Aumento de cesarianas está a afectar a evolução do corpo das mulheres

-

O uso cada vez mais recorrente das cesarianas nos partos está a afectar a evolução do corpo das mulheres. A conclusão é de um estudo austríaco que constata que estas cirurgias não permitem às mulheres adaptar-se ao crescente aumento do tamanho dos bebés.

A investigação, levada a cabo na Universidade de Viena, na Áustria, apurou que as mulheres não desenvolvem pélvis mais largas, de modo a adaptarem-se ao crescente aumento do tamanho dos recém-nascidos, por causa do uso recorrente de cesarianas nos partos.

Está em causa uma “evolução” que decorre do facto de os avanços da medicina não permitirem aquela que seria a selecção natural, conforme explica o líder da investigação, Philipp Mitteroecker, do Departamento de Biologia Teorética da Universidade de Viena, em declarações à BBC.

“As mulheres com uma pélvis muito estreita não sobreviveriam ao parto há cem anos. Agora sobrevivem e passam o seu código genético para uma pélvis estreita às suas filhas”, realça o cientista.

“Sem a intervenção médica moderna, tais problemas eram, muito frequentemente, letais e isto, de uma perspectiva evolucionária, é selecção”, acrescenta.

No estudo, publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, atesta-se que “o uso regular de partos de cesariana, ao longo da última década, levou a um aumento evolucionário dos níveis da desproporção feto-pélvica de 10% a 20%“.

É o mesmo que dizer que, por causa das cesarianas, o corpo de algumas mulheres não consegue adaptar-se ao aumento de tamanho dos recém-nascidos, o que é também uma tendência moderna.

Os investigadores calculam que os casos em que o bebé não cabe no canal de nascimento aumentaram de 30 em mil em 1960 para 36 em mil hoje em dia. E a previsão é de que esta tendência continue a aumentar.

“Prova absoluta demorará centenas de anos”

Para o obstetra Diogo Ayres de Campos, professor na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, as conclusões deste estudo austríaco não são, contudo, definitivas, afirma ao Diário de Notícias.

“É uma teoria que já tem algum tempo. Várias pessoas o defenderam no passado, mas a prova absoluta demorará centenas de anos”, refere Ayres de Campos, considerando que é “natural que estejamos a seleccionar uma população com bacias mais estreitas” quando, “a nível global, há um aumento do peso médio dos bebés e dos outros diâmetros”.

O obstetra britânico Daghni Rajasingam, consultado pela BBC, refere, por seu lado, que é preciso também considerar outros dados da sociedade actual, como os casos de diabetes e de obesidade durante a gravidez, que influenciam a necessidade de as mulheres recorrerem a cesarianas durante o parto.

A OMS tem alertado para o número elevado de cesarianas praticadas em todo o mundo.

Segundo o DN, dados de 2015, relativos a Portugal, mostram que no Serviço Nacional de Saúde há uma taxa de 28% de partos com cesariana, enquanto nos privados a média chega aos 66%, contra os 27,6% na média dos países da OCDE.

Em 2014, um estudo feito pela Universidade de Aveiro explicava o elevado número de cesarianas no privado com o factor económico, por serem mais caras do que os partos naturais, e no público com a intenção de “despachar” o processo perante a falta de profissionais.

SV, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Role play ao serviço da Ciência. Investigadores fingem ser Neandertais para estudar caça a aves

Uma equipa de investigadores espanhóis decidiu adotar a "dramatização" científica para reconstruir um novo elemento do comportamento Neandertal: a cooperação com os membros do grupo enquanto usa fogo e ferramentas para caçar gralhas no interior …

Estoril 0-1 Sporting | Figueira deu o fruto que saciou o leão

Foi preciso surgir um erro crasso do guarda-redes estorilista (até então a fazer uma belíssima exibição) para o campeão nacional poder respirar de alívio e festejar a quarta vitória na Liga, esquecendo por agora a …

A tinta mais branca do mundo ajuda a poupar energia nas casas - e pode eliminar de vez o ar condicionado

Uma equipa de investigadores da Universidade de Purdue desenvolveu uma tinta tão branca que revestir um prédio com ela pode reduzir, ou até mesmo eliminar, a necessidade de ter ar condicionado. Depois de testar mais de …

Costa promete "lição exemplar" à Galp depois de "tanto disparate" em Matosinhos

O secretário-geral do PS, António Costa, considerou hoje que “era difícil imaginar tanto disparate, tanta asneira, tanta insensibilidade” como a Galp demonstrou no encerramento da refinaria de Matosinhos, prometendo uma “lição exemplar” à empresa. Falando em …

Porto 5-0 Moreirense | Días, Taremi e Fábio, o trio maravilha

O Porto foi o primeiro dos “grandes” a entrar em campo e deu o mote, e que mote. Os “dragões” receberam o Moreirense e golearam sem apelo nem agravo, por 5-0, graças a uma segunda …

Ronaldo volta a marcar pelo United em jogo com final frenético

O português Cristiano Ronaldo voltou hoje a marcar pelo Manchester United, mas foram Lingaard e David de Gea que ‘brilharam’ na vitória sobre o West Ham, por 2-1, em jogo da quinta jornada da Liga …

O Cumbre Vieja, num dos complexos vulcânicos mais ativos nas Canárias, entrou em erupção

O vulcão Cumbre Vieja, na ilha espanhola de La Palma, entrou hoje em erupção na zona de Las Manchas, depois de mais de uma semana em que foram registados milhares de sismos na região. Na zona, …

Portugal regista 677 novos casos de covid-19 e cinco mortes

Portugal registou, este domingo, 677 novos casos e cinco mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Estudo mostra como diferentes espécies de polvos coexistem no mesmo ambiente

Existem mais de 300 espécies de polvos a viver em diversos habitats que abrangem recifes de coral, leitos de ervas marinhas, planícies de areia e regiões de gelo polar. Mas de que forma cefalópodes tão …

As máquinas estão "muito longe" de serem mais inteligentes (mas muito perto de agir como pessoas)

A especialista em inteligência artificial Daniela Braga considera que as máquinas estão "muito longe" de substituírem totalmente os humanos ou serem mais inteligentes, mas estão "muito perto" de interagirem como as pessoas. "Acho que estamos muito …