explorar o lítio “a todo o custo”, mas que este é “absolutamente fundamental" para a descarbonização, razão pela qual o Governo vai …

Governo vai reembolsar parte do IVA das compras no turismo e restauração

O Governo prepara uma flexibilização da medida de apoio à retoma, que veio substituir o ‘lay-off’ simplificado, bem como uma iniciativa que permitirá reaver parte do IVA dos serviços de turismo e restauração, adiantou o …

97,3% dos doentes com covid-19 estão a recuperar em casa

A grande maioria dos doentes (97,3%) com covid-19 está a recuperar em casa, estando os restantes internados em enfermarias e nos cuidados intensivos, disse hoje o secretário de Estado Adjunto e da Saúde. Segundo os dados …

Restauração quer esplanadas cobertas no inverno e “mordomo” a fiscalizar regras

A associação nacional de restaurantes PRO.VAR – Promover e Inovar a Restauração Nacional pediu este domingo ao Governo a criação da figura de “mordomo” no programa Adaptar 2.0 para ajudar na manutenção das regras de …

De cinco para zero: a formação do Benfica no 11 inicial

O regresso de Jorge Jesus já fazia prever a diminuição do número de futebolistas locais na equipa do Benfica. Rúben Dias saiu e, em menos de um ano, o Seixal desaparece dos titulares. 5 de novembro …

Comissão Europeia avalia fim das moedas de um e dois cêntimos em 2021

A Comissão Europeia lançou uma consulta pública para avaliar o impacto sobre a utilização das moedas de um e dois cêntimos, admitindo a sua descontinuação até final de 2021 devido a “critérios de custo e …