Aves que não voam eram mais comuns antes das extinções causadas pelo homem

Se tivermos em consideração as espécies extintas pelos humanos, haveria um total de 226 aves que não voam. Atualmente existem apenas 60 espécies.

Quando os primeiros humanos começaram a colonizar todas as regiões do mundo, muitas espécies foram extintas. Algumas foram caçadas diretamente até a extinção, outras viram os seus habitats destruídos, e ainda mais foram dizimadas pela introdução de predadores não nativos como ratos.

A evolução às vezes pode seguir caminhos estranhos. Por exemplo, embora os pássaros sejam reconhecidos mestres do voo, alguns, no entanto, abandonaram essa habilidade para viver no solo. As espécies de pássaros frequentemente evoluem sem voar em ambientes sem predadores, porque o voo é um luxo que não é necessário quando não há inimigos dos quais escapar.

O pequeno pássaro conhecido como “Rallidae da Ilha Inacessível”, Atlantisia rogersi, é um exemplo. Como o nome sugere, a sua ilha é de difícil acesso e, sem predadores a viverem lá, o pássaro pode circular em segurança.

Hoje, existem 60 espécies de pássaros que não voam, em 12 famílias distintas, e muitas estão ameaçadas de extinção. No entanto, um estudo publicado esta semana na revista Science Advances, descobriu que a evolução para a ausência de voo tem sido muito mais comum do que estas 60 espécies poderiam sugerir, uma vez que os cientistas tiveram em consideração as espécies de pássaros que foram extintas após a chegada do homem a uma área.

Os investigadores compilaram uma lista de 581 extinções de pássaros provavelmente causadas por humanos. Destas espécies, 166 podem ser consideradas não voadoras (ou, na melhor das hipóteses, apenas voadoras fracas), representando 29% das espécies de aves extintas.

Assim, a lista de aves conhecidas que não voam aumenta de 60 para 226, quando ambas as espécies vivas e extintas são consideradas.

A grande transição evolucionária ocorreu a uma taxa quatro vezes maior do que parece baseada unicamente em espécies vivas, sugerindo que o caminho evolutivo do céu para o chão em aves não era tão raro quanto se pensava anteriormente. Costumava haver íbis, corujas, pica-paus, poupas e tentilhões que não voavam – infelizmente, todos eles agora desapareceram.

Os resultados da investigação também mostram o quão seletivas as extinções antropogénicas podem ser. Muitas espécies de pássaros evoluíram em resposta à ausência de mamíferos, portanto, eram particularmente vulneráveis a humanos que chegavam às suas ilhas e traziam mamíferos, como ratos, com eles. Além do voo, esses pássaros também perderam o medo de tais predadores.

PARTILHAR

RESPONDER

Role play ao serviço da Ciência. Investigadores fingem ser Neandertais para estudar caça a aves

Uma equipa de investigadores espanhóis decidiu adotar a "dramatização" científica para reconstruir um novo elemento do comportamento Neandertal: a cooperação com os membros do grupo enquanto usa fogo e ferramentas para caçar gralhas no interior …

Estoril 0-1 Sporting | Figueira deu o fruto que saciou o leão

Foi preciso surgir um erro crasso do guarda-redes estorilista (até então a fazer uma belíssima exibição) para o campeão nacional poder respirar de alívio e festejar a quarta vitória na Liga, esquecendo por agora a …

A tinta mais branca do mundo ajuda a poupar energia nas casas - e pode eliminar de vez o ar condicionado

Uma equipa de investigadores da Universidade de Purdue desenvolveu uma tinta tão branca que revestir um prédio com ela pode reduzir, ou até mesmo eliminar, a necessidade de ter ar condicionado. Depois de testar mais de …

Costa promete "lição exemplar" à Galp depois de "tanto disparate" em Matosinhos

O secretário-geral do PS, António Costa, considerou hoje que “era difícil imaginar tanto disparate, tanta asneira, tanta insensibilidade” como a Galp demonstrou no encerramento da refinaria de Matosinhos, prometendo uma “lição exemplar” à empresa. Falando em …

Porto 5-0 Moreirense | Días, Taremi e Fábio, o trio maravilha

O Porto foi o primeiro dos “grandes” a entrar em campo e deu o mote, e que mote. Os “dragões” receberam o Moreirense e golearam sem apelo nem agravo, por 5-0, graças a uma segunda …

Ronaldo volta a marcar pelo United em jogo com final frenético

O português Cristiano Ronaldo voltou hoje a marcar pelo Manchester United, mas foram Lingaard e David de Gea que ‘brilharam’ na vitória sobre o West Ham, por 2-1, em jogo da quinta jornada da Liga …

O Cumbre Vieja, num dos complexos vulcânicos mais ativos nas Canárias, entrou em erupção

O vulcão Cumbre Vieja, na ilha espanhola de La Palma, entrou hoje em erupção na zona de Las Manchas, depois de mais de uma semana em que foram registados milhares de sismos na região. Na zona, …

Portugal regista 677 novos casos de covid-19 e cinco mortes

Portugal registou, este domingo, 677 novos casos e cinco mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Estudo mostra como diferentes espécies de polvos coexistem no mesmo ambiente

Existem mais de 300 espécies de polvos a viver em diversos habitats que abrangem recifes de coral, leitos de ervas marinhas, planícies de areia e regiões de gelo polar. Mas de que forma cefalópodes tão …

As máquinas estão "muito longe" de serem mais inteligentes (mas muito perto de agir como pessoas)

A especialista em inteligência artificial Daniela Braga considera que as máquinas estão "muito longe" de substituírem totalmente os humanos ou serem mais inteligentes, mas estão "muito perto" de interagirem como as pessoas. "Acho que estamos muito …