/

Aves migratórias estão a voar muito mais alto do que o esperado (e podem atingir os -21ºC)

Åke Lindström

Uma narceja-real (Gallinago media).

Cientistas descobriram que duas aves migratórias estão a voar muito mais alto do que o esperado. A narceja-real pode atingir os 8.700 metros de altitude.

Todos os outonos, mil milhões de pássaros deixam as suas áreas de reprodução quando a temperatura cai e a comida escasseia para passar o inverno em climas mais favoráveis, retornando na primavera seguinte, quando o clima quente traz comida em abundância.

Estas jornadas épicas podem cobrir milhares de quilómetros, muitas vezes cruzando oceanos e desertos onde os pássaros não podem parar para descansar e comer.

Até agora, pensava-se que as aves migratórias geralmente voam a altitudes abaixo de 2.000 metros, e apenas em casos extremos voavam acima de 4.000 metros. Mas agora, cientistas observaram duas aves migratórias diferentes — uma ave canora e uma pernalta — a voar regularmente a altitudes de 4.000m-6.000m quando prolongam os seus voos noturnos até de dia.

Isto significa que, entre o dia e a noite, estas aves migratórias mudam a altitude de voo de maneira mais comum e dramática do que se pensava, voando muito alto durante a noite e extremamente alto durante o dia.

O rastreamento de rouxinol-grande-dos-caniços é parte de um projeto de longo prazo de 40 anos sobre a espécie no lago Kvismaren, no centro-sul da Suécia, liderado por Dennis Hasselquist.

O rouxinol-grande-dos-caniços é um pássaro canoros que pesa cerca de 30g. Como a maioria dos outros pássaros canoros, o rouxinol-grande-dos-caniços normalmente só voa durante a noite e passa os dias a descansar ou a alimentar-se no chão, durante a sua migração de um mês do norte da Europa para a África Subsariana.

Durante as travessias do Mar Mediterrâneo e do Deserto do Saara, o rouxinol-grande-dos-caniços às vezes prolonga o seu voo noturno por algumas horas no dia seguinte ou durante o dia inteiro e a noite seguinte, durando até 35 horas.

Por sua vez, a narceja-real é uma pernalta que pesa cerca de 200g se e reproduz-se nas montanhas do norte da Suécia. Uma equipa internacional de investigadores liderada por Åke Lindström tem rastreado estas aves na última década.

Estudos revelaram que a narceja-real desenvolve uma estratégia migratória em que a maior parte da jornada de 6.000 km até às suas áreas de inverno na África Subsariana é realizada num longo voo sem escalas, com duração de 60-90 horas.

Durante as longas viagens, que incluem voos noturnos e diurnos, os cientistas descobriram que os rouxinóis e as narcejas voavam a cerca de 2.000 metros durante a noite, antes de escalar abruptamente, muitas vezes, mais de 3.000 metros ao amanhecer. Ambas as espécies voavam regularmente a altitudes acima de 5.000m-6.000m, o que é muito acima do que o esperado com base no que se sabia antes sobre altitudes de voo.

Uma das narcejas-reais ficou acima de 8.000m por mais de cinco horas num dia, chegando a uma altitude máxima de cerca de 8.700m. Esta é a maior altitude alguma vez registada por uma ave migratória.

Quando os pássaros sobem entre 3.000m-4.000m, a temperatura ambiente cai cerca de 20°C. Este pode ser o motivo do seu comportamento. Os investigadores acham que as aves podem estar a procurar temperaturas muito baixas para neutralizar o calor causado pela luz solar.

O esforço de bater as asas durante o voo produz muito calor, e quando o calor de um sol escaldante é juntado à receita, os pássaros devem encontrar uma maneira de se refrescar. Eles mantêm-se nestas altitudes extremamente altas e frias até pousar durante o dia ou descer abruptamente ao anoitecer para voar a altitudes de 2.000 m.

Os autores do estudo descobriram que a narceja-real repetia este ciclo de 24 horas, trocando de altitude ao longo de vários dias de longos voos.

Os pássaros também podem voar mais alto para evitar predadores encontrados nessas altitudes ou para fins de orientação. No entanto, o padrão era muito consistente. Os pássaros estudados subiam muito alto sempre que continuavam a voar durante o dia, por isso está claro que o comportamento é importante.

Altitude extrema, temperatura extrema

A temperatura estimada quando a narceja-real atingiu a sua altitude máxima era de -21°C. Com o efeito arrepiante da velocidade do ar, o nível de oxigénio e pressão do ar muito baixos e a forte radiação ultravioleta, este é um ambiente mais inóspito do que a maioria dos humanos jamais sentirá — 8.700 m é semelhante em altura ao cume do Monte Evereste.

No entanto, durante todo o tempo gasto nestas condições extremas, os pássaros trabalharam intensamente batendo as asas. O coração, os pulmões e os músculos das aves são mais eficientes para a captação de oxigénio e esforço intensivo em comparação com os humanos, o que permite que funcionem com eficiência nessas altitudes muito elevadas.

Este estudo deixa claro que pequenas aves são plenamente capazes, sem aquecimento ou aclimatação, de realizar viagens excecionais com duração de várias noites e dias, cruzando continentes e oceanos em altitudes extremas.

Ao compreender a causa deste comportamento, podemos aprender sobre as limitações para voar e os desafios que as aves migratórias enfrentam, à medida que os efeitos das alterações climáticas começam a afetar o seu meio ambiente.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Os resultados do estudo foram recentemente publicados na revista Science.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE