/

Autismo associado a baixos níveis de empatia (o que pode não ser mau)

Um novo estudo comprovou que o autismo está associado a baixos níveis de empatia. No entanto, os cientistas acreditam que isso pode não ser mau de todo e que pode trazer benefícios que as pessoas desconhecem.

Usamos a empatia para entender os sentimentos de outras pessoas e para poder prever e influenciar o comportamento deles. Mas a capacidade de empatia varia de pessoa para pessoa. Enquanto muitas pessoas são facilmente capazes de entender os outros, algumas pessoas – como a maioria das pessoas com autismo – têm dificuldades em situações sociais.

A empatia tem sido o foco de muitas investigações psicológicas, particularmente no autismo. No entanto, ainda há algum debate sobre se as pessoas no espectro autista têm ou não dificuldades empáticas. Esta falta de clareza tem sido, até agora, devido a problemas com os testes usados para medir a empatia e o pequeno número de participantes no estudo.

Estudar a empatia no autismo é ainda mais complicado pelo facto de que muitas pessoas autistas também têm alexitimia, uma condição conhecida como “cegueira emocional“.

Pessoas com alexitimia têm dificuldades em entender as suas próprias emoções e, por isso, têm também dificuldades em perceber as dos outros. É importante considerar a alexitimia ao investigar a empatia e o autismo.

Num esforço para combater essas limitações, um novo estudo, publicado esta sexta-feira na revista no Journal of Autism and Developmental Disorders, utilizou inquéritos em grande escala com mais de 600 adultos. Punit Shah e sua equipa mediram as associações entre autismo, alexitimia e pontuação num teste de empatia.

O estudo descobriu que ter mais traços autistas está associado a uma menor empatia – mesmo depois de incluir a alexitimia na análise. Na verdade, o estudo fornece algumas das melhores evidências até agora de que o autismo está definitivamente ligado a uma menor empatia.

Uma visão diferente

Mas também precisamos de considerar se o autismo estar ligado a uma menor empatia pode não ser necessariamente uma coisa má. A empatia é útil em situações sociais, mas também foi descoberto que pode ser mentalmente cansativa.

Acredita-se também que a empatia “seletiva”, como entender os sentimentos de algumas pessoas e ignorar os sentimentos dos outros, leva ao comportamento imoral e à exclusão de alguns grupos da sociedade. Por exemplo, é comum as pessoas priorizarem os sentimentos de amigos e familiares, mas negligenciarem as perspetivas de estranhos.

A empatia é amplamente vista como um atributo positivo, mas tem um lado obscuro que é mal compreendido. Portanto, uma menor empatia no autismo pode trazer benefícios que ainda não apreciamos plenamente.

Existem outras habilidades psicológicas relacionadas com o autismo que também podem ser úteis na sociedade. Por exemplo, o autismo foi associado a níveis mais elevados de pensamento lógico e tomada de decisão racional.

Pessoas autistas também demonstraram tomar decisões sociais mais justas. Um estudo publicado no mês passado na revista Autism Research mostra que os autistas são mais propensos a compartilharem dinheiro de forma igualitária com pessoas desconhecidas, em vez de ficarem com mais dinheiro para si.

Pode ser que um nível mais baixo de empatia esteja realmente a permitir que pessoas autistas tomem decisões mais justas, sem influência indevida de como os outros podem reagir emocionalmente.

Também foi sugerido que pessoas autistas podem ter talentos criativos inexplorados. É provável que existam muitas outras habilidades associadas ao autismo que ainda não foram totalmente apreciadas. O que está claro é que o autismo está ligado a uma maneira diferente de pensar. Isso às vezes dificulta as interações entre pessoas com e sem autismo.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE